22 pensou em “É SÓ ISSO

    • ” O Bolsonarismo blá blá blá………………………………….. ném capitão .
      muitas palavras que definem tua doença mental. A propósito, não li toda tua calúnia , mas me parece que não escrevestes Bolsonaro . Fiquei pensando … será que o mestre está bem?. Vou reler !.

      • Não, Joaquimfrancisco, a coluna atualmente postada até fala de um Jair, mas é outro. Nada de ´política, nem nas entrelinhas. Creio.

      • Joãos Francisco e Rômulo, creio que é um desrespeito para com os (mais de) 200.000 mortos por Covid 19 acreditar que se trata de uma gripezinha e agir segundo essa crença e respectivos parâmetros.
        Estamos chegando a 8 milhões de infectados, com uma taxa de letalidade de 2,5%.
        Se não fossem as medidas protetivas adotadas (a duras penas, pela crença de Jair Messias Bolsonaro e seus apoiadores de que se trata de uma bobagenzinha), acredita-se que a contamionação poderia ser muitas vezes esse número, o que, com a superlotação e esgotamento do atendimento sanitário, poderisa elevar a taxa de letalidade a várias vezes também a porcentagem de óbitos e sequelas.

  1. Lembram da década de 1980? HIV. Não transem. Não beijem. Cuidados extremos na barbearia, uma navalha contaminada te mata! Não façam a cutícula, cuidado, a aids vai te pegar. Mude seus hábitos sexuais, não seja promíscuo, mantenha um só parceiro. Alguém lembra disso? Não tem cura, milhões morrerão, famílias serão destruídas. O mundo tal qual conhecemos não existirá mais. É nossa última chance, ou nos corrigimos ou pereceremos.
    Abstenham-se. Parceiro fixo. Exija exame. Desconfie.
    Depois disso, temos ainda: gripe aviária, gripe suína, febre amarela, dengue, chikunguia, e todas as outras catástrofes anunciadas como certas e finais. Fora o resto que não lembro.
    Bom futuro a todos.

    • Sergio Melo, a repórter de rua da Globo Lixo, Mairy Lonence, do Recife, encontrou uma forma de espalhar o terror por todo o Brasil, em todas as suas reportagens segue a cantilena:

      “COVID, CORONAVÍRUS.”

      “COVID, CORONAVÍS!”

      “COVID, CORONAVÍRUS!”

      “É O HORROR!” É O HORROR!”

      E assim segue a estupidez cadavérica da Grobo Bosta enlouquecendo o povo!

      • Cícero,
        A Globo, e outras redes, esclarecem a população, dão notícias verídicas, verdadeiras, do que está acontecendo.
        O problema é que essas notícias, científicas, contrariam as crenças, Mitológicas, do pensamento direitista, capitaneado por Jair Messias Bolsonaro.
        É muito estranho.
        A Nasas precisa estudar isso.

    • Só podes estar de sacanagem, Sérgio!
      Desde o início da pandemia da Aids até o fim do ano de 2019
      32.700.000 (trinta e dois milhões e setecentos mil)
      morreram de doenças associadas à AIDS – Acquired Immunodeficiency Syndrome (sabes que se trata de ums síndrome, que é um conjunto de sinais e sintomas).
      Em 2019 havia 38 milhões de pessoas vivendo com AIDS, sendo 1 milhão de crianças (menos de 15 anos).,
      Dessas, 7 milhões não sabiam que estavam contaminadas.
      Todos os contaminados precisam tomar retroviral permanentemente, mas mais de dez milhões não faziam o tratamento, o que em geral determina o óbito.
      É pouco consistente comparar HIV com Covid 19: o HIV é permanente, enquanto o Covid 19 se cura em geral sem tratamento (mais de 90%), de modo que a quase totalidade dos 75 milhões contaminados por Covid 19 até o momento estarão curados em poucos dias.
      Com a chegada da vacina, é possível extinguir o Covid 19, como aconteceu com outras doenças graves, como a chamada paralisia infantil (Poliomielite).
      Agora, perde um tempçinho e vai pesquisar sobre as outras enfermidades que citaste.
      Mas, seja como for, lembre-se dos cuidados: camisinha para AIDS e máscara para COVID 19.
      Não caia nas esparrelas de Jair Messias Bolsonaro. É tua saúde, é tua vida em jogo. E dos próximos. E também dos distantes.

