PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Essa que passa por aí, senhores,
de olhos castanhos e fidalgo porte,
é a princesa ideal dos meus amores,
a mais franzina pérola do Norte.

Contam que, numa noite de esplendores,
a essa que esmaga o coração mais forte
hinos cantaram e jogaram flores
as estrelas, em mágico transporte.

Acreditais, talvez, ser fantasia!…
Eu vos direi que não… Em certo dia,
quando ela entrou na festival capela,

eu vi a Virgem mergulhada em pranto,
e o Cristo de Marfim fitá-la tanto,
como se fosse apaixonado dela!

Hermeto Lima, Belém do Pará-PA, (1875-1947)

3 pensou em “SANTA – Hermeto Lima

  1. Caríssimo Marcos Cavalcanti,
    Profundamente sensibilizado, agradeço a gentileza do seu bondoso comentário e esclareço que não sou poeta e sim um apaixonado e incansável pesquisador da cultura brasileira, especialmente a nordestina.
    Fraterno abraço, com votos de um excelente domingo.

    • Parto da premissa de que todo apaixonado por poesia, mesmo que pesquisador da nossa rica cultura popular, seja um poeta.
      Já dizia parte de um verso ” ninguém é poeta por saber rimar “, pois a poesia esta, também, no encantamento, na admiração e na simbiose de quem produz e de quem absorve.
      Excelente domingo ao mestre Malta.

Deixe uma resposta