6 pensou em “GERALDO VANDRÉ

  1. Eita Peninha, você é phoda!

    Esta música e este festival da Record de 1968 no Maracanãzinho marcaram o Brasil e trazem consequências até hoje.

    A divisão que dizem ter no país nos tempos atuais não é nada perante ao que havia naquele tempo.

    De um lado Sabiá de Tom e Chico, uma releitura (alguns poderiam dizer plágio) da Canção do Exílio de Gonçalves Dias (Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá) com excelente música do Tom.

    Do outro lado Geraldo Vandré, que no ano anterior em 1967 foi injustiçado com a sua Disparada, que perdeu o festival para uma marchinha de coreto do mesmo Chico Buarque.

    Era 28/09/1968, logo depois foi declarado o AI-05. Haviam movimentos no mundo inteiro, Woodstock era apenas um deles. Para não dizer que não falei em Flores (Caminhando), em comparação com Disparada era uma música poema simples, longo e até monótono em termos de musicalidade.

    Só que a esquerda se apoderou da música e a tornou o seu hino, à despeito da vontade do autor que via em sua composição uma canção de amor.

    A esquerda, que se apoderou da música, criou uma narrativa de que o Autor, que foi exilado até 1973 fora torturado e que estava incapacitado mentalmente.

    Vandré era e ainda é apaixonado pela Aeronáutica e pelas FFAA e isso era inadmissível.

    Vandré então foi, como se diz hoje, cancelado pela “Elite cultural do país”, lamentavelmente.

      • Sim, caro Airton.

        Como não tem vídeos do Vandré cantando no Maracananzinho, a pessoa que fez a montagem acima fez uma pintura revolucionária da música muito provavelmente sem a autorização do Autor, que foi roubado nos seus direitos.

    • Caro Airton.
      Esta eu falo de cadeira, pois estava lá, no Teatro João Caetano no RJ, sentado na primeira fila, ao lado dom filho do Jacob do Bandolim, e afirmo com toda certeza que foi o espetáculo mais lindo
      da minha v ida. A cantora Elizeth deu um banho, o Jacob se
      superou, o teatro super lotado inclusive com grande público
      em pé atras da platéia . Foi Inesquecível.
      Esse espetáculo gerou 3 LPs de grande sucesso.
      Se você ouvir o primeiro LP, vai notar que quando a nossa
      Elizeth canta ” Vai barracão ” teve a participação total do
      público em uma frase ela canta ” vai barracão, PINDURADO
      no morro, regendo o público em altos e baixos, com um efeito
      extraordinário. Neste momento alguém grita ” BRAVO “, foi
      o filho do Jacob do Bandolim, o compositor Sergio Bittencourt que estava ao meu lado e
      não conteve mo seu entusiasmo.
      Não sei se existe algum registro de imagem do espetáculo,
      mas se existir o Peninha está ENTIMADO a exibi-lo, ou então
      vamos sair na porrada.

  2. Fantástico. Eu estava lá. assisti ao vivo e senti
    ao vivo toda vibração energia do povo.
    A plateia queria protestar, mas dava para sentir que essa não
    era a vontade do cantor compositor.
    De qualquer forma foi um evento inesquecível que acompanhei
    presente em TODOS os festivais brasileiros e depois na fase
    internacional, que um dia ainda vou comentar.
    A notar : O peninha está cada vez melhor.

Deixe uma resposta