      • O ponto é que nunca se cogitou parar o mundo por conta dessa doença horrível e, esta sim letal. O que governos daquele tempo e até os dias de hoje buscam é o tratamento e a prevenção, enquanto não encontram uma vacina eficaz e segura.
        Não lembro de nenhum organismo multilateral ou mesmo governos, cogitarem em parar a economia, parcial ou totalmente, enquanto não existisse a cura. E como você mesmo evidenciou, é uma doença muito mais grave, com muito mais letalidade até os dias atuais.
        Se você que viveu aqueles dias e vê o que acontece hoje com os mesmos olhos e defende lockdown e outras sandices da moda, então não entendeu nada.

  2. O Goiâno continua ruim de matemática nas e um exímio falador de bobagens científicas.
    Se para ele 90 % dos contaminados curam sem tratamento e os outros 10% pidem ser tratados com mortalidade em torno de 2,5, parece números semelhante ao H1N1.
    Ponto para o JMB

    • Gonzaga, os dados estão disponíveis, mas os jairmessiasbolsonaristas não os leem…
      Informações científicas disponíveis, com ligeiras variações na linha do tempo, a respeito do Covid 19, indicam que:
      80% desenvolvem sintomas leves ou são até assintomáticos, de modo que se curam sem tratamento especial ou sem usar qualquer medicamento.
      20% apresentam quadro mais severo e dependem de acompanhamento mais de perto, inclusive com hospitalização
      5% dos do quadro mais severo ficam em estado crítico
      2,5% do total de infectados morrem
      Esses elementos, com as variações a que me referi, dependendo da linha do tempo e dos locais a que se referem, estão disponíveis nas publicações em geral, são considerados daedos estatísticos e não saíram da minha cabeça, mas das tabulações técnicas dos que cuidam de registrar e analisar a Covid 19.
      Se Jair Messias Bolsonar tem razão e seus apoiadores estão certos por segui-lo é algo que merece reflexão.
      Então, Gonzaga, confira, para tua reflexão e de Jair Messias Bolsonaro, o seguinte:
      “A pandemia da gripe H1N1 ocorreu entre 2009 e 2010, com primeiros casos relatados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) na região do México e Estados Unidos. Nesse período, foram oficializadas 18.449 mortes no mundo, em um total de 651 mil casos”.
      No Brasil, de março 2020 a janeiro 2021, passamos de 8 milhões de casos de Covid 19 registrados e mais de 201.000 óbitos.
      Sim, sou ruim de matemática, de aritmética, de contas, de números, mas não sou eu que estou apresentando a matemática, a aritsmética, as contas, os números, as estatísticas – os dados estão sendo informados pelo que Jair Messias Bolsonaro e seus adeptos chamam de “mídia canalha”, dentre outros adjetivos.
      Talvez tenhas elementos mais corretos e o Jornal da Besta Fubana os acolherá de pernas abertas.

      • No primeiro comentário do Goiano o que era 90% ja virou 80 %.
        E a soma dentre vivos leves e graves , hospitalizados e mortos atinge 107,5 %. E um analfabeto esquerdista coronaviano convicto

        • Gonzaga, estás com as calças na mão e apelas para filigranas para tentar desmerecer não a mim, mas à ciência.
          E não vais “ao mérito”, ficas nas adjacências desimportantes.
          Comentei que os números, índices e dados, que são bastante coincidentes, dependem de momentos, fontes, lugares.
          Mas, vejamos:
          Os dez por cento de diferença que primeiro reclamas para completar os noventa por cento antes citados estão incluídos nos vinte por cento dos casos severos, que dependem de maiores cuidados, mas dos vinte poir cento nem todos vão a óbito.
          Também os cinco por cento que vão extrapolar os cem por cento nas tuas contas, são parte dos vinte por cento de casos mais severos e que ficam em estado crítico.
          Os dois e meio por cento, que também usas para estourar os cem por cento, são os casos de letalidade e que também fazem parte dos vinte por cento dos casos severos.
          Visto isso, talvez queiras comentar o cerne da questão, relacionado às comparações feitas por outros direitistas conservadores apoiadores de Jair Messias Bolsonaro convictos da Covid 19 com HIV e outras infecções e dar o necessário apoio aos coleguinhas para que os Filhos do Capitão não fiquem órfãos.

