QUARENTENA E ISOLAMENTO SOCIAL

Supõe-se que o nome quarentena começou a ser utilizada no ano de 1127, em Veneza, por conta de casos de hanseníase e, séculos depois, face a devastadora peste negra/ bubônica, que dizimou aproximadamente 200 milhões de pessoas na Eurásia.

A Quarentena, em sí, é um período de isolamento e restrição de movimentação de pessoas que foram ou podem potencialmente ficarem expostas a uma doença contagiosa. O objetivo é, nesse período, observar se eles apresentam alguns sintomas, para então se procurar reduzir o risco de infectar outras pessoas.

Numa definição mais generalizada, é a reclusão de indivíduos ou animais sadios pelo período máximo de incubação de determinada enfermidade, contado a partir da data do último contato com um caso clínico ou portador, ou da data em que esse indivíduo sadio abandonou o local em que se encontrava a fonte de infecção.

Já, pelos termos da Portaria nº 356/3020 do Ministério da Saúde, a Quarentena tem como objetivo garantir a manutenção dos serviços de saúde em local certo ou determinado.

ISOLAMENTO

Nessa mesma Portaria, o isolamento se faz necessário para separar pessoas sintomáticas ou assintomáticas, em investigação clínica e laboratorial, de maneira a evitar a propagação da infecção e transmissão. Aconselhando o isolamento em ambiente domiciliar, podendo ser feito em hospitais públicos ou privados. E este isolamento tem um prazo de 14 dias – tempo em que o vírus leva para se manifestar no corpo – podendo ser estendido, dependendo do resultado dos exames laboratoriais.

A medida é um ato administrativo, estabelecido pelas secretarias de Saúde dos estados e municípios ou do ministro da Saúde e quem determina o tempo são essas autoridades. “A medida é adotada pelo prazo de até 40 dias, podendo se estender pelo tempo necessário”, diz o documento.

DIVAGAÇÕES DA QUARENTENA

Inexoravelmente, as redes sociais foram alçadas a patamares supremos da salvação, minimizando e quebrando as enzimas do indigerível e imperioso isolamento.

Amigos e “amigos” que, antes do isolamento/quarentena ofertado pela pandemia, não começavam nenhum tema ou bate-papo sem uma queixa ou crítica ácida a vida agitada e desgastante em que levam.

Fantasiavam almejando “passar umas férias em casa” por menor período que fosse. Uma semana, uma quinzena ou um mês. Botar em dias e colocar em prática suas eternas prioridades que, por “falta” de tempo, nunca pode fazer. Meditação, relaxar, dormir… sem ter hora; ter mais contato com esposa, filhos e netos; tornar a ler ou reler livros cujos textos, foram interrompidos por anos à fio… Pois, não dispunha de tempo!

Chegara o grande momento de rever filmes e seriados imperdíveis que a falta de tempo lhes roubou. E logo agora, com a comodidade de ter como aliada as provedoras globais de filmes e seriados, ex: Netflix, era chegada a hora da desforra e do deleite.

Mas, como disse o poetinha, “De repente, não mais que de repente”, em plena quarentena, eis que, com mais força, os referidos amigos estão em voltas com lamúrias e queixas das mais diversas. Insônias, intermináveis barulhos das crianças, blá-blá-blá da esposa, etc.. Dos 15 livros separados e almejados, lera apenas algumas linhas soltas de uns três. Sequer cumpriu a promessa de ler mais 30 páginas de Os Irmãos Karamazov – de Fiodor Dostoievski. Percebeu que os filmes e seriados ofertados são repetitivos, intragáveis e bobos. E para aumentar seu desespero, sentiu que se passaram apenas pouco mais de 12 dias, e o isolamento/quarentena, não tem prazo determinado.

E agora? Como proceder e encarar esta novíssima realidade, se as suas preces pelo regalo do oásis doméstico foram atendidas com toda sua plenitude.
Lembrou do “Pedis e obtereis!!!” Esse é seu dilema.

Resignados encontraram alento, mesmo que metafórico, alegórico… que lhe trouxe novo ânimo. Naquelas poucas linhas de cada livro ou enciclopédia que preguiçosamente leu, encontrou sentidos místicos e bíblicos do significado da quarentena.

• Leu que a Arca de Noé media 40 metros de altura.
• Foram 40 dias de chuva no Dilúvio
• Aos 40 anos Moisés feriu um homem egípcio e teve de fugir.
• 40 anos mais tarde foi conduzido a ir libertar seus povo da escravidão egípcia.
• Recolheu-se no monte por 40 dias e 40 noites.
• Peregrinou com o povo israelita pelo deserto por 40 anos.
• Elias, o profeta, esteve por 40 dias na montanha.
• Jejum de 40 dias antes de Jesus iniciar seu ministério
• Segundo a crença, 40 gerações entre Abraão e Jesus Cristo
• 40 dias entre a ressurreição e a ascensão de Jesus
• Jesus, antes de iniciar seu ministério, jejuou por 40 dias e 40 noites.
• Após sua ressurreição, ele ficou 40 dias com seus discípulos.
• Os espiões terem estado em Canaã por 40 dias.
• Terem sido dados 40 dias a cidade de Nínive para se arrepender, quando Deus mandou o israelita Jonas pregar em Nínive.
• O Isaque só ter se casado com a Rebeca aos 40 anos…
• Ao dar à luz, a mãe ficava impura por 40 dias.
• Eratóstenes ter calculado, há quase 3 mil anos, com um simples pedaço de pau, que o diâmetro do Planeta Terra seria de 40 mil km.

