DALINHA CATUNDA - EU ACHO É POUCO!

Dalinha Catunda

Foto da colunista

A lua apontou no céu
A brisa soprou-me a tez
Do rosto tirei o véu
Senti sem desfaçatez.

Senti sem desfaçatez
O bafo da madrugada
Lambendo minha nudez
Na janela eu debruçada.

Na janela eu debruçada
Tendo o vento como açoite
Lasciva desvirtuada
Beijei a boca da noite.

Beijei a boca da noite
E no sublime beijar
Eu alonguei o pernoite
E me envolvi ao luar.

E me envolvi ao luar
Na minha lascividade
Foi um fado de além-mar
Autor da ludicidade.

Deixe uma resposta