DEU NO JORNAL

Nos doze meses de 2022, o Tribunal Superior Eleitoral terá três presidentes, todos hostis ao atual presidente da República:

Luis Roberto Barroso, que deixa o cargo em 28 de fevereiro, Edson Fachin, que assume até 17 de agosto, e Alexandre de Moraes, que comandará as eleições.

Os três têm feito afirmações consideradas “agressivas”, longe da recomendação de “temperança” no exercício da magistratura.

A presidência de Barroso tem sido marcada pelo combate a Bolsonaro, principalmente em discursos e entrevistas.

No fim do ano, Barroso mandou às favas o espírito natalino para atacar Bolsonaro, ainda ressentido com a polêmica da impressão do voto.

Em março de 2021, referindo-se a um presidente eleito pelo voto, Fachin disse que “democracia brasileira está sob ataque”, em evento da OAB.

Alexandre de Moraes é tido como outro desafeto pessoal de Bolsonaro, mas não cogita alegar suspeição e declinar da presidência do TSE.

* * *

É de lascar!!!

É pra arrombar a tabaca de Xolinha!!!

Pense na apuração limpa, confiável e isenta que terão as eleições deste ano!!!

Se a gente contar isso lá no istranjeiro, eles vão ficar se rindo-se e mangando de nóis.

Mas aqui nessa terra macunaímica, infestada de canhotos e militantes togados nos tribunais lá do alto, tudo é possível.

Tudo mesmo!!!

1 pensou em “SUPERIOR TRIBUNAL ELEITOREIRO BANÂNICO

Deixe uma resposta