Reflexivo com tanto significado, matutou sobre a máxima popular do por que a vida só começar aos 40. Ponderando que aquela idade, está diretamente relacionada ao chamado divino que Moisés, Maomé e o próprio Buda receberam com a idade de 40 anos. E, segundo relato histórico islâmico, foi aos 40 anos que Maomé, também, recebeu seu convite divino durante seu retiro espiritual. Ainda no Islã, um memorial é realizado 40 dias após a morte de uma pessoa.

Verificou-se que, em algumas tribos americanas, pratica-se o ritual de enterrarem seus mortos novamente, após 40 dias do primeiro sepultamento.

Presumiu que, após esse insulamento compulsório físico e espiritual, suas preces serão menos pretenciosas e mais simples. Se direcionarão aos mais necessitados da alma.

Prenhe de estoicismo, nem se apercebera que havia rezado 40 vezes.

17 pensou em “QUARENTENA E ISOLAMENTO SOCIAL

  1. nesta pandemia , ha calculos que sem a vacina e com quarentenas reprogramads , ela durara ate hum ano. tendo menor incidencia nos paises quentes , e maior incidencia noa paises frios , mas que portanto sem a vacina alguem ira pegar este virus que paree tersido mutato , mas nao se observaram mutaçoes com as latitudes nde se propagou .

    • Verdade Sr. Alberto. Há relatos oficiais de que o virus sofreu diversas mutações por aqui tendo, inclusive, caracteristicas próprias bem diferente da chinesa e da européia.

  2. eis algo que me mandram atraves do watts eachei interesante este texto ,DIZ ASSIM , … DIDICEL E ADMINISTRAR UM REINO , ONDE UMA PARTE TEM MEDO DA MORTE, OUTRA TEM MEDO DA FOME.. E UMA TERCEIRA QUER COLOCAR FOGO NO CASTELO …..SO ESPERO QUE AO FINALDE TODA ESTA CRISE, OS QUE ESTAO COM MEDO DA MORTE , E OS QUE ESTAO COM MEDO DA FOME , SE UNAM CONTRA OS QUE QUEREM ATEAR FOGO AO CASTELO …. autor desconhecido

    • Concordo com o autor desconohecido, Sr. Alberto. A mídia martela diariamente com tanta intensidade a demonização dos que estão tentando recuperar o pais da situação de terra arrasada em que encontraram, que outrora apoiadores ou peudos, estão aplaudindo as críticas e siduzidos pela esquerda que trabalha para tudo dar errado.

  3. Maravilha de texto Marcos. Sua crônica explica muito e me remete a muitas anormalidades que ocorrem no decorrer da vida social. Essa calamidade TAMBÉM COMO A SOCIEDADE DESPREZA A SAÚDE PÚBLICA E NÃO COBRA MELHORAS AO GOVERNANTE.

    • Também vejo desta forma. Sr Sergio Almeida. Crei haverá mudanças significativas no modo de agir e pensar dos governos e da sociedade, após a passagem deste tenebroso inverno em que mergulhamos.

  4. Emerson Forte de Andrade .
    Meu amigo, quão bom seria se pudéssemos entender a oportunidade de ver e rever nossa quarentena de sequidão de empatia e solidariedade. E aproveitar para sermos mais humanos com os mais próximos.

    • Obrigado, Miel. Estamos no mesmo barco e em plena simbiose fraterna. 3 fortes abraços à moda da casa, confrade.

  5. Obrigado, Kleber. Diga ai em Portugal a Henrique e Irapuan, para ficarem bem informados, lendo diariamento o Jornal da Besta Fubana. É viciante.
    Se cuide. cabra da peste. Forte abraço!

  6. Excelente matéria, indo desde o início da história sobre a quarentena até a atual Pandemia do COVID-19. Matéria muito informativa. Parabéns.👏👏👏

  7. Muito importante observar além dos fatos. A necessidade de buscar a essência das circunstâncias é indene à sabedoria humana. Achei muito pertinente a maneira leve e elucidativa que colocaste a quarentena como teor dos agoras. O termo “isolamento social” tem lá suas divergências entre o ideal e o real, a começar pela aproximação que trouxe às pessoas, ou seja, de afastamento social não tem nada! É um isolamento presencial, tal qual tantas vezes em tantas épocas fora necessário. Jesus teve sua quarentena para jejuar no deserto, quem surgiu para tentar afastá-lo de seu propósito foi o senhor da mentira. Que possamos ser vigilantes e mantermo-nos sãos e cientes da importância dessa quarentena para a nossa geração e para as futuras. Meus parabéns! Aguardo os próximos escritos para dialogarmos. Abraço!

  8. Obrigado pelas sábias colocações, Cenira. Enriqueceu, sobremaneira, o modesto texto de interação social nesse critico momento em que passamos. Namastê!

Deixe uma resposta