DEU NO JORNAL

Alexandre Garcia

O ex-juiz Sergio Moro divulgou uma nota nesta quarta-feira (24) onde lembra que a sentença que ele proferiu para Lula no caso tríplex foi examinada, revisada e analisada mais de uma vez na primeira, segunda e terceira instâncias da Justiça.

Mas agora a última instância, o Supremo Tribunal Federal, voltou atrás no processo alegando ter “fatos novos”. É bom lembrar que esses fatos novos foram obtidos de maneira ilegal, por meio da ação de hackers.

Além disso, o que é suspeição de juiz? Imagine se qualquer ministro do Supremo precisasse julgar quem o indicou para a cadeira na Corte? Vamos supor que Marco Aurélio tivesse que julgar no STF o ex-presidente Fernando Collor, que também é primo dele; ou Gilmar Mendes tivesse que julgar Fernando Henrique Cardoso, para quem ele trabalhou como advogado-geral da União.

Outros exemplos: Dias Toffoli julgou Lula para quem ele trabalhou como advogado-geral; se Edson Fachin precisasse julgar Dilma, que o indicou e para quem ele fez campanha. Agora mesmo, Ricardo Lewandowski, que foi indicado por Lula, votou a favor de Lula na suspeição de Moro.

O meu avô, que era um juiz ad doc, me ensinou que se a gente tem envolvimento pessoal em algum julgamento, não se deve participar daquele processo, de jeito nenhum.

1 pensou em “QUEM VAI DECLARAR A SUSPEIÇÃO DE MINISTROS DO SUPREMO

  1. aqui no STF, oops, Instituto Lula deve-se votar todo o lacaio que tenha sido indicado pelo larápio ou pela anta, nos assuntos atinentes aos mesmos.

    Caso se abstenham de votar serão punidos pela cúpula do partido.

    Revogam-se as disposições ao contrário.

Deixe uma resposta para Jose Roberto Cancelar resposta