AUGUSTO NUNES

Clemente (foto maior) e Márcio Leite de Toledo (destaque)

Márcio Leite de Toledo, paulista de Bauru, tinha 18 anos quando se engajou na Aliança Libertadora Nacional, organização de extrema esquerda fundada pelo terrorista Carlos Marighela. Tinha 19 quando foi enviado a Cuba para diplomar-se num curso intensivo de guerrilha. De volta ao Brasil em 1970, tinha 20 quando se tornou um dos cinco integrantes da Coordenação Nacional da ALN. Então com 19 anos, fazia parte do quinteto Carlos Eugênio Sarmento Coelho da Paz, o “Clemente”. Da mesma forma que o Paz da certidão de nascimento, o codinome Clemente contrastava com a alma perversa de um devoto da violência.

Em outubro de 1970, numa tensa reunião secreta, os componentes da Coordenação Nacional debateram o que fazer diante do assassinato de Joaquim Câmara Ferreira, o Velho, que 11 meses antes substituíra o chefe supremo Marighela, fuzilado numa rua de São Paulo por um grupo de policiais liderado pelo delegado Sérgio Fleury. Convencido de que a ALN avançava com celeridade para a extinção, Márcio propôs aos parceiros do alto-comando uma pausa na guerra desigual. E pediu permissão para deixar o Brasil por alguns meses.

Clemente demorou dois segundos para concluir que Márcio era um desertor prestes a traí-los. Demorou duas horas para decidir que o companheiro pretendia entregar-se à polícia da ditadura e contar o muito que sabia. Demorou dois dias para convencer o restante da cúpula a avalizar seu parecer. Demorou um pouco mais para, com o endosso dos parceiros, montar um tribunal revolucionário, propor a pena capital e aprovar a sentença que, aos 20 anos, ajudou a executar numa rua de São Paulo.

Convocado para o que lhe parecia uma reunião de rotina, Márcio foi para o encontro com a morte no fim da tarde de 23 de março de 1971. Antes de sair do apartamento que lhe servia de esconderijo, o condenado que não tivera o direito de defender-se, e nem de longe suspeitava da tocaia, deixou um registro manuscrito: “Nada me impedirá de continuar combatendo”, prometeu-se. Não imaginava que fora proibido de continuar vivendo. Assim que chegou ao ponto combinado na região dos Jardins, foi abatido a tiros. Alguns foram disparados por Clemente, admitiu muitos anos mais tarde, numa entrevista ao jornalista Geneton Moraes Neto, o terrorista em recesso.

O vídeo abaixo reproduz o trecho da conversa que transforma Clemente em assassino confesso. “Então nós fomos lá e cumprimos a tarefa”, diz o carrasco depois de resumir a decisão do tribunal revolucionário composto de três juízes com pouco mais de 20 anos de idade. “Você participou diretamente da execução, então?”, pergunta Geneton. Clemente assume a autoria do crime com a placidez de quem recita uma receita de bolo: “Essa é uma informação que até hoje eu não dei e, na verdade verdadeira, eu não dei também porque ninguém teve essa atitude de chegar e me perguntar diretamente”, divaga no preâmbulo com a expressão de coroinha que nunca roubou o vinho da missa. E então vai ao que interessa: “Participei, sim, da ação. A tiros… a tiros…”

Formada para vasculhar as catacumbas da guerra fria ocorrida durante o regime militar, a Comissão da Verdade dividiu os personagens do universo que lhe cumpria devassar em torturadores a serviço da ditadura e heróis da resistência. Uns merecem o fogo do inferno. Outros, a gratidão do país (e uma Bolsa Ditadura de bom tamanho). Em qual dessas categorias deveriam ser enquadrados Carlos Eugênio Coelho Sarmento da Paz e Márcio Leite de Toledo? O algoz pode alegar que a execução de um dissidente que também combatia a ditadura militar foi um acidente de percurso? Essa espécie de homicídio também foi anistiada? A família da vítima de um crime que o Estado não cometeu pode figurar na relação dos indenizados?

“O que quer o jornalista Augusto Nunes quando publica um artigo como este?”, quis saber o homicida aposentado em novembro de 2008, quando tornei a exumar o episódio infame. Muito simples: queria deixar claro que não há nenhuma diferença entre o torturador que matou Vladimir Herzog e o terrorista que executou Márcio Leite de Toledo. Ambos são assassinos. A Comissão da Verdade discordou. Márcio ficou fora da lista de mortos e desaparecidos divulgada no relatório final. Clemente ficou fora da relação dos responsabilizados por violências contra inimigos do regime. O assassino foi absolvido. A condenação ao esquecimento perpétuo consumou o segundo assassinato da mesma vítima. Os sherloques do passado, diplomados na escola do cinismo, decidiram que um terrorista podia tudo. Até matar o companheiro de luta armada. Haja canalhice.

