A PALAVRA DO EDITOR

Uma coisa que me ocorreu e que eu ainda não tinha pensado é a prova definitiva de que os antigos já sabiam que a Terra não é redonda. Eles já definiram que a Terra é um planeta. Se achassem que era redonda tinham chamado ela de redondeta.

Assim é o gato, que não se chama cachorro, porque se chamasse cachorro, latia. Mas o gato mia, o que é prova verdadeira de sua identidade.

Muitas coisas antigas precisavam ser revistas e talvez seja a hora de reassumir as verdadeiras verdades, como a de que a Terra é o centro do Universo, e não o Sol.

Uma pretensa ciência quis derrubar a noção de que somos o centro do universo, dizendo que nós giramos em torno do Sol e não ele em volta de nós.

Mas isso equivaleria a dizer que não estamos parados, o que não pode ser verdade.

Se a Terra se movesse vários fenômenos ocorreriam, como quando estás em um carro em movimento e sentes a velocidade, inclusive o vento nos cabelos, mas aqui nem sempre temos vento, o que levaria à questão: – Afinal, às vezes estamos nos movendo e outras parados?

Basta um pouco de lógica para compreender as coisas, mas as pessoas não querem pensar.

Acompanhe meu raciocínio: – Armas.

Armas matam? Armas odeiam? Armas decidem alguma coisa? Basta pensar um pouco para verificar que não. E isso derruba toda a argumentação de quem é contra as armas. Não devemos ser injustos com as armas, pensem bem nisto.

O raciocínio correto pode ser estendido a todas as coisas, até às leis. Uma das grandes bobagens, por exemplo, é dizer sem pensar que todos são iguais perante a lei.

Seria como, imagine, se a lei fosse uma pessoa e estivesse olhando para ti e também para uma pessoa preta, um loiro, uma mulher e um cara cabeludo, o que ela veria? Gêmeos univitelinos? Preciso dizer mais alguma coisa?

Talvez por isso a filosofia seja para tão poucos, pela preguiça de pensar.

Antes, por exemplo, por pura preguiça se condenava o homossexualismo sem que a própria pessoa se ligasse que estava condenando a si própria, porque é sabido que cada um tem sua porção mulher (ou, se é mulher, sua porção homem). Hoje, felizmente, isso está mudando e as pessoas se aceitam e aceitam o próximo, o que é uma conquista dos comunistas, mas nem por isso deixa de ser boa.

E o comunismo, alguém já se perguntou se é ruim em si ou se é considerado ruim apenas porque o capitalismo o odeia? Pense nisso, objetivamente. Tente entrar na mente de um Stalin, de um Lenine ou mesmo de Marx ou de Lula e sentirás que as ameaças podem ser infantis, ou não. Pense não como um artrópode, mas como um ser que raciocina, não um piolho-de-cobra.

Qual é a forma de um país progredir? São duas: ou as pessoas resolvem trabalhar ou o governo usa suas verbas para a sobrevivência dessas pessoas. Não há uma terceira alternativa, como economizar com a previdência social, muito pelo contrário. A lógica é clara e mostra isso.

Outra coisa a ser motivo de preocupação são as máquinas de votar. Sabendo que elas são apenas máquinas isso já devia apontar para as falhas, porque elas podem fazer qualquer coisa que não seja o que as pessoas desejavam que fosse feita, o que não acontece quando tu mesmo escreves numa cédula. Se tu escreves com o teu sangue, ou com uma caneta bic azul, tua responsabilidade poderá ser cobrada por um exame grafológico, o que é mais do que desejável, pois não poderias dizer para o candidato que votou nele sem ter votado. Por isso pelo menos tinha de ser impresso o voto, certo?

Se o leitor já chegou até aqui estará pensando (se ainda não chegou não será o caso), se não for uma lacraia. Lacraias não pensam, apenas lacram.

34 pensou em “SE A TERRA FOSSE REDONDA

  1. Goiano, eu não vou dizer
    Depois que li o que acho
    Pois, não consegui entender
    E sem entender eu não taxo
    Mas, só sei que a natureza
    Fez em mim uma proeza:
    Me fez cem por cento macho.

