MAURÍCIO ASSUERO - PARE, OLHE E ESCUTE

O Brasil tem 5.570 municípios e 1.575 desses, no ano 2000, eram classificados como municípios em situação de extrema pobreza. Não são municípios apenas pobres, são municípios miseráveis sustentados por transferências governamentais como o FPM – Fundo de Participação Município e recursos de programas sociais como o programa bolsa família. No ano 2001, outros setes municípios (quatro no Rio Grande do Sul, dois no Mato Grosso e um no Piauí) foram “promovidos” a esta situação. Até 2015 tínhamos 1.582 municípios em extrema pobreza, num país com disponibilidade de recursos naturais incrível.

Até 2015 tivemos dois governos petistas e na primeira década desse século o Brasil cresceu 3,74%, em média, e o número de miseráveis cresceu. Reservo ao insensato o direito de dizer que isso se chama concentração de renda. Na verdade, esse retrato é fruto do comportamento dos políticos brasileiros que procuram manter a miséria como forma de manter o poder. É preciso entender que, embora os programas sociais sejam importantes, para garantir uma renda, mínima eles melhoram apenas o consumo, mas não são instrumentos de acumulação de riqueza individual. Tem uma piada que diz que um mendigo dizia “oh! Deus mantenha a minha fome!” e o outro perguntou porquê ele dizia isso. O cara respondeu: “porque se ele aumentar, eu morro”. O programa social dá o peixe, não ensina a pescar.

Obviamente, que as regiões Norte e Nordeste são lideres da miséria, dessa classificação infame. O estado do Ceará tem 184 municípios, dos quais 148 são de extrema pobreza. Do ano 2000 até agora o estado foi governado por Tasso Jereissati, Beni Veras, Lúcio Alcântara, Cid Gomes (todos do PSDB) e Camilo Santana (PT). O que fizeram ou deixaram de fazer tais governantes para que, em 20 anos, nenhum município tenha sido excluído da lista de extrema pobreza? Note o seguinte: 80,43% dos municípios do estado são de extrema pobreza. Em relação ao total de municípios assim classificados, o Ceará tem 9,36%, segundo maior percentual do país, perdendo apenas para a Bahia.

No caso dos baianos, temos 417 municípios com 251 de extrema pobreza, ou seja, 60,19% dos municípios do estado são de extrema pobreza e isso equivale a 15,87% do total de 1.582 municípios. Nesse período a Bahia foi administrada por César Borges, Otto Alencar e Paulo Souto (todos do PFL) e por Jacques Wagner (dois mandatos) e Rui Costa, ambos do PT. Cabe lembrar o caso, já referido aqui por Carlos Brirckmann (clique aqui para ler) e complementado por Goiano, sobre a sabotagem feita por um membro do PDT, com apoio de petistas, para espalhar “vassoura de bruxa” na plantação de cacau. Tudo isso para tirar o PFL do poder e observem que eles conseguiram porque o PFL dominou a Bahia largamente com a presença de Antônio Carlos Magalhães. Para se te uma ideia da dimensão dessa canalhice, olhe nessa tabela:

Somando os percentuais das regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste não atinge o percentual da Região Nordeste. No entanto, importante lembrar que o Nordeste deu a Haddad, 46% dos seus votos em 2018.

Volto a enfatizar: ao longo de quinze anos de miséria, tivemos oito anos do governo Lula, seis anos do desgoverno de Dilma e tivemos uma década com crescimento econômico que não se reverteu em grandes benefícios para a população. Mais ainda, estes municípios miseráveis são frutos da ganância política porque muitos deles não possuem a menor condição de arrecadação própria e o interesse em criar municípios sempre foi recheado de interesses particulares.

Daí, a importância da proposta do Ministro Paulo Guedes com o Pacto Federativo que acabaria com municípios cuja população é inferior a cinco mil habitantes. Tais municípios terão até 30.06.2023 para comprovar sua sustentabilidade financeira, mostrando que, no mínimo 10% de sua receita total é receita própria.