Em 2010, candidato a deputado federal pelo PSB do Rio, Carlos Eugênio Coelho Sarmento da Paz juntou o prenome de batismo ao codinome “Clemente”, adotado pelo antigo militante da ALN, expropriou o título de “Combatente da Guerra e da Paz” e foi à luta no horário eleitoral da TV. Como o tempo era curto, Carlos Eugênio Clemente espalhou pela internet um perfil resumido: Um dos mais valentes e temidos líderes da Ação Libertadora Nacional, homem de confiança de Carlos Marighella, o líder daquela organização. Temidíssimo pela repressão por sua coragem, furou mais de cem cercos à bala, matou pelo menos seis militares em seus confrontos nas ruas e um empresário que colaborava financeiramente com a tortura. Hoje é professor de música da UFRJ.

Faltou dizer que o professor de música já não precisava trabalhar. Graças à indenização concedida pela Comissão de Anistia, sobraram horas ociosas para a campanha. O que faltou foi voto: conseguiu apenas 567. “Eu só tive alguns segundos na televisão”, balbuciou o náufrago das urnas. A campanha serviu ao menos para mostrar que o pupilo de Marighella aprendeu com o mentor “a beleza que há em matar com naturalidade”. O serial killer dos anos 70 sempre acreditou que “ser terrorista é motivo de orgulho”. Ao morrer, em junho de 2019, o alagoano nascido em 1950 desfrutava em Ribeirão Preto da vida mansa que lhe garantira a decisão anunciada na portaria número 34 de 3 de fevereiro de 2010:

Declarar CARLOS EUGENIO SARMENTO COELHO DA PAZ, portador do CPF nº 022.477.858-75, anistiado político, reconhecer o direito as promoções à graduação de Terceiro-Sargento com os proventos da graduação de Segundo-Sargento e as respectivas vantagens, conceder reparação econômica em prestação mensal, permanente e continuada no valor de R$ 4.037,88 (quatro mil, trinta e sete reais e oitenta e oito centavos), com efeitos financeiros retroativos da data do julgamento em 13.08.2009 a 14.08.1998, perfazendo um total de R$ 577.416,84 (quinhentos e setenta e sete mil, quatrocentos e dezesseis reais e oitenta e quatro centavos), nos termos do artigo 1º, incisos I e II, Parágrafo Único da Lei nº 10.559 de 13 de novembro de 2002.

Se estivesse vivo, o assassino que encerrou sem arrependimentos nem remorsos sua torpe passagem pelo planeta estaria assinando manifestos em defesa da democracia. Mas não haverá outro Clemente. Assim como os Buendía de Cem Anos de Solidão, também um crápula condenado a 50 anos de abjeção não terá uma segunda chance sobre a terra.

7 pensou em “UM ASSASSINO PREMIADO COM A BOLSA DITADURA

  1. Vocês já notaram que essa tal “Comissão de anistia” só anistia os terroristas? O cara assaltou, sequestro e matou em nome de uma tal “liberdade” e ainda receba pensão vitalícia?,,,,,,,,

    Neste caso eu cito a coragem do Vica, Hamilton Mourão, numa entrevista, perguntado pela antiga terrorista e hoje jornalista (Cacildis, o nome me escapou, tou ficando velho mesmo) respondeu: “Mas estávamos em guerra!”

    Isso aí, estávamos em guerra.

  2. O povo eleitor de comunista e urna eletrônica tem um papel preponderante (vou usar esse termo, pra não usar filho da putice). Em eleger os criadores dessas bolsas que desfalcam, depenam, afanam, surrupiam, assaltam… O dinheiro do Público.

    A história recente desse País só tem um lado. O lado de quem contou.

    Pior que deixaram contar. Dominados pelo canto da sereia platinada e outros representantes da malicia e da degradação humana.
    Foi ditadura. Militar é torturador.

    Os coitadinhos exilados e presos políticos retornaram como celebridades (naquela época eles já engambelavam os ignorantes da gadolândia).
    E aí deu no que deu. Fudeu zebedeu. Até a Constituição eles escreveram.

