2 pensou em “O TIRO SAIU PELA CULATRA

  1. Parabens a editor desta gazeta escrota por começar a dar espaço ao alexandre Garcia …que mostra que não depende da Globo pra ser jornalista sério

  2. “Hackear” é um baita crime.

    Que ele(?) – o/a tal de Greenwald) e seu apelidado “marido”(?) psolista sejam “frescos” (como se diz por aqui), isto é, vivam um “troca-troca”, ou seja, rebentando diuturnamente as pregas anais um do outro, cada um deles é dono do seu cu, e ninguém tem nada a ver com as suas psicopatologias preferenciais e habituais – enquanto domésticas.

    Ser “fresco” é uma anomalia da sexualidade masoquista de cada um deles, agora quererem que a gente aceite o resultado das suas histéricas “frescuras” é bem diferente.

    E o apelidado “jornalista” – que não passa de um(a estrangeiro/a fofoqueiro/a costumaz e traiçoeiro/a, e que tem ordem de prisão por essa mania criminosa e outras mais (nos EEUU e na Comunidade das Nações, ex-Comunidade Britânica de Nações) – querer que nós aceitemos a sua atividade delinqüente, a sua intromissão ilegal em assuntos brasileiros, já é demais.

    Além de que isso vem sendo feito já desde o tempo em que o Moro era juiz em Curitiba.

    Outra coisa que não entendo é que o tal de Telegraph, segundo dizem os entendidos, vai apagando as mensagens a medida que são enviadas e/ou lidas, como é que foram “hackeadas”?

    Se é verdade, então foram feitas por um(a – ou vários/as – de dentro, ou sejam, ou da PF, ou secretários, ou assessores, ou outros achegados aos acessos, plantados no sistema, durante todo o tempo lulopetista.

    E como essas víboras tomaram conta de tudo, é bem provável que, ainda, por lá continuem.

    De qualquer maneira, por enquanto, vamos inundar a Internet com:

    #DeportaGreenwald

Deixe uma resposta