    Danado, Goiano, a minha parte feminina é todinha sapatão. E se brincar gosta mais de mulher que muitos homens que eu vejo por aí.

    • Jesus de Ritinha de Miúdo :

      Concordo contigo em gênero (isto é, não-transgênero), número (detesto multidão) e caso (quando não era “véio”, tive muitos – femininos, naturalmente).

      Quando a minha parte feminina ela é feminista fanática (detesto homens, adoro mulheres).

      Quanto aos homens – nunca, jamais sexualmente falando -, tolero em atividades outras em que não posso ter uma mulher mulher ao meu lado.

      Mulher e/ou homem “sou-não-sou” nem pensar, ao não ser que não tentem me impor a sexualidade(?) delxs.

      Aceito-xs como seres humanos (com todos os defeitos e virtudes delxs); convivo, se necessário, com elxs; tenho amigxs verdadeiros – também – assim; trato-xs com todo o carinho; respeito as opções(?) sexuais delxs; mas paro por aí.

      Desde que não me venham querer me impor os comportamentos sexuais delxs, como normalidade.

      Normalidade, ou seja, normal é homem ser macho (sexualmente falando) e mulher ser fêmea (idem), e reprodutivos.

      Isso aparece em cada célula do organismo delxs, se for for feito um exame de DNA, por mais adulterações externas e internas que fizerem, tentando parecer do sexo oposto.

      Defendo, intransigentemente, o direito inerente de serem felizes ao modo delxs.

      O corpo é delxs; que façam com ele o que quiserem!!!

      Porém, não queiram impor-se a mim, assim como eu não me imponho a elxs.

      E, assim, há e haverá perfeita harmonia e concórdia entre nós: elxs sendo elxs, e eu sendo eu, pois.

      RESPEITO É BOM, E TODO MUNDO GOSTA!!!

      .

      • Os homossexuais se impõem aos heterossexuais?
        A mim nunca se impuseram.
        Acho que seria considerado estupro, ou, no mínimo, assédio.
        Tenho a tendência a crer que esse falar em imposição é uma forma projelética da pessoa dizer que se incomoda com a existência de homossexuais, mas Jair Messias Bolsonero ainda não liberou para dizerem isso na lata.

    • Jesus de Ritinha Miúdo, sou seu admirador incondicional e a minha admiração aumenta cada vez que, como agora, vejo teus escritos inspirados, dizendo coisas com inteligência, graça e competência… em versos!
      Falar em versos exige essa dupla ou tripla capacidade – de dizer as coisas com ritmo, rima, acentuação, cadência, e ainda ter o que dizer – porque versejar não é para qualquer um.
      Babei.
      Grande abraço.

  2. Acho que preciso esclarecer algumas coisas a respeito do texto “Se a Terra Fosse Redonda”, porque percebi de leve algumas insinuações que certamente vêm de quem não consegue entender as coisas, talvez, como eu disse no próprio texto, por preguiça ou incapacidade de filosofar, por falta de leitura e de boa instrução. O texto procura fazer as pessoas compreenderem a verdade que existe por trás das coisas, escondida além das palavras no mais fundo do ser, de modo que é preciso ler com a alma, esvaziando a mente.
    Tentem de novo, leiam, releiam, leiam mais uma vez, meditem, porra!
    Sejam o cão e não a pulga!

    • ***
      Acredito que seja um texto hermético o que o torna, para um aspenger, indecifrável.
      E agora esse comentário no meo estilo.
      Você deve ser um gênio.
      Gratidão.
      *

      • Dom Goiano:

        Gostei muito do texto.

        Continue com textos assim, mas não sobre política, que aí tu “cagas fora do penico”.

        Quanto a ti – Saniasin – ao ler o teu comentário, me topo com um tal de “aspenger”.

        Como o JBF é cultura e na base do “morrendo-e-aprendendo”, o burraldo, aqui, que procura – desesperadamente – sair de sua ignorância, se perguntou:

        Que diabo é isso???

        E me fui ao Dr. Google.

        Lá descobri que “aspenger” (por erro de digitação) é “Asperger”, e é uma Sindrome sob a designação “psicopatia autística”, correspondendo a um quadro caracterizado por déficit na sociabilidade, interesses circunscritos, déficit de linguagem e na comunicação (BOWMAN, 1988; SZATAMARI, 1991).

