PERCIVAL PUGGINA

Enquanto o Ocidente se suicida, fala-se em 3ª via para a corrida presidencial de 2022. O retorno dessa estratégia para o teatro das ações significa desprezar o discernimento da sociedade brasileira. Supõe que somos desmemoriados e incapacitados para nossas responsabilidades como cidadãos. A peça exibida no teatro em questão é ruim e a gente identifica, desde o início, os vilões e as vítimas do roteiro.

Lula e FHC desfilavam ombro a ombro, braços dados em campanha pelas diretas e pela anistia. Cochicho a cochicho, levaram ao limite do possível a esquerdização da Constituição de 1988. Costuraram o Pacto de Princeton, em 1993, definindo estratégias comuns ao Foro de São Paulo (Lula/PT) e ao Diálogo Interamericano (FHC/PSDB). Nas seis eleições presidenciais consecutivas de 1994 até 2014, seus partidos adotaram a estratégia conhecida como “tesoura”, em que duas esquerdas, operam as lâminas para o mesmo fim comum. E espicaçaram o país com a direita, sem nome, partido ou movimento, votando no PSDB na reta final dos pleitos presidenciais.

Tão prolongada supremacia só ocorrera no início do século passado, durante a Primeira República, com a política “Café com Leite” das oligarquias de São Paulo e Minas Gerais. Quase cem anos mais tarde, os dois velhos amigos mantiveram o país na esquerda durante 24 anos. Nunca o MST foi tão feliz como durante o governo de FHC; nunca os banqueiros foram tão felizes quanto nos governos de Lula e Dilma. Juntos, com mera troca de manobristas e de retórica, levaram o Brasil para aquela esquerda que se diz “progressista”. O estrago foi grande. Mas não desanimou os propósitos, como se vê nos bastidores destes dias.

Aliás, o nonagenário FHC já se abraçou com Lula jurando amor para a eleição de 2022. E já se apartou de Lula quando percebeu o amplo apoio da mídia amiga da esquerda para a proposta de uma 3ª via. Esse apoio prova que a ideia é ruim. E é ruim porque seu objetivo é restaurar a situação em que, durante 24 anos, a direita (aqui entendida como conservadores e liberais) foi representada por um candidato de esquerda: o vitorioso FHC e os derrotados José Serra, Geraldo Alckmin, José Serra II e Aécio Neves. Como resultado, a direita definhou politicamente por mais de duas décadas.

Como podemos ter uma terceira via política – porque política não é um candidato! – se sequer temos uma segunda via política organizada? A esquerda tem via própria, ampla, pavimentada por muito trabalho! Ela opera em toda parte, onde houver poder público, ensino, cultura, comunicação social e meio de influência. É uma via política muito mais eficiente do que a representação dos seus partidos.

Agora querem retornar. Se isso ocorrer, outras décadas fluirão. Conservadores e liberais se recolherão, novamente, às catacumbas. A 3ª via é a estratégia da esquerda. Cair nessa é levar-lhe em mãos a minuta de nosso atestado de óbito. Não votar em Bolsonaro porque ele é assim ou assado, ou porque serão mais quatro anos desse ambiente conflituoso, significa esquecer que tais conflitos são criados e mantidos para produzir esse raciocínio e obter esse resultado!

Pela direita, leitores, só Bolsonaro vence essa eleição.

Olhem para o palco. Vejam quem dá apoio a essa ideia que reputo desastrosa por suas consequências passadas e futuras. O Brasil não pode retornar a quem tanto mal lhe fez no governo e continua a fazer na oposição.

Retomemos o trabalho suspenso pelas absurdas regras atribuídas à pandemia e comecemos a organizar a 2ª via política de que o país tanto necessita. Ao menos aqui, salvemos o Ocidente!

5 pensou em ““TERCEIRA VIA” É O PRESENTE QUE A ESQUERDA PEDE AO PAPAI NOEL

  1. Brilhante análise do Puggina. Não existe outra opção à direita que a do Bolsonaro. O resto é a volta do teatro das tesouras.

  2. FHC é o legítimo criado do PT cuja ata inicial foi assinada na Capela Sion na Av. Higienópolis (colégio Sion, de irmãs).
    Lula sempre frequentou seu apartamento na Rua Maranhão.
    A política das tesouras “tupiniquim” acabou se tornando realidade na cidade de Princeton, Estados Unidos, em 1993,através do então chamado “Pacto de Princeton”, acertado por representante do PSDB, Fernando Henrique Cardoso, e Luiz Inácio Lula da Silva, pelo Partido dos Trabalhadores, o primeiro em nome do “Diálogo Interamericano”, e o segundo em nome do “Foro San Pablo”, uma organização clandestina e marginal que busca implementar o socialismo na América Latina, fundado em 1990 por Fidel Castro e Lula.
    Assim, o príncipe das Trevas (FHC) só trouxe malefícios para o Brasil.

  3. Não há como não concordar com a excelente análise do Sr. Percival Puggina, que considero um dos melhores articulistas do momento. A recondução do ex-presidiário Lula, à disputa da presidência da república em 2022, escancara a marca do atraso político que o Brasil não consegue superar, entra ano sai ano. Somos um país dos golpes, dos ditadores, dos oligarcas, dos picaretas, dos corruptos e dos sempre os mesmos no poder., ou seja, os “Donos do Brasil”. Não existe renovação nenhuma na política. Há 40 anos temos FHC e Lula, um dando a mão ao outro, no palco político, sendo que estão novamente querendo ser os protagonistas. Que mudança ou esperança teremos com estes velhacos da política?

Deixe uma resposta