GEORGE MASCENA - SÓ SEI QUE FOI ASSIM

A data era 8 de junho de 1982 e a hora 3 da madrugada. O Aeroporto Pinto Martins em Fortaleza estava cheio de familiares dos passageiros de um voo que vinha de São Paulo com escala no Rio de Janeiro, o tempo passava e nada do avião aterrissar, o clima ficava tenso e só já por volta das 4 horas o som do aeroporto avisou que o avião da Vasp estava desaparecido do radar, as pessoas começaram a se desesperar em busca de informações mais precisas por parte das autoridades aéreas, o clima ficou tenso, até que por volta das 5 da manhã chegou a notícia que eles não queriam ouvir: o Boeing 727-200 da Vasp, prefixo PP-SRK, havia colidido com a Serra da Aratanha em Pacatuba, cidade vizinha a Fortaleza.

Em Pacatuba, ainda era 2 horas e 45 minutos da manhã quando um estrondo acordou a população da pequena cidade, as pessoas foram à rua pra saber o que tinha sido aquilo, ao saberem que tinha ocorrido um acidente aéreo, muitos deles subiram a serra em busca de algo valioso. Às 8 horas da manhã os primeiros membros da FAB chegaram ao pé da serra, um soldado mandou uma mensagem via rádio, “… estamos no local, tudo destruído, não há sobreviventes …”. A primeira equipe iniciou a subida da serra, porém para surpresa encontrou três moradores da cidade já descendo com bens dos ocupantes da aeronave: dinheiro, roupas, joias, carteiras, relógios, até maços de cigarros e um anel ainda com o dedo enganchado estavam no bisaco de caçador usado pelos saqueadores para transportar os bens. A FAB resgatou o que sobrou dos corpos, depois o prefeito de Pacatuba contratou uma equipe da cidade para outra varredura e estes moradores conseguiram localizar mais restos mortais e até 2 corpos reconhecíveis de aeromoças. Na sombra lateral da igreja, na feira da troca, peças de avião viraram ferro-velho ou souvenir da tragédia, a polícia tentou coibir, mas a Vasp informou que não tinha interesse nos destroços.

No ano de 2000, eu, papai, esposas e filhos fomos para Fortaleza passar um final de semana e testar a Ford Deserter XK que Seu Djalma Nogueira, meu pai, havia comprado. Naquele tempo não tinha Trivago nem Booking, a procura por hotel era no Guia 4 Rodas de papel e o dedo no disco do telefone, procurei um hotel confortável, com piscina e um bom custo x beneficio, esqueci de verificar as distancias para os principais atrativos turísticos da capital cearense. Achei a “Pousada das Andreas” (foto) em Pacatuba. Chegamos na 5ª feira na pousada, longe pacaramba das praias, fomos pras piscinas para meus filhos Junior e Camila se divertirem. Depois sai sozinho pela pequena Pacatuba pra conhecer o velho casario bem conservado, ao retornar percebi que tinha um clube em frente ao hotel que eu estava hospedado, e fui lá ver, estava fechado, mas de fora dava pra observar as piscinas com águas naturais, contornadas por uma mata nativa exuberante, no pé da Serra da Aratanha.

Na sexta e sábado, saiamos cedo do hotel rumo a Fortaleza e só voltávamos à noite. No domingo acordei cedo e em frente ao clube estava chegando uma van com um grupo de umas 6 a 8 pessoas, aproveitei a porta aberta e fui ver o clube por dentro e percebi que estava abandonado e que aquele grupo não ia usar as piscinas e sim fazer ecoturismo na Serra e ver o que sobrou do voo Vasp que ali caiu, ainda falei com os guias para ir com o grupo, mas o horário da volta não encaixava com o horário do nosso retorno para Tabira.

Este acidente ainda hoje atrai muitos trilheiros, que querem ver os destroços do Boeing 727-200 da Vasp, espalhados pelo topo da serra. Foi neste acidente que morreu o empresário Edson Queiroz, dono da TV Diario, Diário do Nordeste, Rádio e TV Verdes Mares, Indaiá, Nacional Gás, Esmaltec e Universidade de Fortaleza. Com ele, morreram também outros empresários da área textil que retornavam da Fenit, feira de tecidos que ocorria em São Paulo, no total morreram as 137 pessoas que estavam no voo.

Em 2012, depois de tantos anos, a pequena e pacata Pacatuba voltou a “ficar famosa”, a cidade foi escolhida pelo diretor Halder Gomes para a filmagem do “Cine Rolliúdy” (veja o trailer no vídeo acima), filme de maior sucesso do idioma cearencês, mas legendado em português, com Edmilson Filho no papel principal interpretando Francisgleydisson, Roberto Bomtempo, Fiorella Mattheis (global), Marcio Greyck (… foi você que teve a ideia de querer-me …), Falcão (I’m not dog no), João Neto (Zé Modesto) e outros. O filme trata exatamente do fim do cinema nas pequenas cidades do interior do Brasil e mostra o casario preservado da cidade. Desta vez a igreja ganhou um papel importante, não faz só sombra, é a casa do Padre Mesquita. O Cine Rolliúdy já teve sua 2ª edição e uma série na Rede Globo, mas o filme que não sai da cabeça do pacatubense de mais de 40 anos de idade é o do acidente do voo 168.

Deixe uma resposta