FRANCISCO ITAERÇO - MEUS RISCOS E RABISCOS

SOU O QUE SOU

Sou somente o que sou
Nunca pensei não ser
Quase sempre morro
Algumas vezes planícies
Planalto sei que não sou
Envergonho-me de ser
Querer ser o que não sou
É burrice.

DESNUDANDO VOCÊ

Desnuda tua alma
Deixa teu corpo comigo
Farei com toda calma
Sem te causar perigo
Detenho-me nas curvas
Livre de sol, de chuva…
Busco uma encruzilhada
Final da minha procura.

É SEMPRE ASSIM

Depois do orgasmo
O pânico
Qual de nós dois
Ficará grávido?
Eu fico grávido
De amor
Você fica grávida
De pranto

É sempre assim!

COLHEITA

Recolhi da água
As mais puras gotas
Do orvalho da noite
Pendurado nas folhas
E trouxe para ti.
Nenhuma tão pura
Quanto o teu pranto
Quando me despedi
Foi tudo que eu vi
E também chorei.

Deixe uma resposta