SUPREMA DITADURA

A Polícia Federal realizou buscas e apreensões nesta quinta-feira (27) no âmbito do inquérito do Supremo Tribunal Federal que apura produção de informações falsas e ameaças à Corte – conhecido como “inquérito das fake news”.

Entre os alvos estão o ex-deputado federal Roberto Jefferson; o empresário Luciano Hang, dono da Havan; os blogueiros Allan dos Santos e Winston Lima.

Eles são aliados do presidente Jair Bolsonaro.

As medidas foram autorizadas pelo ministro Alexandre de Moraes, relator do caso.

* * *

27 pensou em “SUPREMA DITADURA

  1. Quero ver quando estes xxxxx xx xxxxx. Expedirem um mandato para o JBF. Os: Pitaqueiros, Fofoqueiros (Biógrafos da vida alheia) e etc. Fubânicos. Uni-vos!!!!

  2. FILHOS DA PUTA!!!! NAZISTAS!!! CANALHAS!!! BILTRES!!! ESBIRROS DITATORIAIS!!!

    CAPACHOS DO PT E DO PSDB!!!

    Só não podem me acusar de “Fake News”, já que são todos exatamente isso.

    • Arrumei uma namorada para o Adônis. A gatíssima (que loirinha linda!!!) blogueira e ativista Sara Winter, lamentou não ter estado em São Paulo, na sua casa, hoje, quando foi vasculhada pela PF, tudo a mando do ministro Alexandre de Moraes.

      Segundo a Cruzoé, a bela teria dito: “Moraes, seu covarde, você não vai me calar.”

  3. Se a ação da PF fosse contra sites e aliados do lula, saia no Famigerado jornal nacional, com a maior destaque declarando ação contra a liberdade e democracia. Só Deus!

  4. Aos críticos da ação do STF e da Polícia Federal lembro que a ação em si é correta, a forma como foi determinada é que foi errada. E não vi os segmentos jurídicos, estilo OAB e entidades representativas de juízes abordarem o assunto. Àqueles que discordam eu pergunto: Se qualquer cidadão brasileiro, até prova em contrário, pode pleitear nas instâncias competentes medidas investigatórias contra pessoas que o atingiu, por quê um ministro do Supremo não pode?
    Possivelmente tem muita gente por aí precisando entender o significado conceitual de Gestapo, esbirros, biltre, etc. Mas ainda é tempo. Basta ter vontade e saber ler e interpretar um texto,

    • Então posso pedir medidas contra quem me atingiu e mandar a polícia ir lá ?. Será mesmo que posso? E será que a polícia irá ?. Não me parece que as coisas caminham assim.

    • Caro Orlando,

      Muito obrigado pela aula magistral.

      Depois dessa, acho que vou ter que retornar aos bancos escolares do primário.

      O que seria de mim sem a sua sapiência para me alertar da minha ignorância.

    • Então, Orlando, A ação em si não tem nada de correta.

      Quando um cidadão qualquer é atingido no seu direito, ele faz um BO em uma delegacia. Se houver indício de crime a polícia investiga e encaminha para a promotoria, que irá analisar se apresenta denúncia ou não. Se denunciar apresenta o caso ao juiz que pode fazer com que o agressor vire réu. Só aí há um julgamento

      Tudo é feito com publicidade, amplo direito de defesa e com uma ação concreta de agressão, uma vítima e um agressor definidos.

      Na ação do STF em primeiro lugar não há um fato ou um agressor determinado; a vítima (o próprio ministro) determina o sigilo de tudo, conduz o inquérito, acusa, determina as ações da polícia e depois faz o julgamento.

      A promotoria, que é quem tem a prerrogativa de conduzir um inquérito e acusar, não participa de nada.

      Não, jamais se pode comparar o que houve hoje ao que qualquer cidadão poderia fazer.

