COMENTÁRIOS SELECIONADOS

Comentário sobre a postagem NAZISMO: O FILHO QUE A ESQUERDA NÃO ASSUME

Pablo Lopes:

Ao contrário de Lula, o grande leitor, eu li “Memórias da Segunda Guerra” e “O Livro Negro do Comunismo”, mil páginas cada.

Os autores destas obras monumentais, a partir de suas posições tinham amplo embasamento para tratar de comunismo nazismo.

E ambos concordam: são duas formas igualmente detestável de opressão, extermínio e violência.

Acho plenamente dispensável determinar se comunismo e nazismo têm a mesma origem. Basta conhecer a história e não ser hipócrita.

Os mais de cem milhões de mortos produzidos pelo comunismo deveriam impedir seus defensores de abrir a boca para criticar qualquer sinal de simpatia ao nazismo.

Questão de coerência.

* * *

3 pensou em “QUESTÃO DE COERÊNCIA

  1. Comunismo e nazismo têm a mesma origem. Basta conhecer a história e não ser Imbecil.
    “Todos os bens comestíveis dos ucranianos foram confiscados. Quando a comida foi confiscada, os camponeses foram proibidos de procurarem, mesmo em outros lugares, comprar, trocar ou ganhar. Então a fome começou….”

    • Sr. Luis Mezetti:

      Este vídeo da “Soviet Story”, que foi apagado do YouTube – por ordem de alguma “otoridade” canhota, e que, agora, está novamente em exibição, está em

      https://www.youtube.com/watch?v=rKdnylUzlMc&feature=emb_logo

      deve ser exibido em todas as unidades de ensino do Brasil, da mais inicial (que já faça uso do entendimento necessário) à universitária – OBRIGATORIAMENTE!!!

      E, também, sobre ele, devem ser exigidas rodas de debates e de estudos e, finalmente, apresentações de trabalhos escolares – com atribuição de nota, por cada aluno.

      Eu tenho, mais sua cópia em .pdf, baixada de

      http://sumateologica.files.wordpress.com/2009/09/o-livro-negro-do-comunismo-crimes-terror-e-repressao.pdf

      a obra magistral “O LIVRO NEGRO DO COMUNISMO”.

      Os links do vídeo e do livro já distribui para inúmeras pessoas – jovens e adultas.

      Resultado: Foi uma autêntica “revolução” na cabeça delas, ao saber da verdade – escondida e/ou criminosamente deturpada pelas “tias” e “profs” de história, ou melhor, de “estória”, que só querem “fazer a cabeça” de seus alunos, pois nada mais são do que papagaios amestrados a repetir “ad nauseam” a ideologização criminosa recebida (principalmente, na área das humanas!!!) nas universidades infestadas de esquerdopatas e esquerdopatetas – desde os “profs” a alunos.

      E, então, finalmente, a verdade do comunismo foi jogada nas “fuças” deles e delas, sem dó nem piedade, a tal ponto que uma boa maioria dos “estoriadores” viu-se obrigado a pedir transferência para outras escolas de outros municípios, tal o grau de hostilidades que passaram a receber de pais e responsáveis, mais as de seus antigos e ex-alunos indignados com as mentiras deles/delas.

      Quanto ao restinho – que não pôde “se escafeder”, eles/elas “sossegaram o pito” e parece (mas não se pode confiar nessa “gentalha”!!!) que “estão entrando nos eixos”.

      Daí, repito, a importância de quanto mais pessoas assistirem a “Soviet Story” e lerem “O Livro Negro do Comunismo”, melhor será a extirpação desse lixo não-reciclável, infelizmente, ainda uma presença constante a imundiciar o ambiente escolar (público e privado), isto é, as mentes dos protagonistas do sistema educação-ensino (pais, alunos e professores!!!) municipal, estadual e federal.

      E, por isso, ambas obras devem ser obrigatoriamente – pois, são facilmente digitalizadas – constantes da videoteca e da biblioteca de cada entidade de ensino, ao alcance de seus professores (e não “profs” e “tias”!!!) e de seus alunos, como também, de seus pais e/ou responsáveis.

  2. As guerras matam, as revoluções matam, morreu gente na Revolução Francesa, na Primeira Guerra Mundial, na Segunda Grande Guerra, na Guerra do Vietnã, nas guerras e revoluções da África e do Oriente Médio, nas conquistas de Alexandre, nas barbaridades católicas, nas muçulmanas e nas protestantes; o fato de as guerras e a defesa de ideias e de religiões matarem revela que o ser humano é bárbaro, mas não serve para sugerir que não temos, quem quer que seja, o direito de ” abrir a boca para criticar qualquer sinal de simpatia ao nazismo”, Pablo. Creio que não fui capaz de acompanhar a retórica.. Aliás, me parece mais uma construção falaciosa destinada a proibir a esquerda de manifestar-se contra as loucuras da extrema-direita.

Deixe uma resposta