GUILHERME FIUZA

Como todos os que acompanham o noticiário já sabem, Renan Calheiros é o novo herói nacional da empatia. As manchetes dominantes não deixam dúvidas: tudo o que se refere à ética humanitária contra os homens maus que querem que todo mundo morra tem Renan Calheiros no meio (do lado do bem). É uma revolução.

A seguir, destacamos os melhores momentos dessa revolução (uma antologia muito trabalhosa, devido à fartura):

1 – Oncologista é esculachada ao vivo porque cartola amazonense não gosta da voz dela (“muito calma”);

2 – Classe médica assiste calada e contemplativa às agressões de várzea perpetradas contra essa oncologista pelo doutor Omar, dublê de dirigente de futebol e inquisidor;

3 – Presidente do Conselho Federal de Medicina repudia violência contra médica e é chamado pela elite intelectual de negacionista;

4 – Médica do Ministério da Saúde que trabalha no atendimento a vítimas da covid é tratada como delinquente;

5 – Médica cantora faz recital com o repertório predileto de Renan Calheiros e é tratada como musa;

6 – A classe médica não vê nada disso porque está num sono profundo que nem os agudos de Randolfe, o senador soprano, interrompem;

7 – Empresário é perseguido e ameaçado como criminoso pelos heróis da çepeí por causa de nada. Ninguém acha estranho. São os novos códigos da revolução;

8 – Wilson Witzel, o rei do covidão, brilha na çepeí e é tratado como um lorde;

9 – Renan Calheiros abandona sessão que discute tratamento precoce — que está sendo estudado em Oxford, mas na çepeí é proibido;

10 – Imprensa isenta e missionária abandona também a sessão e vai “cobrir” a deserção de Calheiros;

11 – Randolfe grita que está proibido falar da Suécia — então está mesmo, porque ninguém vai correr o risco de ser fuzilado pelos seus agudos renitentes;

12 – O senador soprano segue firme esgrimindo o seu parlamentarismo de altas frequências e pedindo a prisão de todo mundo — o que também comove a imprensa democrática e revolucionária;

13 – Depois o divo do Amapá volta ao Leblon para os sofás macios da resistência cenográfica, onde assistirá com seus amigos ricos e generosos, juntos e quentinhos, aos telejornais que transformam a sua irrelevância em bravura;

14 – Depois de dar aos governadores os poderes para a condução do enfrentamento da pandemia e mandar instalar a çepeí para investigar a condução do enfrentamento da pandemia o STF proíbe a convocação de governadores pela çepeí para explicar a condução do enfrentamento da pandemia;

15 – O STF se junta a Renan Calheiros, Wilson Witzel, a médica cantora e grande elenco como os guardiões da verdade, da ética e da beleza;

16 – E o show não para. O presidente do Instituto Butantan também brilha com seu repertório de sonetos científicos capazes de amolecer homens de ferro como Renan Calheiros e Omar Aziz. Mas um talento assim não surge do dia para a noite. Foi muito tempo ensaiando duro na dupla Dimas & Doria e seus panfletos voadores sobre a eficácia parnasiana do loquidau;

17 – Pazuello é transplantado pelos hipnóticos magos da çepeí para o centro do escândalo de saúde amazonense protagonizado pelo grupo político do presidente da çepeí que não está nem aí;

18 – Mandetta dá show e leva Calheiros, Omar e cia. a um deleite comparável ao proporcionado pelo recital contra o terraplanismo da médica-cantora. A grande sensação ficou para o novo visual mascarado de Mandetta — mais conhecido por brilhar sem máscara em aglomeração dentro do Ministério e em mesa de sinuca;

19 – Deputado com respeitável currículo de armações vira justiceiro com denúncia de negociata que empolga geral principalmente por não tocar no covidão estadual;

20 – A CPI do Banestado terminou como uma central de delinquência e abuso de poder. Quase 20 anos depois o país parece viver em Brasília uma sessão nostalgia. Parabéns aos envolvidos, vocês já têm o seu lugar na história.

4 pensou em “REFLEQUISSÕES SOBRE UMA ÇEPEÍ

  1. Renan Canalheiros, Omar Bixaziz, Humcerto Bosta e a Gazela Saltitante, estão esporrando pelo ânus, com esse festival de bizarrices, de canalhices, de pulhices e outras bostices mais. É o que eu falei aqui outro dia, numa outra postagem: dá nojo ver esse festival de horror e saber que ninguém, absolutamente ninguém irá fazer absolutamente nada para parar de uma vez por todas, essa cretinice instaurada a partir da ordem de um ministro bosta da suprema falcatrua federal, o bostazinho por nome de Bostoso. Impressionante o que se faz neste país.
    Ahh!!! Antes que eu me esqueça: eu disse acima que os vagabundos que foram citados estão esporrando pelo ânus?? Desculpem!! Com essa raça desgraçada não dá pra ser educado. Eles estão esporrando é pelo cu, mesmo.

  2. E o Fiuza esqueceu da microbiologista que não é médica e fala sobre a inexistência de tratamento ; do sanitarista , que pelo menos foi honesto em admitir , dizendo que não votou no Bolsonaro e faz militância, da médica , que assumiu a Anístia Internacional ( sugiro que visitem a página dela https://anistia.org.br/ ) , que tem o CRM suspenso e não tem nenhuma especialidade clinica , e que também se coloca contra tratamento precoce.

  3. Em 22/04/2019 o Capitão falou, na famosa reunião que foi filmada e apresentada ao grande público:
    – O sistema de informações… O meu funciona. O meu particular funciona. O que tem oficialmente desinforma. Prefiro não ter informação do que ser desinformado pelo sistema de informação oficial.

    Agora em 2021, referindo-se ao que pode ser o “primeiro” escândalo de corrupção do falecido Governo Bolsonaro, parece que o sistema particular do Capitão não informa mais, ou ele prefere nem saber.
    – Eu recebo de todo mundo. Ele que apresentou. Eu nem sabia da questão, como é que estavam as tratativas da Covaxin. Porque são 22 ministérios. Só o ministério do Rogério Marinho tem mais de 20 mil obras. Do Tarcísio deve ter algumas dezenas, centenas de obras, não tenho como saber. O da Damares, o da Justiça, Educação… Então não tenho como saber o que acontece nos ministérios. Vou na confiança em cima dos ministros. E nada fizemos de errado.

    Ele sabia de tudo, agora não sabe de nada. O que é diferente no Governo Bolsonaro do Governo Lulla? Lulla também não sabia de nada, disse que foi traído.
    O que Bolsonaro falou sobre a operação denunciada pelos irmãos Miranda, é a confissão de incompetência ou de mentiroso. Qualquer das duas hipóteses condena o zumbi Presidente. A partir de agora temos um morto-vivo no Palácio, não manda nem na copeira que serve o café. Está totalmente desmoralizado.
    Melhor já ir preparando as malas. Arruma a mala aê!

Deixe uma resposta