DEU NO JORNAL

Luís Ernesto Lacombe

A repetição cansa. Os erros repetidos cansam. Cansa ter de apontá-los todos os dias. “Quem vai recuperar a economia, se todos estivermos mortos?”, pergunta aquela que se diz “a mulher mais influente do YouTube”. Está na turma que tem dinheiro no banco, que pede comida pelo aplicativo, que acompanha séries em plataformas de streaming… Não sei se adianta pedir a ela que explique por que países que fizeram lockdowns pesados, como Bélgica, Itália, Reino Unido, Portugal, Espanha, Peru e Argentina, estão entre aqueles com mais mortes por milhão. Por que, nos Estados Unidos, a Califórnia, que trancou tudo, está em situação muito pior que a Flórida, que não foi fechada? Então, enfurnados em casa, embaixo da cama, escondidos no armário, não estamos protegidos? Pois é, confinamento não é vacina, não salva e, pior, provoca mortes, muitas mortes.

“Toda vida importa” é o mantra da turma da influenciadora digital. Na economia a gente pensa depois. Esse pessoal acredita cegamente em quem fala em ciência e ignora que existem ciências. É nelas, num plural bem amplo, que encontraremos a única saída para o que estamos enfrentando: as soluções equilibradas. Medidas restritivas pesadas, que há um ano não surtem efeito, são como um remédio que foi receitado de forma errada e, mesmo assim, seu uso vai sendo prolongado, sua dosagem vai sendo aumentada. Até a turma da OMS, de tantas idas e vindas, já bateu o martelo: países em desenvolvimento, países pobres, principalmente, não devem adotar o lockdown.

A influenciadora deve achar mesmo que tem o poder de recuperar a economia, a do país, a dos seus seguidores, as finanças das pessoas mais vulneráveis. Terá também ela o poder de ressuscitar aqueles que, por causa da paralisação econômica, morrerão de fome, sem acesso a remédios? Aqueles que, atirados ao pânico, abandonaram tratamentos médicos, não fizeram exames para detecção precoce de doenças? No ano passado, o número de diagnósticos de câncer caiu 40%! E não foi graças a um avanço médico, um milagre. Há muita gente por aí com câncer que nem sabe da sua condição. Talvez a influenciadora salve essas pessoas e ressuscite aquelas que caíram em depressão e se mataram, as vítimas da violência doméstica. Tomara que ela consiga ajudar também quem não pôde fazer um transplante de órgão, uma cirurgia eletiva.

Alguém que abandona todo mundo que padece diante da derrocada econômica e do pânico não pode falar que toda vida importa. Equilíbrio. Para ter leitos hospitalares, leitos de UTI, não precisamos empurrar tanta gente para a extrema pobreza, para o desamparo. Foi o que ficou muito claro na entrevista que fiz esta semana com o prefeito de Aparecida, Luiz Carlos de Siqueira. Um relato impressionante, dilacerante. A cidade paulista, com 70% de sua população sem renda, passa fome. O prefeito, com lágrimas nos olhos, pede cestas básicas. Ele tem pressa, muita pressa. É devoto de Nossa Senhora Aparecida, sabe muito bem que ele e qualquer influenciador digital não têm o poder de ressuscitar alguém.

21 pensou em “RESSUSCITA-ME!

  1. Não sei a quem o Lacombe se refere como aquela que se diz “a maior influenciadora do Youtube” (seria a Anita?), mas com certeza é alguém que não passa e talvez nunca tenha passado necessidade.

    Aparecida é um exemplo de cidade que sofre. Justamente o local onde foi encontrada a imagem da padroeira do Brasil e é o maior seu centro de fé.

    É emblemático isso. Os ateus dizem “fiquem em casa” e os que creem sofrem com a fome.

    É muito difícil eu falar isso, pois é insensível com os que perderam pessoas queridas (aos quais peço perdão), mas pelo menos a doença chinesa é mais democrática (colocar China e democracia na mesma frase sem antagonizá-las é complicado), pois pega também os ricos.

  2. Excelente artigo de Lacombe. Verdade nua e crua. Como muito bem disse João Francisco, o virus é democrático. Já morreram senadores, deputados, ricos, pobres, paupérrimos, artistas, esportistas, branco, negro, amarelo, mameluco, mulato, índio, LGBT e afins, héteros, empresários, microempresários, soldado, cabo, sargento, tenente, capitão, coronel, general, homens, mulheres, crianças, adolescentes, idoso, jovem, padre, bispo, evangélico, espírita, cristão, muçulmano, budista, ateu, monsenhor, esquerdista, direitista, centrista, cego, aleijado, enfim, tudo que tipo de gente, raça, credo, profissão e ete, etc, etc………

  3. Como eu não vejo esses influenciadores zisquerdóides. Que inclusive são mal resolvidos com questão de gênero. Tanto faz ser “o” ou “a” que influencia as abilolidades advindas de seus cérebros de ervilha. Inclusive, não abro nenhuma sugestão ou recomendação de notícias, vídeos ou que for. Por essas plataformas da internet. As mensagens subliminares, doutrinárias e lobotizadas já estão nelas contidas.

