DEU NO JORNAL

O fim do dinheiro farto para ONGs, até sem prestar de contas, coincidiu com acusações de que a Amazônia estava em chamas, apesar de os 2 mil focos de incêndio no Brasil estarem longe dos 7 mil em Angola e 3 mil no Congo, na África.

Duas dezenas de contratos entre ONGs e o Fundo Amazônia, aos quais a coluna teve acesso, são chocantes.

R$11,6 milhões foram pagos a três ONGs (IBAM, IPAM e TNT Brasil), sem prestação de contas ou comprovação de execução dos projetos.

Além da falta de notas fiscais e recibos, o BNDES, sempre leniente na gestão do Fundo, não atestava a efetividade dos projetos contratados.

No cadastro de inadimplentes, a ONG de sigla Ibam levou R$18,8 milhões para “Apoiar o fortalecimento da gestão ambiental” blábláblá.

Apesar de a expertise e estrutura do INPE, a TNT Brasil teve R$16 milhões para “monitorar o desmatamento por imagens de satélite”.

O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia faturou R$ 25 milhões para, basicamente, “ensinar” quem mora na Amazônia a cuidar dela.

* * *

Enquanto as mangueiras do dinheiro público provocavam esse derrame de milhões, o Instituto Ambiental Besta Fubana, que é gerenciado por este Editor e tem como mascote a cachorra Xolinha, não mereceu um tostão sequer do governo federal.

E olhe que todas as manhãs, sem faltar um dia sequer, que rego as plantas do terraço aqui de casa.

Tem alface, coentro e cebolinha com abundância.

É muita injustiça que acontece neste país.

Solta uma verbinha aqui pra eu, Capitão!!!!

Xolinha, de tabaca arrombada, aguardando ansiosamente uma verbinha qualquer igual às recebidas pelas ONGs ambientalistas zisquerdóides

Deixe uma resposta