      • Caro João Francisco,
        Parece que não me fiz entender adequadamente no meu comentário. Permita-me repetir a tentativa. Voltemos ao texto do meu comentário que considero nuclear, a saber “Se qualquer cidadão brasileiro, até prova em contrário, pode pleitear nas instâncias competentes medidas investigatórias contra pessoas que o atingiu, por quê um ministro do Supremo não pode?”
        Considero qualquer ministro do STF um cidadão brasileiro com capacidade de pleitear em juízo, ou fora dele, atuando em causa própria (uma vez que é bacharel em Direito) ou mediante representante legalmente constituído. Assim, espero ter explicitado o meu entendimento de que os ministros do STF podem solicitar providências investigativas contra os agentes de ações ofensivas a cada um deles ou à
        Registro, por oportuno, que a forma como foram acionadas as providências está errada, obviamente, mas o direito e os fatos pertinentes a necessidade das aludidas providências remanescem.
        Com relação ao seu comentário, permita que faça as seguintes ponderações:
        1 – No caso de ministro do Supremo, quando a ofensa a ele dirigida não é pessoal, mas à sua representação institucional, não cabe o registro de BO, cabe o acionamento do Ministério Público, via Procuradoria Geral da República, que irá determinar a instauração do competente inquérito investigativo. Infelizmente, os ministros do STF não cumpriram esta formalidade sem a qual, no meu modesto entendimento, os atos do STF são nulos na sua essência porque inconstitucionais.
        2 -Embora não seja previsto no nosso ordenamento jurídico abertura de inquérito “de oficio” pelo STF, a peça investigatória continua, de forma lenta e gradual.
        3 – Motivos e fatos a ensejarem a abertura de inquérito, existem sem dúvidas. Pessoalmente, assim como milhares de outas pessoas, vi em canais de tv, redes sociais, movimentos de rua e blogs, diversas pessoas se referir aos ministros, citando-os nominalmente, com palavras de baixo calão, injuriosas, qualificando-os de corruptos, ladrões, analfabetos, chegando-se ao cúmulo de um senador da República, declarar em público e por várias vezes, que determinado ministro do STF vende sentenças. Por mais condescendente que se queira ser em favor da “liberdade de expressão” ou “expressão de pensamento” não se pode deixá-las sem limites éticos e civilizatórios.
        4 – A identificação prévia de agentes criminosos não é exigida para a instauração de inquérito, até porque uma de suas finalidades é identificar os investigados, existentes em vídeos, redes sociais etc.
        Finalizando, devo salientar que não concordo com muitas das decisões do STF ou com argumentos de ministros em entrevistas ou declarações. Contudo não sou defensor do massacre da reputação alheia, bem assim, com o “esculacho” descabido de qualquer cidadão.
        Não posso relevar, entretanto, que no Brasil o impossível se faz agora e o impossível daqui a pouco.
        Perdoe-me se me alonguei demasiado neste texto.

        • SR. Orlando, voltemos ao seu texto inicial.

          Se uma determinada ação foi iniciada de forma errada, correta ela nunca vai estar. É o vício de origem.

          Se qualquer cidadão brasileiro, e um Ministro do STF não é mais e nem menos que ninguém; for agredido em sua honra ele pode pedir reparo, e tem trâmites processuais para isso.

          O povo, especialmente os 29 que foram vilipendiados ontem; não pede o fim do STF como instituição, quer que ele se atenha às suas funções que é ser guardião da CF.

          Todas as críticas que eu vejo são contra este ou aquele membro. O problema é que atualmente são quase todos os que não honram sua toga, porque são fracos no saber jurídico e devem suas togas, a começar pelo decano, que foi chamado de “juiz de merda” pelo seu padrinho de nomeação, o jurista “Saulo Ramos” em um livro e jamais o processou.

          Como o sentimento geral é de que não tem um que preste, é justo pedir a substituição de todos, mas jamais acabar com o STF, entendeu?

  5. No início da segunda metade do século 20, Sancho já citava Marx, o Groucho e nos primeiros meses de 2020 (vinte duas vezes), tenho que repetir, repetir e repetir: “Sou marxista, da tendência Groucho”.

    Agora vou usar um termo que aprendi com Machaela Pratt, minha musa em How to Get Away with Murder: Pedindo a Berto toda a vênia possível: E viva o JBF(Jair Bolsonaro Fenomenal)!!!!!!

  6. Primeira vez que fiquei sabendo que um humorista recebeu um mandato de busca e apreensão de telefones, computadores e documentos. Acho que preferia a censura da ditadura. Pelo menos naquela época o STF era formado por JURISTAS! Esta é a minha opinião.

  7. A Polícia Federal cumpriu ordens do ministreco Cabeça de Bimba, e não pode recusar a determinação do ministro mais medíocre da Corte. Ou seja, manda quem pode e obedece quem tem juízo.

    • Qualquer funcionário público tem o dever de se recusar a cumprir uma ordem claramente ilegal, pois do contrário ao participar de uma busca ilegal pode incorrer na Lei de abuso de autoridade.

      A coisa tá complicando.

  8. Na epoca da verdadeira ditadura eu sentia medo nas ruas quando portava cartazes contra o governo . Hoje nem preciso sair de casa pressentir medo. Basta eu postar uma piada sobre o STF na internet. Com o Moraes e Toffoli agindo assim vou começar a sentir falta do Gilmar Soltando Mendes

    • Caro Gonzaga, quem v. acha que está por trás dos dois togados lambões? Sim, o Gilmar.

      Agora ainda que o Wintraub chamou todos de imbecis, o espírito de corpo tomou conta das v. excelências.

      Se JB não demitir o ministro vai sentir a reação de TODOS.

  9. Infelizmente os nossos defensores das FFAA estão todos incapacitados, sentados
    paraliticos em cadeiras de rodas sem movimento nos seus membros e talvez
    também nos seus cérebros.
    Não podem evidentemente tomar uma posição a respeito. Está portanto
    na hora do presidente usar o 142 emergencial.
    O abuso passou da conta, sejamos a favor ou não do presidente,
    essa esculhambação não vai ter fim, eles estão provocando um
    ato suicida.

    Lembrem-se. num dos últimos comentários meus eu escrevi :
    Beware May 29th !

Deixe uma resposta