A PALAVRA DO EDITOR

Foi publicada na seção de cartas desta gazeta escrota mensagem de um leitor do Rio de Janeiro perguntando se podia mandar seus textos pro JBF.

Como aqui se publica de tudo e de todos, eu respondi que era só enviar o material.

Ao prestar atenção no nome do remetente, que se dizia jornalista, vi que coincidia com o nome de um deputado estadual fluminense.

E, pra tirar a dúvida, mandei uma mensagem perguntando se era ele mesmo que estava exercendo um mandado na Assembleia Legislativa do Rio.

Vou transcrever do jeito que ele me respondeu:

Estou sim, Berto.

A generosidade do povo fluminense me fez o deputado estadual com o maior número de mandatos do país: treze.

Comecei em 1970, no antigo Estado da Guanabara. São 50 anos de vida pública.

A propósito, tenho aproveitado alguns artigos do nosso Besta Fubana no meu programa diário na Rádio Bandeirantes (que se chama ‘Reclamar Adianta’)

Seu blog é minha leitura obrigatória bem cedo.

Aceite o abraço grato desse carioca que lhe é credor da mais genuína admiração

Átila Nunes

PS: Meu filho está no 3º mandato de vereador no Rio. Como você sabe, nossa família é muito, digamos, criativa em matéria de nomes: meu pai se chamava Átila Nunes e me deu o nome de Átila Nunes.

Meus dois filhos (um, infelizmente, já falecido) receberam o nome Átila Nunes.

Meus netos, idem (Átila Nunes virou sobrenome).

Quem escapou foi a cachorrinha de estimação Beagle aqui de casa. Ela escapou por pouco de ser batizada de Lola Átila Nunes…

Vocês viram? Pois é.

Tô fazendo esta postagem só pra me amostrar.

Uma excelência estadual fluminense, que é declaradamente leitor diário e fiel – um cabra bem humorado e irônico -, pedindo espaço neste blog imundo.

Fiquei ancho que só a peste!

Alguns leitores já fizeram comentários baixando a lenha no fubânico parlamentar.

Nada de novo ou anormal. Tudo conforme a rotina e o regulamento deste espaço aberto e democrático, onde cabem todas as opiniões, tendências e gostos.

Disponha sempre, Deputado Átila Nunes.

O espaço é todo seu.

E prepare o lombo pra levar cacetada!

Elogios são mais difíceis, mas também podem aparecer.

Aproveito a oportunidade pra dizer o seguinte:

Atenção, senhores políticos do Brasil inteiro, de vereador a senador: estamos às ordens de todos vocês.

Só espero não receber este mesmo tipo de solicitação vinda de Maia ou de Alcolumbre.

Ou de Doria…

Aí já seria demais!!!

Vôte!!!

2 pensou em “UMA GAZETA ESCANCARADA

  1. “São 50 anos de vida pública.”

    Traduzindo: mais um carcomido, fedorento e pestilento prostituto profissional do putedo de beira de estrada (e de última categoria) – que é a tal de Alerj:

    Daí o lema perpétuo dela e dos/das que nela coabitam:

    “PAGANDO BEM, O QUE É QUE TEM”;

    e o seu hino:

    “O RIO DE JANEIRO CONTINUA LINDO …”;

    menos, naturalmente, para as GALINHAS cariocas, que – como toda a GALINHA – têm um micro cérebro e que adoram tomar no cu, para (masoquistamente felizes!!!) saírem a cacarejar elogios aos seus eleitos e reeleitos, isto é, aos seus sádicos estupradores de carteirinha, pois

    “SE GRITAR: PEGA LADRÃO!!!,
    NÃO FICA UM, MEU IRMÃO”.

    Ah, se as paredes, o chão, o teto, os corredores, os gabinetes e demais dependências da dita falassem – sobre as negociatas costumazes, os conchavos diuturnos, as propinas mais os desvios sistemáticos de todo tipo de verba e o, conseqüente, fedor pútrido que ela exala – ninguém se animaria, quiçá, a se aproximar, a muitos quilômetros, dela – e dos/das que nela freqüentam, como esse “cara-de-pau”, esse tal de Átila Nunes (do MDB, ou seja, do Movimento Descarado de Bostas), que está se atrevendo a freqüentar e, o que é pior, imundiciar o JBF.

    E dizer que o hino da cidade dele começa com:

    “CIDADE MARAVILHOSA,
    CHEIA DE ENCANTOS MIL …”.

    Só pode ser mais uma piada pronta.

    Pobre da Xolinha, que não sei se – apesar de acostumada com estupros ocasionais – suportaria este.

    Tomara que o Polidoro fique de plantão para enfiar sua monumental pajaraca – até os bagos e sem cuspe – no cu desse desclassificado, a quem – se eu usar os piores e merecidos adjetivos – o estarei elogiando.

    • Adail Agostinii !

      É impressionante a vaidade do defeito desses políticos profissionais,tal como Átila Nunes,de considerarem décadas no legislativo como referência de êxito.

      PS-Quero ver na hora,em que a população acordar e se der conta de todo o engodo que os políticos produzem,como vai ficar a situação deles?

      PS2-Gostaria de ler o que o deputado Átila Nunes tem a dizer sobre o “Por Que”
      do Rio de Janeiro ser um estado inviável onde o crime e a corrupção são marcas registradas dessa tragédia regional.

      PS3-Perguntar não ofende: Com mais de 50 anos de vida pública (vereador,deputado),o deputado Átila Nunes,teria a coragem de relatar do “porque”
      o Rio de janeiro se tornou o desastre total que é?

Deixe uma resposta para Adail Augusto Agostini Cancelar resposta