CARLOS IVAN - ENQUANTO ISSO

Eita docinho gostosim da peste. O gosto é saboroso e de quebra contém muitas substâncias nutritivas. A rapadura é uma doçura originária dos Açores, território português, embrenhado em ilhas do Oceano Pacífico. Todavia, o Nordeste brasileiro adotou a fabricação do produto nos primeiros engenhos que surgiram na Região, no século Dezessete.

O nome rapadura deriva da raspagem que os cabocos retiravam do tacho de mel, cozinhado. O tacho é utilizado para ferver o caldo extraído da moagem da cana de açúcar. Fervido o caldo faz-se o doce. A rapadura. No tempo das moagens da cana o nordestino pula de alegria. Vibra com a fartura de rapadura, batida e alfenim.

Fora o Nordeste brasileiro, outros países da América Latina também fabricam a rapadura. No entanto, adotam nomes diferentes. A Colômbia é forte produtora mundial de rapadura, seguida da Venezuela, México, Equador e Guatemala.

No entanto, como é uma das principais culturas do planeta, mais de cem países também cultivam a cana-de-açúcar em seus territórios. A cultura serve inclusive para gerar empregos no meio rural, embora os donos de engenho reclamem dos altos custos de produção e do baixo preço de venda dos derivados da cana. Reclamação mais frequente no Brasil.

Mas, no mundo, os dois maiores produtores são o Brasil e a Índia que, juntos, se responsabilizam pela metade da produção mundial. A diferença entre os países se concentra no modelo de produção agrícola. O Brasil prima em concentrar a cultura nas mãos de grandes produtores, enquanto a Índia se contenta em garantir apenas a participação de poucos produtores.

Entretanto, no solo brasileiro a cana-de-açúcar não chega aos pés da produção de grãos. A maior extensão da área agrícola é reservada para a produção de trigo, arroz, milho e soja. Espalhada por milhares de hectares ao longo do território nacional.

No solo verde e amarelo, embora seja considerada uma cultura temporária, a cana-de-açúcar ocupa a terceira posição em termos de produção, depois da cultura de soja e milho. Entretanto, por causa da variação entre o Norte e o Sul, praticamente a safra no Brasil é durante o ano inteiro.

Depois do aparecimento do Proálcool em 1975, a cana de açúcar vem se expandindo no Brasil, para ceder espaço ao etanol, no consumo de combustível, excepcionalmente após a chegada do veículo flex fuel. O etanol, como se sabe é um biocombustível, renovável, já que não se origina de material fóssil, como o petróleo. No entanto, as estiagens fecharam muitos engenhos no Nordeste.

Com o álcool, a área dedicada à cana-de açúcar tem se expandido. Três detalhes são considerados na questão. A busca pela produtividade, o impacto ambiental e a proibição da queima da cana no campo acontecer numa distância inferior a um quilometro de centros urbanos.

Embora exista tecnologia, o costume da queima permanece praticada no canavial, particularmente no Nordeste. A crítica à queima tem fundamento. Mata a fauna, agride a flora ao redor, polui, degrada o solo, menospreza os melhoramentos genéticos. Um detalhe. No Sudeste, nos estados de São Paulo, Goiás, Minas Gerais e note do Paraná, a mecanização na colheita da cana já atinge 97%.

Sem sombra de dúvidas, a cultura da cana-de-açúcar traz vantagens e desvantagens econômicas. Apesar de valorizar o agronegócio, reduzir a emissão de gases na atmosfera, gerar empregos e renda, ser excelente fonte de energia, mediante a queima do bagaço da planta, oferecer alta competitividade, em função do baixo custo, a cultura da cana-de-açúcar traz inconvenientes.

Exige extensas áreas para o plantio, derruba florestas, causa impacto ambiental, necessita de muita água, invade o espaço que poderia ser dedicada a culturas que exijam menos terrenos e sejam mais produtivas.

Na safra 2019/19, a produção nacional ficou em 620,44 milhões de toneladas, um pouco menor do registrado na safra anterior. A área colhida também foi menor, ficou em 8,59 milhões de hectares. A produção de açúcar bateu em 20,4 milhões de toneladas. Já com relação ao etanol, houve acréscimo. Foram produzidos 33,14 bilhões de litros.

A redução da produção foi causada por alguns fatores. Problemas climáticos, queda de produtividade e devolução de terras arrendadas que aconteceram no Sul. Todavia, este problema parece ser temporário. Um dia, passa.

O Nordeste é a região que mais produz rapadura no Brasil. Compete ao Ceará ostentar o título de maior produtor do melaço nordestino. Uma invenção parece cativar a tradição de rapadura no Nordeste.

Acrescentando outros ingredientes, o consumo de rapadura tem despertado a atenção de turistas que visitam os engenhos para conhecer a centenária cultura. Graças às pesquisas, surgiram algumas variedades da cana de açúcar com alto teor de sacarose e biomassa, o setor sucroalcooleiro pode se beneficiar com a descoberta de maior potencial da planta para gerar açúcar e energia.

Embora seja fruto de um processamento artesanal, o poder de distribuição de renda no país, especialmente no Nordeste, concede à rapadura a indiscutível capacidade de reunir as famílias de pequenos produtores rurais em torno de um ideal. Trabalhar, produzir, garantir alimentação à família e na época escolar, obter renda. Apurar dinheiro para o sustento de casa. Aliás, o açúcar mascavo, subproduto da cana, faz parte da cesta básica.

Afinal, o produto acabado da cana-de-açúcar, enraizado na cultura nordestina, fortalece uma atividade de enorme poderio econômico e social, por reunir inúmeras famílias. Além de garantir ao país o privilégio de ser o responsável por 45% do açúcar consumido no mundo.

2 pensou em “RAPADURA

  1. Interessante Ivan! Meu pai fazia moagem no sertão. Produzia mel, rapadura, e minha mãe ajudava fazendo alfenim e batida. Quando me tia vem do interior pra cá é uma festa. Ela traz de quilos…

  2. Caro Mauricio Assuero você é um felizardo. Teve o privilegio de viver dentro da fase de alegria do nordestino quando chegava o tempo da moagem. Ah tempo bom. Inesquecível.

Deixe uma resposta