5 pensou em “IMPRENÇA BANÂNICA

  1. Sorte e juízo!
    Prefeitos assumem com pandemia, pobreza, discurso de ódio e Bolsonaro na praia
    Eliane Cantanhêde

    Os prefeitos que assumiram no primeiro dia do ano precisam de liderança, força política, experiência, capacidade administrativa e bom senso, além da indispensável ética com a coisa pública. O foco estará em todos e cada um, principalmente em Eduardo Paes (DEM), que reencontra a Cidade Maravilhosa com o amor próprio ferido, arrasada administrativa e financeiramente. Ele não assumiu uma prefeitura, entrou numa guerra.

    São tempos difíceis e desafiadores para Paes, os reeleitos Bruno Covas (PSDB) e Alexandre Kalil (PSD), em São Paulo e Belo Horizonte, e para todos os demais: Bolsonaro na praia, vírus a mil, idas e vindas das vacinas, lojas fechando, empresas quebrando, desemprego grassando. E a ajuda emergencial acabou junto com 2020.

    O equilíbrio é complicado: responsabilidade com as contas públicas, mas como não gastar com leitos, remédios, profissionais extras, pessoas e famílias? Sem esquecer que estamos em janeiro, é época de chuvas, temporais, desabamentos. O que dá um frio na barriga. Onde há planejamento e diligência, tudo bem. E onde não há?

    Além das duríssimas questões administrativas, que incluem educação, a volta às aulas, transportes e saneamento, os prefeitos, novos ou reeleitos, têm a obrigação de quebrar o discurso de ódio, negacionismo, polarização. Girar o leme para o futuro: inclusão, generosidade, combate sério ao vírus, civilidade com os opositores.

    Nas posses, aqui e acolá, os prefeitos registraram também preocupação com desigualdade, racismo, homofobia e feminicídio, patologias incompatíveis com um País multirracial, plural e tão acolhedor, mas que estão na moda, em alta. Com estímulos indiretos e até diretos que vêm de “cima”. Não exatamente dos céus.

    Tudo isso, aliás, foi firmado nos votos de 2020, que jogaram fora os devaneios da “nova política” e optaram pelo conhecido, testado. Paes, no Rio, é reconhecido pela capacidade de trabalho e de gestão, essenciais para a reconstrução de uma cidade tão atacada, num Estado em que quase todos os ex-governadores passaram pela prisão, o atual foi afastado sem volta, o ex-prefeito está imobilizado com tornozeleira.

    Em São Paulo, onde o tucano Bruno Covas travou o bom combate com Guilherme Boulos (PSOL), nova cara da esquerda, as forças políticas se movem com responsabilidade num ambiente de pandemia e de incerteza econômica, que exige mais racionalidade, menos disputa ideológica. E as contas ajudam, depois da renegociação de dívidas camarada feita da capital com o governo Dilma Rousseff. Faz toda a diferença.

    Em BH, Kalil não foi apenas reeleito, mas vice-campeão de votos do primeiro turno, só atrás de Bruno Reis (DEM), de Salvador. Sem tititi, sem fazer questão de ser simpático e engraçadinho, Kalil surpreendeu por fazer a coisa certa, não se submeter ao Palácio da Liberdade nem ao Planalto e tratar a pandemia como ela é: perigosa, que adoece, mata, deixa sequelas inclusive na economia.

    Esse flash do “Triângulo das Bermudas” projeta o cenário político. PSDB mantém estado e capital em São Paulo. DEM tem Paes no Rio, ACM Neto se desvencilhando da Prefeitura de Salvador e Rodrigo Maia, da presidência da Câmara, ambos livres para articulações nacionais. PSD, que ora vai para um lado, ora para o outro, ganha novo status para 2022, ao herdar uma Minas Gerais órfã do PSDB e do PT.

    Dos prefeitos, esperam-se competência, bons resultados e capacidade política para vencer arroubos autoritários, priorizando a responsabilidade com o País, a visão de conjunto e o respeito aos adversários, pondo os interesses das cidades, dos Estados, do País e, sobretudo, dos cidadãos, acima das próprias conveniências. Juízo e boa sorte a todos! O sucesso de vocês será de todos nós.

    *COMENTARISTA DA RÁDIO ELDORADO, DA RÁDIO JORNAL (PE) E DO TELEJORNAL GLOBONEWS EM PAUTA

    • O ESTADO CALAMITOSO DO RIO TEM TAMBÉM O DEDO DE EDUARDO PAES. ELE LARGOU TODAS AS OBRAS QUE SERIAM PARA AS OLIMPÍADAS INACABADAS. FORA O SUMIÇO DAS VIGAS DA PERIMETRAL E A DELAÇÃO EM QUE ELE FOI ACUSADO DE RECEBER PROPINA. O FILHO DE SERGIO CABRAL ABRIU A BOCA FALANDO QUE PAES FAZIA PARTE DO ESQUEMA DO PAI. NÃO TEM VIRGEM NO PUTEIRO.

      • POR QUE NA CRACOLÂNDIA NÃO HOUVE UMA MORTANDADE DEVIDO AO COVID? POR QUE NOS BAILES FUNK, COM MAIS DE 2 MIL PESSOAS NÃO TEM A TÃO FALADA MORTANDADE POR AGLOMERAÇÃO? E NOS METRÔS E TRENS SUPERLOTADOS? PARA ESSES CASOSOS “HERÓIS DA PANDEMIA” NÃO FIZERAM NADA PARA EVITAR AGLOMERAÇÃO. ME POUPE, SE POPE, NOS POUPE.

        • O “pobrema” dos bailes funk é que os jovens são mais resistentes e podem não se contaminar mas contaminar seus parentes mais velhos. Idem para metrô e trens. Na cracolândia, não sei. Talvez porque a circulação por lá seja limitada, não tendo a mesma aglomeração dos bailes, tren s e metrô.

          Mas ninguém morre nos trens ou metrô nem cracolândia. Morre nos hospitais,ó sabia confrade (ou confreira?)

          O “pobrema” é que os mais velhos estão morrendo (são uns 70% do total de mortes) e as UTIs estão ficando lotadas ainda assim.

          Nos “se pope”, podes crer

Deixe uma resposta