    O que eles fazem muito bem é seguir as ordens que recebem das cabeças de azeitonas da “CAOS”. A organização inimiga do “CONTROLE” da paz do mundo.

    Recebem treinamentos específicos. São “células terroristas”. “Lobos solitários” ou em alcatéias. Com o único objetivo de desgastar o Presidente.
    Vinte e quatro horas por dia implantando “minas” ao longo do caminho do Governo. Ações orquestradas por esses agentes da “CAOS”.
    São idênticos as hienas, que quando cercam sua presa. Lançam-se em ataques estratégicos para cansá-la e depois devorá-la.

    P.S.- O seriado “Get Smart”. Aqui chamado “Agente 86”. Em Portugal era conhecido por “Olho Vivo”. Os “Purtugas” sabem das coisas. Seria este o motivo de terem achado a “Ilha de Vera Cruz?”

  4. Ao que parece, caros comentaristas, é que ao contrário do que pensam Jair Messias Bolsonaroe seus seguidores, o lockdown funciona para conter a transmissão do vírus, ou de vírus, seja o Covid 19, seja qualquer outro.
    Parece isso logico, mas a lógica nem sempre basta em ciência, é preciso comprovação, por métodos e respectivos protocolos.
    No caso do lockdown é preciso ver o que andam dizendo os especialistas e comparar com a realidade: o articulista diz que o lockdown não funcionou em certos países, e o noticiário diz o contrário.
    https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/03/03/evidencias-cientificas-mostram-que-lockdown-funciona-contra-a-covid-19.htm

    Leitura interessante: https://www.scielo.br/pdf/er/n25/n25a06.pdf

    Vale a pena pesquisar e, quem sabe, verificar a devastação de epidemias pelo mundo, inclusive o Brasil, quando as medidas protetoras e as vacinas ainda não eam adotadas ou não existiam.
    Dizer que o afastamento social mata mais (de fome) que o vírus é um argumento que ignora os números de mortes ocorridos em outras epidemias.

    PESTE NEGRA (Bubônica – por bactéria)
    50 milhões de mortos (Europa e Ásia) – 1333 a 1351

    CÓLERA (Bactéria)
    Centenas de milhares de mortos – 1817 a 1824

    TUBERCULOSE (Bactéria)
    1 bilhão de mortos – 1850 a 1950

    VARÍOLA (Vírus)
    300 milhões de mortos – 1896 a 1980

    GRIPE ESPANHOLA (Vírus)
    20 milhões de mortos – 1918 a 1919

    TIFO (Bactéria)
    3 milhões de mortos (Europa Oriental e Rússia) – 1918 a 1922

    FEBRE AMARELA (Vírus)
    30 000 mortos (Etiópia) – 1960 a 1962

    SARAMPO (Vírus)
    6 milhões de mortos por ano – Até 1963

    MALÁRIA Protozoário)
    3 milhões de mortos por ano – Desde 1980

    AIDS (Vírus)
    22 milhões de mortos – Desde 1981

    OBSERVAÇÃO: As formas de contaminação diferem conforme a doença, podendo ser pela alimentação, pelo contato sexual, por uso compartilhado de seringas, pelo ar etc

  5. eu diria para o ianoao inves de ficar excretando como e comum dos esquerdopatas , deveria ao inves de ouvir os çientistas , ver relatorios da propria oms tao falada no inicio da pandemia , do grupo de cientistas suecos , da academia de medicina de helsinque e materias sobre o lockdow e o tratamento precoce , em materia da revista cientifica nature ,,, aesarque tem um colega meu neurologista que afirma que neuronios atrofiados nao se regeneram e portanto nao acredito na melhora dos neuronios do goiano , mesmo que alemda materia se desenhe para ele .passando aqui rapidamente so para matar saudades .. evoltar a terinternete apos confinamento em trabalho no interior do brasil velho de guerra ..

  6. Alberto Santo André! Quanta saudade!
    Ficou muito tempo distante!
    É uma alegria reencontrá-lo por aqui.
    Tenho sentido falta de muitos companheiros que pararam de comentar as matérias do nosso Jornal da Besta Fubana, sendo você um deles.
    Abraço.

Deixe uma resposta