PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Eram oito do dia; eis a criada
Me corre ao quarto, e diz “Aí vem menina
Em busca sua; faces de bonina,
Olhos, que quem os viu não quer mais nada”.

Eis me visto, eis me lavo, e esta engraçada
Fui ver incontinenti; oh céus! que mina!
Que breve pé! Que perna tão divina!
Que maminhas! que rosto! Oh, que é tão dada!

A porra nos calções me dava urros;
Eis a levo ao meu leito, e ela rubente
Não podia sofrer da porra os murros;

“Ai!… Ai!… (de quando em quando assim se sente)
Uma porra tamanha é dada aos burros,
Não é porra capaz de foder gente”.

Colaboração de Pedro Malta

Deixe uma resposta