Obviamente, há histórias, lembranças, vidas ligadas a tais municípios, mas eu seria um pouco mais radical do que Guedes: primeiro, colocaria o prazo em 31.12.2020 e segundo, ao invés de comprovar 10% como receita própria, eu colocaria a capacidade de sustentar os três poderes com receita própria. Se tiver fica se não incorpora. Junta tudo numa única região, mais forte, com um representante e uma câmara com menos canalhas. É fácil ver quanto seria economizado. Preciso dizer que a União Europeia é o maior exemplo de agregação de países integrados? Deu certo?

11 pensou em “UM RETRATO DO BRASIL

  1. Maurício.

    Grande verdade…. eu, iria mais além do que Guedes…. acabaria com municípios com até 25 mil habitantes e que não conseguissem comprovar 100% da arrecadação para bancar os serviços públicos. Aí teríamos economia.

    Quanto a miséria. É estratégia política. Napoleão dizia que s soldados marcham sobre seus estômagos, assim como o eleitor vota com seu estômago. Quanto mais vazio estiver o estômago do miserável, mais votos os canalhas e gigolôs da pobreza se manterão no poder.

  2. No seu excelente RETRATO DO BRASIL, o professor Maurício Assuero confirma com a argúcia de um profundo conhecedor da causa, o que defendo ha muito tempo: o grande responsável por esse caos político e social brasileiro foi a dita “constituição cidadã” do senhor Ulisses Guimarães, que escancarou poderes a ladrões de gravatas e políticos corruptos que se apropriem dos estados e municípios como se seus fossem.

    Essa trista realidade só vai se acabar quando for posta em prática a tese do professor e colunista Adônis Oliveira: fuzilar essa cambada de bandidos em plena praça pública ao vivo e em cores, com transmitido pelo YouTube!

    • Meu caro Cícero, os absurdos são enormes. Não faz sentido isso é acho engraçado Ciro Gomes arrotar soluções para o Brasil com o Ceará com essa situação.

  3. Roque, são poucos os municípios com capacidade de sustentar os três poderes com recursos próprios. Pode ter uma população de 50 mil, mas teria que ter atividade.

    • Sigo o relator: colocaria o prazo em 31.12.2020 e segundo, ao invés de comprovar 10% como receita própria, eu colocaria a capacidade de sustentar os três poderes com receita própria. Se tiver fica se não incorpora.

      Escreve o magnífico Assuero: Na verdade, esse retrato é fruto do comportamento dos políticos brasileiros que procuram manter a miséria como forma de manter o poder. É preciso entender que, embora os programas sociais sejam importantes, para garantir uma renda, mínima eles melhoram apenas o consumo, mas não são instrumentos de acumulação de riqueza individual. Tem uma piada que diz que um mendigo dizia “oh! Deus mantenha a minha fome!” e o outro perguntou porquê ele dizia isso. O cara respondeu: “porque se ele aumentar, eu morro”. O programa social dá o peixe, não ensina a pescar.

      Escreve o magnífico ZE RAMOS: Um país que tem a gente que tem, que tem os políticos que tem, que tem a educação que tem, que tem o judiciário que tem, que tem o sistema educacional que tem, e que tem, ‘PRINCIPALMENTE’ as escolhas e opções políticas que tem, jamais conseguirá chegar em algum lugar.

      Escreve o magnífico ADÔNIS: Para mim, toda a diferença está no tipo de liderança do grupo. Quem dá o ritmo da passada de qualquer grupamento humano é a liderança! Líderes imbecis, que adoram infantilizar cada vez mais a população, levando-os todos a permanecerem sempre comendo na sua mão e sendo manipulados ao seu bel prazer, formam sempre e cada vez mais populações de imbecis! O Diabo é que este é um processo de causação circular e tautológica: Populações de imbecis escolhem sempre líderes imbecis e canalhas. Como consequência, tornam-se cada vez mais imbecis e elegem líderes mais imbecis e canalhas ainda.

