DEU NO JORNAL

O Brasil assistiu nesta terça (20), ao vivo, pela TV, a transmissão de um dos crimes mais covardes: o sequestro de pessoas. Um criminoso mantinha reféns 37 pessoas em um ônibus, no Rio de Janeiro.

Não havia dúvidas sobre o crime e seu autor. O desfecho aliviou a todos: bandido morto, todos os reféns salvos.

começou a “vitimização” do criminoso, tratado apenas como “suspeito” em diversos círculos.

Não se respeitou nem mesmo a alegria dos que ficaram aliviados, como se exigisse que o País derramasse lágrimas pelo bandido morto.

O atirador de elite exerceu a Legítima Defesa de Terceiros, como prevê a lei, salvando 37 vidas.

Mas já há quem questione sua ação heroica.

O “País da impunidade” tem dificuldade de punir criminosos, e ontem mostrou que daqui pouco pedirá a descriminalização do sequestro.

* * *

Aquele monte de bosta que usa a sigla partidária de PSOL foi um dos grupos de babacas que baixou o pau na corretíssima ação da PM do Rio de Janeiro.

Dou novamente meus parabéns àquela corporação.

E achei arretada a postura do governador Wilson Witzel ao comemorar o desfecho do sequestro de ônibus.

Deu tudo certo: o trabalho irrepreensível da sua Polícia Militar salvou 37 pessoas que saíram cedo de casa para ganhar a vida.

De lá das Oropas, o fugitivo ex-deputado Jean Aero Wyllys condenou a atitude de Witzel.

E isto dito, não se precisa falar mais nada.

A opinião deste baitola simplesmente comprova que o governador estava certíssimo.

Tudo que qualquer zisquerdista condena é bom pro Brasil.

Deixe uma resposta