A PALAVRA DO EDITOR

ME ENGANA QUE EU GOSTO

A bala era de festim
Nada a temer.
Mas estava perdida
Era curto o pavio
O lugar era o Rio
Cumpri meu dever.

Só não chora quem nunca foi
criança e não aprendeu a chorar.

CICLO DO AMOR

Pediste um abraço
Eu te dei
Insaciável
Pediste um beijo,
Um carinho,
Um amasso…
Não te neguei

Devolveste em dobro
É o ciclo do amor:
É dando que se recebe.

ARTE & POESIA

O nome flor
Já basta
Isto é arte
A perfeição
É poesia.

FALANDO DE AMOR

Alguém me disse:
“O amor é cego”
Escrevi
Meu primeiro poema
Em braile.
Ninguém me leu.

Acrescentou mais:
É surdo-mudo
Meu segundo poema
Escrevi em sinais
Ninguém me escutou.

Chorei
Minha desilusão
Dispensei a pena
Que pena!
Nem pena,
Nem mãos
Falei de amor
Com meu coração

Deixe uma resposta