DEU NO JORNAL

A expectativa no Planalto é de solução pacífica das diferenças com o Judiciário, representado pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas, assim como surpreendeu o País com o decreto de graça a um deputado aliado, o presidente Jair Bolsonaro também considera “carta na manga” invocar o artigo 142 da Constituição para que as Forças Armadas exerçam “papel moderador”, como preconizam vários juristas, entre os quais o Ives Gandra Martins, a fim de resolverem a crise institucional.

Bolsonaro tem dito que o decreto da graça não teve objetivo de “peitar” o STF etc, mas ele mantém a “faca na bota”, como dizem os gaúchos.

O ato indultando Daniel Silveira animou Bolsonaro, que passou a avaliar as opções que a Constituição oferece ao chefe do Poder Executivo.

O constitucionalista Ives Gandra Martins defende que “cabe às Forças Armadas moderar os conflitos entre os poderes”.

* * *

Não custa nada repetir e insistir:

Vai ser tudo dentro da lei.

Vai ser tudo conforme a Constituição.

Dentro das quatro linhas, pra resumir.

2 pensou em “VAI SER DENTRO DAS QUATRO LINHAS

  1. Pois é…….

    Pega um para exemplo, coloca sob julgamento constitucional, aberto ao povo, no STM e se condenado é setenciado………

    Simples assim……..

    Se alguém dos outros TRES poderes extrapolar na reclamacao, sem base constitucional, o mesmo peso e medida até que TODOS percebam que a Contituição Federal deve ser respeitada por TODOS os Brasileiros, de bem e principalmente do mal……

    Até quando vai continuar esta esculhambação pelo STF, pelo Pacheco e pelo Lyra, só para começar…….

    Do STF o Imorais é um bom palpite….

  2. Eu que já vi tanta coisa acontecer, e outro tanto não acontecer, fico atarentado para obter duas respostas: 1 – Em que diabos essa gente do STF confia para seguir na provocação? 2 – O que é que o PT tem contra ou a favor do STM (Superior Tribunal Militar)? Çei! Çei mermo!

Deixe uma resposta para José+de+Oliveira+Ramos Cancelar resposta