RELEMBRANDO CHURCHIL

Ministro Sergio Moro, ao lado da estátua de Winston Churchil, em Toronto, Canadá

* * *

Acertou no alvo, Claudia!!!

Classificar Che Guevara e Fidel Castro de “pústulas abjetas” é uma cacetada que alegrou o meu final de semana.

Bem no furico dos zisquerdóides descerebrados (desculpe a redundância…).

Churchil é um sujeito que admiro muito pelas suas tiradas geniais e que figura entre os meus ídolos.

Lembrei-me de um diálogo que ele travou com Nancy Astor, primeira mulher eleita para a Câmara dos Comuns:

– Winston, se você fosse meu marido, eu poria veneno no seu café!

E Churchil respondeu sem pestanejar:

– E se eu fosse seu marido, tomaria o café!!!

Fecho a postagem com duas, apenas duas, das muitas frases geniais desse sujeito arretado:

8 pensou em “RELEMBRANDO CHURCHIL

  1. Mas isso era outra época. Lady’s e Lord’s na tribuna, se enfrentando com elegância e inteligência.
    Hoje seria um mimimi infernal, do tipo costumeiro de Dona Rosário. Credo.

  2. Uma que eu acho interessante é “o que eu espero senhores é que depois de um período de discussão, todo mundo concorde comigo”.

  3. “pústulas abjetas”. Decorei, coloquei em meu repertório e usarei muito nas eleições municipais de 2020, sempre que surgir alguém merecedor de tal honraria.

  4. Neste momento, enquanto enfrento o exíguo teclado do iPhone, observo em minha estante os dois volumes de “Memórias da segunda guerra”, de Churchill, as quais lí duas vezes suas mais de mil páginas.

    Pensei em recomendar sua leitura ao herói da esquerda nacional, Lula da Silva, na espqrança de que este se tornasse mais culto e humilde. Mas desisti; afinal o demiurgo de Caetés não sabe o que é humildade e abomina a cultura e, ainda que assim não o fosse, de nada adiantaria minha recomendação pois o apedeuta não sabe ler.

    Deixei pra lá…

  5. Tem uma frase que é boa para os esquerdistas que seguem seu Mestre de todas as formas

    “Os homens tropeçam por vezes na verdade, mas a maior parte torna a levantar-se e continua depressa o seu caminho, como se nada tivesse acontecido”

Deixe uma resposta