1 pensou em “SUPERFERIADÃO DO COVAS EM SP FRACASSA

  1. *Estudo no Chile mostra que vacinados com CoronaVac têm baixa quantidade de anticorpos*

    Pesquisa apresenta dados sobre a resposta imune dos vacinados — o que, pelo menos agora, não foi divulgado pelo Instituto Butantan

    Fábio Matos 03 ABR 2021 – 10:22

    Um estudo conduzido por pesquisadores chilenos e da Sinovac — laboratório chinês que produziu a CoronaVac, vacina aplicada também no Brasil — indica que as pessoas vacinadas com o imunizante desenvolveram anticorpos para a covid-19, mas em baixa quantidade. As informações foram publicadas pelo biólogo Fernando Reinach em sua coluna deste sábado, 3, no jornal O Estado de S.Paulo.

    Os dados coletados fazem parte dos estudos de fase 3 da CoronaVac no Chile e ainda são preliminares (clique aqui para ler o estudo). Dele participaram 434 pessoas, mas as análises de imunogenicidade foram feitas em apenas 190 voluntários. Destes, 173 tinham de 18 a 59 anos, e 17, 60 anos ou mais. Entre os mais jovens, 132 receberam a CoronaVac, e 41, um placebo. Entre os mais velhos, 14 receberam a vacina, e três, o placebo. A pesquisa apresenta dados sobre a resposta imune dos vacinados — o que, pelo menos até o momento, não foi divulgado pelo Instituto Butantan, que produz a vacina chinesa no Brasil.

    “Os cientistas mediram a presença de anticorpos neutralizantes, aqueles que são capazes de bloquear a entrada do vírus na célula humana. A CoronaVac também é capaz de gerar esses anticorpos tanto em jovens como em pessoas mais velhas, mas a quantidade gerada é muito baixa pois eles deixam de ser detectados se o soro for diluído mais do que 16 vezes”, aponta Reinach. “Os cientistas tentaram medir a resposta das células T em pessoas vacinadas, mas os resultados, apesar de positivos, não parecem ser suficientes para concluir que a CoronaVac produz uma resposta celular potente”, prossegue o biólogo.

    “A conclusão é a de que os vacinados no Chile com a CoronaVac possuem os anticorpos necessários para combater o Sars-CoV-2, mas em baixa quantidade, o que está de acordo com a baixa eficácia da vacina (50%). Essa baixa quantidade de anticorpos também deixa em aberto a possibilidade de a CoronaVac ser menos eficaz, ou mesmo ineficaz, contra as novas variantes.”

    Em seu texto, Reinach também afirma: “O resultado que chama a atenção é que a CoronaVac não gera anticorpos contra a proteína N, apesar de essa proteína estar presente na vacina. Esses anticorpos são produzidos em abundância quando as pessoas são infectadas pelo Sars-CoV-2”. Ele explica: “Anticorpos contra a proteína N são os anticorpos medidos nos ensaios sorológicos para saber se uma pessoa já foi infectada. Não se sabe o papel desses anticorpos na proteção contra o vírus. De prático, isso significa que os testes sorológicos de rotina não são capazes de identificar pessoas que tomaram a CoronaVac”.

    Reinach encerra o artigo ressalvando que “de qualquer modo, a CoronaVac é segura e, apesar dessas características, deve ser tomada por todos assim que possível”. “No futuro, ela provavelmente será substituída por vacinas que oferecem maior proteção”, finaliza.

Deixe uma resposta para Jose Roberto Cancelar resposta