        Não sei se tive um lampejo super-intelectual (o que – para esse burraldo tatuado – seria uma extraordinária e inaudita benção celestial – mas compreendi, entendi e gostei do texto goiânico.

        Quanto ao Goiano ter Síndrome de Asperger, vejamos:

        1º – Déficit de sociabilidade.

        Acredito que não, pois, apesar de, às vezes, há mútuos brucutuísmo, ele procura se aproximar dos demais fubânicos;

        2º – Interesses circunscritos.

        Não há como negar que ele tem orgasmos mentais defendendo os indefensáveis lulopetistas (Luladrão, Dilmula, Ruindade, Amante, Vampiro, et caterva).

        Mas tem e manifesta o precioso DNA poético da família Braga Horta, quando verseja, por exemplo, belezas como esta:

        “MEU CORAÇÃO

        Meu coração é um trino permanente
        De cânticos de amor e de alegria.
        Meu coração é de um pulsar fremente
        Que ao resto do corpo contagia.

        Meu coração é um relógio cuco:
        De momento em momento grita a hora.
        Meu coração é um tambor maluco
        Que sai batendo pelo mundo afora.

        Meu coração é um ser onipotente
        Que pulsa vida, segundo a segundo,
        No vermelho vigor do sangue quente.

        Mas o meu coração fica fraquinho,
        Parece um bobo, um tonto, um vagabundo,
        Quando encontro você na minha frente.”

        3º – Déficit de linguagem e na comunicação.

        Apesar dele “gastar chumbo grosso em carancho (=carcará) magro” – ao defender o indefensável lulopetismo, neste afã inglório, ele demonstra perfeito e excelente domínio da linguagem da”Última flor do Lácio, inculta e bela”.

        A única falha é que – 99,99% dos fubânicos – não concordam com os seus argumentos pró-lulopetismo.

        Porém, não há um déficit em comunicação, já que que comunicação, segundo o dicionário é:

        “ação de transmitir uma mensagem (lulopetista) e, eventualmente, receber outra mensagem como resposta (contra-lulopetista).”

        Última mensagem apelativa:

        Dom Goiano, continue, aqui, a versejar as belezas poéticas que és capaz.

        Se não for assim, vá para os virulentos sites lulopetistas, que lá tu serás elevado à glória de ser intitulado:

        “O Último e Único Defensor Perpétuo do Indefensável – e em Extinção – Lulopetismo e Ideólogo Permanente – e Intransigente – dos Esquerdopatetas Remanescentes.”

        Viu, deu até rima!!!

        • ***
          Adail
          Eu é que já fui considerado como asperger, tanto que demorei a compreender o sarcasmo do texto.
          Estou muito mais sociável, depois de ler e reler Dale Carnegie.
          Mas, como um bom asperger, continuo obcecado por alguns assuntos e sem entender pelo que os demais se abalam tanto.
          Falta-me empatia com o que a maioria considera afetivo.
          Já o Goiano, considero-o um fanfarrão muito inteligente e melífluo.
          E tudo o mais de bom num ser humano, mas nunca terá sido asperger.
          Essa peculiaridade pertence a mim.

        • Meu caro Adail, fizeste um compêndio e ainda me honraste com a lembrança e transcrição de um de meus pobres e raros poemas.
          Gratíssimo!
          Quanto a asperger, garanto que não estou aspergindo nada.
          Veja só: eu, escrever em sites esquerdistas, seria chover no molhado, enquanto aqui é no seco.

  3. Goiano, teu texto parece “Terra em Transe”, que a gente tem de assistir/ler duzentas vezes para entender/compreender a mensagem implícita.

    Segui os conselhos do sábio humorista, fui o “cão e não a pulga!”

    Agora alma está cheia e a mente, serena.

  4. Goiano, aceitei sua sugestão e tentei entrar na mente do Lula mas, confesso, a catinga de merda era tanta, misturado ao cheiro de pinga barata e tava tudo tão embaçado, que desisti. Vou tentar a mente da Dilma.

Deixe uma resposta