DEU NO JORNAL

Rodrigo Constantino

Em coluna publicada no jornal O Dia, Aristoteles Drummond encheu de elogios o ministro Tarcísio Gomes de Freitas, “o fenômeno desta equipe ministerial”, como resumiu. Para o autor, Tarcísio é um “Trabalhador incansável, hábil, simples, percorre o país inteiro visitando e inaugurando obras. Tem a habilidade de se fazer acompanhar dos políticos da região. Tem consciência do grau de sucateamento que os governos do PT relegaram a infraestrutura de transportes e o planejamento do setor, que é fundamental para a retomada do crescimento.”

É também um “Gestor presente e estudioso”. Para Aristoteles, Tarcísio já garantiu seu lugar na história ao lado de outros grandes da área: “Tivemos dois notáveis ocupando a pasta dos transportes no passado recente. Mário Andreazza, um gigante como Ministro de três governos, homem de visão e ação, e seu sucessor e auxiliar, Eliseu Resende. Como esta dupla, o ministro Tarcísio já garantiu seu lugar na história”, diz o texto.

Por fim, o jornalista destaca que tudo isso é conquistado sem alarde, sem panfletagem, sem firulas: “Para completar, seu sucesso não desperta ciúmes, pois o homem é discreto, desprovido de vaidades e ambições. Tem a admiração do Executivo e do homem simples”, escreve Aristoteles. E conclui: “Tanta discrição e simplicidade, com tanta eficiência, pode levá-lo longe.”

Trata-se de um bom resumo, e de elogios merecidos. Justiça seja feita, Tarcísio só é ministro graças ao presidente Bolsonaro, que o apontou para o cargo e lhe concedeu autonomia administrativa. O próprio ministro já reconheceu isso em entrevistas e demonstra gratidão para com o presidente. Não podemos responsabilizar Bolsonaro pelos ministros ruins e retira-lo o mérito frente aos bons ministros. Ou adotamos a premissa de que é ele o chefe de todos, o capitão da equipe, o que serve para o lado negativo e também positivo, ou o encaramos como alguém sem qualquer participação no próprio governo, o que parece absurdo.

Dito isso, não resta dúvida de que o seu governo seria muito melhor se contasse com mais ministros com esse perfil discreto e trabalhador. Alguns, infelizmente, preferem “mitar” nas redes sociais enquanto entregam resultados medíocres em suas pastas. É verdade que, no caso da Educação, parte do objetivo de desfazer as trapalhadas ideológicas da esquerda passa por lançar holofotes nessa questão da guerra cultural. Mas há formas e formas de se buscar a mesma meta, convenhamos.Por mais ministros como Tarcísio, portanto. O Brasil agradece!

11 pensou em “TARCÍSIO: A IMAGEM DA EFICIÊNCIA DISCRETA

  1. Ministro Tarciso de Freitas, ministra Tereza Cristina, Osmar Terra,Sergio Moro, Paulo Guedes e o secretário do comércio exterior, Marcos Troyjo, são as estrelas desse governo.

    • Tem ainda: o General Heleno, A Damares (a mais popular depois do Moro), o Rogério Marinho, sem o qual q reforma da previdência não saía, o General Rego Barros, o melhor porta voz que esta república já teve; tem o Weitraub, um pouco louco, porém tem em mãos a tarefa árdua de melhorar nossa sofrida e aparelhada educação.

  2. É sempre bom sabermos que o governo, na pessoa de seus ministros, está fazendo o seu trabalho; foi pra isso que o elegemos. Isto não deveria ser notícia, afinal é o que se espera de qualquer servidor.

    Infelizmente nos acostumamos, sobretudo nos governos petistas, a lidar com vagabundos e incompetentes competentíssimos em roubar e governar por meio de factóides e propaganda enganosa.Tomara este seja o início de novos tempos, onde ministros sejam como juízes de futebol: tão melhores quanto menos aparecem.

    • .
      Infelizmente nos acostumamos, SOBRETUDO NOS [DES]GOVERNOS PETISTAS, a lidar com vagabundos e incompetentes COMPETENTÍSSIMOS EM R.O.U.B.A.R e governar por meio de factóides e propaganda enganosa.

      n.a _ m.o.s.c.a !!! !!! !!!

  3. Conevnhamos….. se Bolsonaro tivesse 10 Tarcisios de Freitas nos ministérios, com certeza ele asfaltaria uma BR de dupla pista até Marte. O homem é porreta mesma… promete e cumpre, e olha, isso em uma pasta com orçamento estrangulado, diga-se de passagem. Mas, na verdade, não faltava dinheiro, sobrava roubalheira. Como o homem consegue fazer tantas coisas com pouco dinheiro e antes mal se conseguia fazer tapa buracos “cascabulha” em rua de periferia??? O homem é porreta mesmo.

  4. Não discordando nada do que foi dito , mas ele tem como Moro a oposição do STF , da Câmara,do Senado e de parte da imprensa ?
    Ele tem como Abraham Weintraub a oposição de todas as Universidades , da UNE , da UBES , da imprensa em geral ?
    Ele foi alguma vez chamado para comparecer a alguma comissão no Senado ou na Câmara ?
    Alguma vez foi insultado mesmo estando de férias ou numa comissão ?
    Ele não foi insultado porque é discreto ou porque a pasta é ?

  5. Eu concordo que o ministro é um exemplo de trabalho, seriedade e honestidade. Acho que se os demais seguissem no exemplo, principalmente no quesito discrição, o governo estaria bem melhor

  6. Como me ensinou um tio meu, já falecido, que era PhD em todas as universidades da vida:

    “COM UM BAGACEIRO, MESMO QUE NÃO SE QUEIRA, TEM-SE DE SER MAIS BAGACEIRO AINDA, POIS É A ÚNICA LINGUAGEM QUE ELE ENTENDE”.

    Por isso, apoio, totalmente, o – duro e sem dó – teor das respostas e declarações dadas por Bolsonaro, Weintraub, Damares e outros membros do governo – aos bagaceiros de plantão, que “se acham”.

    Só assim, os ditos bagaceiros – mal acostumados a agredir, impunemente – imediatamente, se acovardam, se encolhem e se recolhem à sua insignificância, e “não enchem mais o saco”.

    Esta é a única maneira de obrigar um bagaceiro a “pegar a sua viola e ir cantar em outra vizinhança”.

    Pois, ser educado, para eles, é fraqueza, e é motivo para se sentirem superiores e, sempre, voltarem a carga com mais força.

Deixe uma resposta