  3. A militância cegueta e funerária das zisquerdas é um caso patológico.

    Torcer pela derrota do governo e pela vitória da morte merece um tratamento psiquiátrico profundo.

    Chega faz pena…

    Na verdade, falando sério mesmo, não tenho pena alguma: eu acho é pouco.

    Emputiferar militante vermêio é um ato que faz um bem enorme pra saúde do país!!!

  4. A meu ver, na qualidade de militante vermeio cegueta das esquerdas, torcer pela derrota do governo constitui pleonasmo, sendo que Jair Messias Bolsonaro é o próprio cavaleiro da foice, sem martelo: É a direita que (e por isso fascistóide) prega que Covid 19 é inofensivo, gripezinha, e que quem tem medinho está de frescura, tem de tirar a máscara, cair no rebanho e ir para o abraço.
    Picionante!

  5. Certo estão o idioDoriata e sóCovas! Um comprou uma vacina em fevereiro e quer poorque quer que todos os paulistas tomem a mesma, afinal já estão compradas. O outro já mandou abrir 1 milhão de buracos para enfiar o milhão de mortos por covid-19. Bem que os dois podia tomar a vacina e só depois de dois anois pedir que os demis a tomassem também.

    • Chatonildo,
      Doria não é um ídolo das esquerdas, muito pelo contrário, é de um partido considerado por uns de centro, por outros de centro direita e há quem ouse classificá-lo de direita, apesar do “social” no nome (Partido da Social Democracia Brasileira|), mas está-se revelando um direitista, ou centrista, menos burro do que em geral o são, a exemplo do Capitão, que não perde a menor oportunidade de ou dizer asneira, ou fazer besteira, ou ambos. As ações do nosso governo no combate à epidemia do Covid 19 estão sendo observadas com espanto, ou terror, pelo mundo inteiro. Felizmente, as pressões internas são tantas, a mídia que a direita chama de canalha e terrorista põe tanto o dedo nas feridas, que o governo acaba tendo de realizar algo de útil, mesmo indo à força, amarrado, esperneando – afinal, porque essa pressa com a vacina, né mesmo?!
      Quanto à abertura de sepulturas, deo gratias, muitas não precisaram ser usadas: mas não foi só em São Paulo que se abriram muitas covas, em Belo Horizonte Kalil assumiu o erro pelas 1.900 sepulturas abertas e o prefeito dre Manaus disse que ia construir 22.000 sepulturas – enquanto Jair Messias Bolsonaro, sem fazer dporra nenhuma para salvar vidas (muito pelo contrário) limitava-se a exclamar que abrir sepulturas é terrorismo.
      A direita hoje nada mais tem a fazer que tentar tapar os buracos abertos por Jair Messias Bolsonaro para não ficar órfã do Capitão.

  6. Não entendi esse teu post.Não estamos falando de esquerda nem de direita e sim da pandemia. Que mania de merda de rotular as coisas como esquerda ou direita!

  7. Ao menos a mim parece óbvio o viés politiqueiro o rumo que a coisa toda tomou.
    Lá nos idos de março de 2020, a idéia de um lockdown era para adequarmos o sistema de saúde (público) para o desconhecido (vírus).
    Hospitais foram montados (e superfaturados) as pressas, respiradores foram comprados e nunca entregues, vacinas foram desenvolvidas (a toque de caixa), enfim…
    Eis que, quase um ano depois, nada está “adequado”, hospitais foram desmontados (alguns nunca utilizados), respiradores sumiram (dos hospitais e das manchetes jornalísticas), a(s) vacinas geram mais dúvidas que alívio…
    Na epicentro do causador de tudo isso, a vida seguiu normalmente…
    Países onde o lockdown não foi generalizado e os números desmentem a narrativa, somem dos noticiários…
    Não se tem notícia, por exemplo, sobre os números no continente africano, sabidamente, o mais miserável do planeta.(??)
    Isso não lhes parece estranho?

    É sério mesmo que a maioria acredite nessa “nova doença fatal”, que pode ser evitada com um pano de bunda colocado no rosto e álcool gel nas mãos??

    E quando os fatos…sempre eles, teimam em desmentir as narrativas impostas, eis que é sacada a velha máxima: se os fatos vão contra a narrativa, então, fodam-se os fatos!!!

Deixe uma resposta para Gonzaga Cancelar resposta