UM ESTADISTA BOTANDO FOGO

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, não vai mais disputar mandato de deputado, e confessou o projeto de governar o Brasil, instituindo “parlamentarismo-presidencialista”, que faria do presidente “rainha da Inglaterra”. Ou se candidatando a presidente, “se houver condições”.

Com agenda de pré-candidato, como mostram suas 235 viagens pela FAB este ano, ele faz campanha no exterior. Primeiro na Argentina, ansioso por selfie com o novo presidente, hostil a Bolsonaro.

Ontem, Maia começou na Europa, que ninguém é de ferro, um curioso esforço para ser recebido por figurões que não gostam de Bolsonaro.

Maia não disputará novo mandato para evitar mico: em 2018, na crista da onda, foi só o 13º mais votado em seu Estado. Somou 74 mil votos.

No parlamentarismo-presidencialista imaginado por Maia, o presidente marromenos só nomearia ministros da Defesa e Relações Exteriores.

O projeto de Rodrigo Maia encanta poderosos grupos de comunicação, que se queixam de corte bilionário de publicidade do governo federal.

* * *

Rodrigo Maia é um político de alto nível e um estadista tão gabaritado quanto Lula ou Dilma. 

O bochechudo, que tem o codinome de Botafogo na lista de propinas da Odebrecht, será um excelente presidente.

Anotem aí: ele vai derrotar Bolsonaro em 2022 de lavada. 

Vai conseguir o que Haddad não conseguiu.

Eu mesmo, que era torcedor do Botafogo quando criança, tô pensando em votar nele…

3 pensou em “UM ESTADISTA BOTANDO FOGO

  1. Maia (o botafogo listradinho), é outro imbecil da velha política que também não percebeu um novo Brasil……. ótimo vai se foder também…. com 74.000 votos talvez se elega como vereador no RJ e recomece a aprender a fazer politica com foco no bem estar do povo e nao de seus corruptos prediletos.
    Aécio, Serra, Jader, Collor acham que foram mais espertos por terem sumido e acham que o povo vai esquece-los até a próxima eleicao…
    Hihihihi…..
    Eunicio, Padilha, Haddad, Dillma, Juca e outros, perceberam que nao era bem assim…..
    As redes sociais nao permitarão mais “esquecimentos” dos votos e das ações criminosas do STF, da imprensa e do congresso nacional…

  2. Com Rodrigo ou sem Rodrigo, o parlamentarismo com voto distrital misto, seria um ótimo sistema de governo para o Brasil. Nas duas vezes,em que houve plebiscitos para legitimar a forma de governo, votei no parlamentarismo. Um sistema que exige responsabilidade do parlamento, ou as coisa fluem bem ou, cai o ministério e o parlamento pode cair junto.

Deixe uma resposta para Arthur Tavares Cancelar resposta