A PALAVRA DO EDITOR

Eu era menino e ouvia esta música sendo tocada no auto-falante do serviço de som do Bar e Pensão Riso da Noite, lá em Palmares.

Uma inspirada e comovente canção intitulada Sonhando ao Mar.

Na verdade, a seleção musical do Bar e Pensão Riso da Noite, situado na zona e frequentado pelas raparigas, foi que moldou a minha cultura musical pro resto da vida.

De Vicente Celestino até Luiz Gonzaga, passando pela Ave Maria de Gounod, que era tocada quando morria alguma rapariga, fazendo música de fundo ao convite do locutor para o comparecimento ao enterro: “E agradecemos a todos que comparecerem a este ato de caridade cristã“.

Sonhando ao mar  é uma composição de David Vasconcelos.

Augusto Calheiros é acompanhado por Orquestra em disco RCA Victor .

A gravação é de 1952.

A mesma gravação que eu ouvia no auto-falante do serviço de som do Bar e Pensão Riso da Noite, e que até hoje me toca e me comove.

Com a mesma intensidade dos meus tempos de menino.

Tanto a suave interpretação quanto a beleza da letra.

Um mimo dominical que compartilho com os estimados leitores fubânicos:

A noite vem cobrindo os mares
Esmaece o colorido
Que adorna o horizonte além
O dia é por fim vencido

Diadema é o céu
Que ostenta estrelas
Um poema inacabado
Na canção que o mar
Em soluços sem fim
Vive ainda a cantar

Vai jangadeiro triste
As tuas mágoas chorar
Esconde o teu pranto
Só o mostres ao mar
Que o teu amor santo
Pode um dia voltar
Embalado num sonho
No encanto do mar

* * *

O alagoano Augusto Calheiros, (1891-1956),  nascido em Murici, ficou conhecido em todo o Brasil como A Patatativa do Norte

Deixe uma resposta