DEU NO JORNAL

Seja qual for o resultado da disputa pelos comandos da Câmara e do Senado, o ano de 2021 deve ser marcado pela reação do Legislativo às frequentes intromissões do Supremo Tribunal Federal nos outros poderes, até em decisões monocráticas.

Chamam atenção os sinais de “parceria” entre o partido Rede e o STF, impondo ações ao Executivo e ao Legislativo, mostrando que a rigor não é necessário disputar eleição para governar.

Só em 2020 uma dúzia de atos do Executivo e decisões privativas do Congresso foram determinados ou anulados pela parceria Rede/STF.

Rejeitado nas urnas em 2018, quando elegeu um deputado federal e dois senadores, o Rede impõe o quer como se tivesse vencido a eleição.

A decisão mais recente da parceria Rede/STF prorroga o “estado de calamidade”, que permite compras públicas sem licitação.

* * *

Quer dizer que a dupla de parceiros formada por Rede e STF, ao prorrogar o estúpido “estado de calamidade” propiciou “compras públicas sem licitação”???

Ai tem coisa…

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Indubitavelmente, esses 11 urubus togados são a desgraça desta nação.

Fico engulhando e com ânsias de vômito toda vez que penso neles.

Xô, xô, xô!!!

E tome banana!!!

Deixe uma resposta