CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

Caro Berto, um bom dia, antes de suas merecidas férias!!!

O Cícero, para os íntimos “Cissinho”, aquele lá da antiga Roma, por volta de 106-43 a.C., escreveu um “livrinho” chamado A Amizade (De Amicitia), onde consta um capítulo que, acredito, reflete cristalinamente, o que deve ter ocorrido entre o Bolsonaro e o Moro.

Ô povinho que não aprende!!

O texto está a seguir.

Saudações!

* * *

As Causas que Desmantelam Amizades

“Ouvi, com atenção, meus ótimos companheiros, o que então era comentado entre eu e Ciprião, em plano alto de sabedoria, acerca do tema da AMIZADE.

Dizia ele nada haver de tão árduo como manter uma AMIZADE até o extremo da vida, já que os interesses nem sempre coincidem ou surgem divergências no pensamento POLÍTICO.

Dizia também que os costumes dos homens com frequência mudam, ora pelo feito da adversidade, ora pelo andamento da própria idade. Apresentava então exemplos da vida das crianças que, muitas vezes, depõem, com a TOGA pretexta, as AMIZADES estreitas do tempo da infância.

Se aquelas antigas AMIZADES perduram, ao longo da idade juvenil, elas findam se desfazendo, seja por causa de alguma RIVALIDADE, seja por questão de casamento ou por alguma VANTAGEM que não pode ser compartilhada por dois.

Mesmo aquela AMIZADE que se prorrogou, por longo tempo, desaba com frequência, quando conflita com a DISPUTA de HONRRARIAS POLÍTICAS.

Não existe, com efeito, maior PESTE contra a AMIZADE do que a COBIÇA de riqueza que afeta a maioria dos homens. Entre os melhores, EXPLODE concorrências aos postos de HONRAS e de GLÓRIAS. Daí advém, entre pessoas ligadas até por estreita AMIZADE, IRRECONCILIÁVEIS DESAVENÇAS.

Muitas vezes, nascem DISSENSÕES e até justas, quando é SOLICITADO algo não correto por parte do amigo, seja uma parceria LIBIDINOSA, seja uma cooperação em ato INJURIOSO.

Se há recusa para tais atos, ainda que HONESTA, o outro é acusado de não respeitar os compromissos da AMIZADE, já que não concordou em SUBMETER-SE.

De outro lado, aqueles, que ousam pedir algo do AMIGO, fazem do próprio pedido uma GARANTIA de retorno em tudo que for do interesse do outro.

As queixas daí oriundas não só costumam EXTINGUIR velhas amizades como também geram ÓDIOS eternos.

Eis as tantas CALAMIDADES que se abatem sobre a AMIZADE. Delas fugir não é SABEDORIA, mais ainda uma boa dose de sorte propícia.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *