SUPREMO IDIOTA

Marco Aurélio Mello criticou um funcionário do Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina por ter se dirigido a ele, para convidá-lo à cerimônia de entrega de uma medalha a Jorge Mussi, ministro do STJ.

Em ofício enviado ao presidente do TRE-SC, em que recusa o convite para a solenidade, Marco Aurélio reclamou:

“Integrante de cerimonial não se dirige diretamente a ministro do Supremo”.

Leia a íntegra do ofício:

* * *

Integrante de Cerimonial não se dirige a Ministro do Supremo“.

É phoda!!!!

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Excesso de falta do que fazer.

Excesso de coçação de saco remunerada com dinheiro público.

Um reles mortal não pode se dirigir a um Deus do Supremo.

Vindo de um pretensioso que ocupa uma das 11 cadeiras daquele antro de babacas, tudo é possível.

Tudo mesmo.

Até uma idiotice dessas.

Um sujeito metido a Anjo das Alturas que quer dar um peido maior do que a bunda e acaba amostrando quem realmente é.

Prestem atenção que na assinatura do ofício-tolôte ele não colocou o sobrenome “Mello”.

O mesmo sobrenome do primo ladrão, do primo corrupto, do primo enxotado da presidência que o nomeou pro STF, o ex-presidente Fernando Cocaleiro de Mello.

Um parentesco que tudo explica.

Nêumanne estava com a razão quando entupiu o furico deste babaca com uma resposta certeira:

14 pensou em “SUPREMO IDIOTA

  1. De fato, membro de cerimonial não se dirige diretamente a autoridades.

    Porém o ministro poderia, sem qualquer demérito à sua realeza, encaminhar o convite ao cerimonial do STF para as providências de praxe.

    Marco Aurélio perdeu uma boa chance de ficar quieto.

    Ô sujeito insuportável!

  2. O papelucho de sua Insolência já diz quem ele é: um anão moral, um pigmeu institucional que se acha acima de tudo e de todos. Marco Aurélio está bem servido naquele valhacouto chamado Supremo Tribunal Federal. A nós, o povo, verdadeiros patrões desses pulhas éticos só nos resta uma coisa: botar as suas insolências para correr e botar fogo naquele antro desenhado por Niemeyer que hoje envergonha o Brasil. Fico a pensar, o que ocorreu com o STF de um Nelson Hungria, de um Sidney Sanches, de um Victor Nunes Leal, de Menezes Direito? Nomes que até pronunciar impunha reverência e solenidade à voz. Hoje quando abro a boca para falar nos nomes dos que lá estão, a boca me enche de frêmito de vômito.

  3. A solução para esse senhor é uma consulta ao psicanalista. Uma pessoa que a todo momento sente necessidade de declarar sua importância e demonstrar sua autoridade é um caso típico de complexo de inferioridade. Sua visível insegurança pode prejudicar até mesmo sua capacidade de emitir juízos.

    • Acho que demorou muito para revelar que é um ser vanglorioso, arrogante, besta, cínico, presumido, petulante, túmido, vaidoso, gabola, atrevido, ousado, pretensioso, abusado, insolente, empolado, audacioso, saião, desaforado, metido, descarado, fátuo, malcriado, cabotino, alambicado, pedante, emproado, altivo, soberbo, presunçoso, desavergonhado, descarado, convencido, imodesto, desvergonhado, delambido, desabusado, jactancioso, desvanecido, enfatuado, opiniático, orgulhoso e pernóstico.

  4. Apesar da reclamação ter soado prepotente e distante do mundo real, o ministro não está errado. Ao menos, é o que manda o protocolo da Suprema Corte em relação a convites formais. Segundo o artigo 5º da Resolução do STF 263/2003, “os convites a membros de Tribunais poderão ser formulados por intermédio dos respectivos presidentes, aos quais se solicitará a transmissão”. Isso significa que o convite deveria ter sido feito por meio da presidência do TRE-SC, e não pelo cerim

  5. Pingback: ADJETIVAÇÃO FUBÂNICA | JORNAL DA BESTA FUBANA

  6. Juízes têm – acostumados ao rigor técnico – muita exigência no cumprimeno das normas. O Marco Aurélio agiu como se estivesse despachando em um processo.
    Desprezível mesmo é a burrice generalizada e a tentativa de desmoralizar a todo custo a justiça para forçar os juízes a desrespeitar a lei.

Deixe uma resposta