PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Se eu morresse amanhã, viria ao menos
Fechar meus olhos minha triste irmã;
Minha mãe de saudades morreria
Se eu morresse amanhã!

Quanta glória pressinto em meu futuro!
Que aurora de porvir e que manhã!
Eu perdera chorando essas coroas
Se eu morresse amanhã!

Que sol! que céu azul! que doce n’alva
Acorda a natureza mais louçã!
Não me batera tanto amor no peito
Se eu morresse amanhã!

Mas essa dor da vida que devora
A ânsia de glória, o dolorido afã…
A dor no peito emudecera ao menos
Se eu morresse amanhã!

Álvares de Azevedo, São Paulo (1831-1852)

4 pensou em “SE EU MORRESSE AMANHÃ – Manuel Antônio Álvares de Azevedo

  1. Bela, sem dúvida. Infelizmente, o colunista comeu mosca nas datas de nascimento e morte do poeta paulista. Ele nasceu em 1831 e se foi em 1852, antes de completar 21 anos. Segundo consta, toda a sua produção, inclusive teatral, foi publicada postumamente.
    Curiosamente, as datas de 1929 e 1960 são as mesmas em que nasceu e faleceu o grande poeta pernambucana Carlos Pena Filho. Estaria o sr. Malta pensando neste no momento da digitação?

    • A culpa não foi do colunista Pedro Malta, meu caro Francisco Sobreira.

      Foi descuido de Chupicleide, secretária de redação desta gazeta escrota, encarregada de acrescentar as datas nos poemas enviados pelo nosso colunista.

      Ela já levou um tabefe no pé-do-ouvido por conta desse furo.

      Gratíssimo pela correção.

      É um privilégio editar um jornal que tem leitores do seu porte.

      Abraços

  2. A violência está grassando no mundo editorial . Onde está a lei Maria da Penha ? Em vez de tabefe , a pesquisadora teria direito a aumento !. Não sei se corrigiram as datas , pois li a poesia não a informação . Mas em todos os sites consta 12/09/1831 – 25/04/1852. Já Pena Filho segundo a Wiki , 17/05/1929 – 01/07/1960 .

Deixe uma resposta