      Combinaram?

      Combinaram suas crônicas deste domingão de feriado da Independência?
      Textos de arrasar quarteirão, de fazer brasileiro botar a mão na consciência e dar cada um grito próprio de INDEPENDÊNCIA para livrar o Brasil da mesmice dos mesmos canalhas que fizeram o gigante verde-amerelo curvar-se à MEDIOCRIDADE.

      O que posso falar ao trio fubãnico?
      Resta pedir MAIS TEXTOS contundentes para abrir os olhos de nossos leitores/eleitores espalhados por este BRASIL.

      Estamos em ano eleitoral e cabe ao leitor falar alto e em bom som para o candidato que vier bater á porta que CHEGA de corrupção e safadeza. HORA de dizer aos políticos que forem em busca de voto no corpo a corpo da campanha, que votará nele, mas (ameaçador mas), que COBRARÁ boa gestão municipal, pois prefeitos e vereadores são funcionários,nossos funcionários, funcionários do público, daí o nome FUNCIONÁRIO PÚBLICO. Se não houver bons nomes para votar, que se vote no menos ruim, que de menos ruim em menos ruim, acabamos encontrando um bom candidato.
      E, por últmo, que não vote nosso eleitorado em partidos que sempre estão do lado errado, CONTRA O BRASIL.. não se deixe enganar, pois QUEM VOTA NAS COXAS acaba tomando na bunda…

      • Trios Fubânicos de Mestre Berto:
        Los Magníficos: Assuero, Adônis e José Ramos.
        Los FantásticosTavares ABC: Arthur, Beni e Cícero.
        Los Locos: León, Goiano e Sancho.
        Las Hermosas Chicas: Dalinha, Violante e Aline.
        Los Valientes: João Francisco, Joaquifrancisco e Francisco.
        Los Escribas: Itaerço, Narcelio e Marcelo Bertoluci
        Los Cantates: Jessier, Xico e Peninha.
        Los Poetas: Jesus, Anderson Braga Horta e Pedro Malta.
        Los Cronistas: Marcos André, Carlos Eduardo Santos e Carlito.
        Los Fofos: Chupicleide, Polodoro e Xolinha.
        Los de da Liga de la Justícia: Mairton, Pablo Lopes e Jose Hinacio.
        Los Pensantes: JPCavalcanti, Brito e Roque.
        Los Historiadores: Aristeu, Ana Lucia e Carlos Ivan.
        Los Ojos Vivos: Bernardo, Severino Souto e Sponholz
        Los Escritores: Newton, Mascena e Fernando A Gonçalves .

  4. No cabaré Brasil, a administração é bem articulada para nunca perder beneses. Dá a impressão de desorganização, mas ela é ilusória.

    Tudo é bem planejado, estruturado, medido, dosado e manipulado para o bem estar da casta política.

    Veja o exeplo do bairro de Prazeres em Jaboatão dos Guararapes, integrante da Regional 05 — Prazeres, que é considerado o centro do distrito-sede. Em Prazeres está localizada a sede da prefeitura.

    Em 1989, houve a tentativa de emancipação do então distrito de “Muribeca dos Guararapes”. A manobra foi transferir a sede da prefeitura de Jaboatão (velho) para Prazeres (pois a sede determina o município, lógico), e desta forma frearam a ansia de se formar outro municipio.

    Outra aberração politica é o minúsculo estado da Paraíba. Tão pequeno mas, proporcionalmente, é o que possui mais municipios do país(loteamento político).
    No estado de Minas cabem mais de 10 Paraíbas. No entanto, com apenas 56.585 km² a Paraíba possui 223 municípios.

  5. Marcos, nesse mesmo balaio de Prazeres teve a tentativa de emancipação de Cavaleiro. Falaram sobre emancipar um povoado da minha terra que só tem duas ruas: a rua que tem a igreja e a rua que não tem a igreja. Incutiram na mente da população as maravilhas de ser cidade. Viveria só de transferências

Deixe uma resposta