PEDRO MALTA - REPENTES, MOTES E GLOSAS

A dupla Valdir Teles e João Paraibano improvisando com o mote:

Deus pintou o sertão de poesia
Meu orgulho é ser filho do sertão 

* * *

Fabio Gomes

Quem diz que esse corona
É praga do fim do mundo
Não sabe o que está dizendo
Nem seu pensar é profundo
Desconhece o próprio nome
Não sabe o que é passar fome
Ou não ter o que comer
Lhe aconselho, esse menino
Pergunte a um nordestino
E ele vai lhe dizer.

A fome é doença braba
Não quero nem no meu mote
É difícil amanhecer
Tendo só água no pote
É algo triste na vida
Ver filho pedir comida
E você sem ter pra dar
Diga sim ou não, senhor
Existe acaso, uma dor
Maior pra se suportar?

Quando esse vírus surgiu
Mesmo sem ser tão letal
Fizeram em poucos dias
Um enorme hospital
Se do dinheiro investido
Fosse um por cento investido
Em alimento ou comida
Eu sou um dos tais que diz
Seria um mundo feliz
Com muito mais luz e vida.

3 pensou em “UMA DUPLA EM CANTORIA E OS VERSOS DE UM POETA

  1. Ao ler o poema aqui descrito como autoria de Fábio Gomes temos a impressão formada pela fome que pode assolar boa parte do mundo. E é real. Ou se faz alguma coisa urgente ou morrerá muita gente.

Deixe uma resposta para VALDEIR MORAIS Cancelar resposta