    Felizmente temos uma nesga (Ô do politicamente correto, eu falei nesga, hein? Não confunda funda com bunda. Ou ainda. A grande obra do mestre Picasso, com a grande pica de aço do mestre de obra) de luz no nosso caminho. Que foi a eleição do Presidente Bolsonaro, militar reformado, mas, militar.

    Que muito antes de ser eleito. Teve a coragem de começar à contar essa mesma história, pelo lado da verdade. Como os fatos realmente aconteceram.
    Nenhum protagonista dessa realidade recebe algum tipo de bolsa.
    Quem tira dinheiro do povo, por qualquer que seja o motivo, é bandido. E como bandido tem que ser tratado.

  3. Nojento, vergonhoso, abjeto, imoral e indecente.

    Nenhum termo é forte o bastante para definir canalhas como este sujeito ( me recuso a escrever seu nome).

    Minha indignação é ainda maior por descobrir que este lixo humano morou em minha querida Ribeirão Preto.

    Que o inferno lhe sirva de morada.

  4. Millor Fernandes definiu bem: não queriam a tomada do poder, era apenas investimento.
    Prova´é que a bolsa guerrilha beneficiou desde quem fingiu pegar em armas, aos descendentes que ainda estavam na barriga das “cumpanheiras”. E, olhe que não é pouco dinheiro…
    Como era jovem na época, brinco com meus parentes que tive duas oportunidades na vida:
    1.Ser contra o governo de então – viviam pregando isso nas escolas que frequentei – e, teria levado uns tapas ou passado algum “perrengue”, mas poderia pedir algum agora;
    2. Ter continuado como funcionário público – fui da Aeronáutica de 70 a 75 – e obtido bela aposentadoria.
    Perdi as duas, mas sou mais feliz com minhas opções.
    inté!

  5. Eis os 7 que se prestaram para o revanchismo – que negam de pés juntos e juram por tudo quanto é sagrado que não houve – nessa tal de Comissão Nacional da Verdade, criada pela DILMULA, que durou de 18 de novembro de 2011 a 16 de dezembro de 2014:

    Cláudio Fonteles.
    Gilson Dipp.
    José Carlos Dias.
    José Paulo Cavalcante Filho.
    Maria Rita Kehl.
    Paulo Sérgio Pinheiro.
    Rosa Maria Cardoso da Cunha.

    Para tomar conhecimento do que esses elementos – em luta aberta e declarada à LEI DE ANISTIA AMPLA, GERAL e IRRESTRITA (n° 6.683), sancionada pelo presidente João Batista Figueiredo em 28 de agosto de 1979 – foram capazes de fazer, vide:

    http://cnv.memoriasreveladas.gov.br/

    Lá, dá para ver para que serviu e fazer downloads de toda a documentação da atuação – dirigida a unilateralidade – da dita comissão e dos seus membros.

    Com revanchismo este que – no português e/ou juridiquês deles – nunca houve.

    Assim como as tentativas desesperadas de mudança do significado de “anistia a todos quantos”, isto é, da ideia de AMPLA, GERAL e IRRESTRITA da LEI DE ANISTIA.

    Naturalmente, a manutenção da inocentação ou da justificação ou da premiação dos canhotas (e suas canhotices) envolvidos não podia ficar de fora.

    Como escreveu Augusto Nunes:

    “Formada para vasculhar as catacumbas da guerra fria ocorrida durante o regime militar, a Comissão da Verdade dividiu os personagens do universo que lhe cumpria devassar em torturadores a serviço da ditadura e heróis da resistência. Uns merecem o fogo do inferno. Outros, a gratidão do país (e uma Bolsa Ditadura de bom tamanho).”

    Quanto à Anistia, em sua redação original dada pelo Projeto de lei n° 14 de 1979-CN, dizia-se o seguinte:

    “Art. 1º É concedida anistia a todos quantos, no período compreendido entre 02 de setembro de 1961 e 15 de agosto de 1979, cometeram crimes políticos ou conexo com estes, crimes eleitorais, aos que tiveram seus direitos políticos suspensos e aos servidores da Administração Direta e Indireta, de fundações vinculadas ao poder público, aos Servidores dos Poderes Legislativo e Judiciário, aos Militares e aos dirigentes e representantes sindicais, punidos com fundamento em Atos Institucionais e Complementares e outros diplomas legais.”

    Embora esta tenha sido a redação original, o trecho final onde se lê “e outros diplomas legais” foi vetado por orientação do então presidente João Batista Figueiredo em mensagem apresentada à sessão conjunta do congresso nacional em 22 de agosto de 1979.

Deixe uma resposta