A PALAVRA DO EDITOR

Um terço dos deputados federais e senadores brasileiros, pelos cálculos mais modestos que há por aí, responde a processos na Justiça – quase 200 indivíduos, acredite-se ou não, numa coisa dessas. Considerando-se que o Senado e a Câmara têm 594 membros, resulta a seguinte constatação aritmética: o Congresso Nacional é possivelmente uma das organizações com o maior número per capita de gente enrolada com a Justiça em todo o país; deve perder só para as penitenciárias.

No lugar em que você trabalha, por exemplo: será que um terço dos seus colegas está com problemas na Justiça? E na sua família? E no seu clube? E no bairro em que você mora? E na sua cidade? Basta pensar um pouco nisso para ver o submundo que é o Poder Legislativo no Brasil. É um ambiente que está muito abaixo, do ponto de vista moral e civil, do que aquele em que você vive – e cuja frequência, portanto, não é recomendável para gente de bem.

A presente situação de impunidade, entretanto, ainda não é suficiente para o gosto dos congressistas – eles querem ficar mais impunes do que já são. Para isso, começou a ser parida na Câmara uma proposta de reforma da Constituição que pretende tornar ainda mais difícil a punição de deputados que se vejam acusados de violar o Código Penal. É um novo fundo de poço.

Depois de se colocarem de quatro diante do Supremo Tribunal Federal, engolindo por vasta maioria, e sem nenhum respeito por si próprios, a prisão ilegal de um deputado, os parlamentares querem um novo sistema de proteção. Entregaram um boi para salvar a boiada: em vez de recusarem a prisão do colega, preso por decisão do STF, os deputados decidiram rasgar a Constituição para comprar, daqui por diante, a proteção e a cumplicidade dos 11 ministros em relação aos delitos que já cometeram ou pretendem cometer.

A Câmara, se quisesse cumprir o que está na lei, teria de anular a prisão e processar, ela própria, o deputado. Caso achasse que ele violou os seus deveres como parlamentar, poderia perfeitamente suspender ou cassar o seu mandato. Mas quando um em cada três parlamentares está, de um jeito ou de outro, fugindo da polícia, a tentação de agradar ao STF com a cabeça de um colega falou mais alto. Os parlamentares esperam, agora, que os 11 ministros olhem para o outro lado, enquanto eles, aproveitando o embalo, trabalham para reforçar a própria impunidade.

4 pensou em “TRABALHAM A FAVOR DA PRÓPRIA IMPUNIDADE

  1. O TSE (sério e não esta molecagem atual) deveria exigir aos candidatos as mínimas premissas, tais como:
    1. ficha limpa nos últimos 20 anos
    2. curso superior comprovado em faculdade homologada pelo MEC
    3. experiência mínima de cinco anos em empresa privada
    4. brasileiro nato
    Como o TSE é parte da putaria atual, a melhoria nesta área legislativa só compromete o crescimento do país.

    • Eu retiraria o item 1.

      Pra mim, só é candidato se não tiver NENHUM tipo de imbróglio com a justiça.

      Nem ter mandado algum vizinho barulhento pra puta que o pariu.

      Nenhum!

Deixe uma resposta