DEU NO JORNAL

O Programa Nacional de Imunizações produziu uma ótima notícia: o Brasil atingiu e manteve entre segunda e sexta, a meta prometida pelo ministro Marcelo Queiroga (Saúde) de aplicar um milhão de doses contra Covid-19 por dia na população.

Somente Estados Unidos, China e Índia conseguiram chegar a essa marca.

Grande produtor de vacinas, o Reino Unido não chegou ao patamar que o Brasil superou semana passada.

Em cinco dias, incluindo feriado, o Brasil aplicou exatas 5.276.676 doses, mais da metade de segundas doses, que deixam a pessoa imunizada.

Nos primeiros 23 dias do mês, incluindo feriados e os finais de semana, o Brasil aplicou 18.333.710 doses.

Os dados são do site vacinabrasil.org.

* * *

Estes números são surpreendentes.

Mais surpreendente ainda é o silêncio ensurdecedor da mídia funerária sobre este fato.

Não sai no Jornal Nacional de jeito nenhum!!!

Vocês saberiam explicar qual a razão deste comportamento da chamada “grande imprensa”?

19 pensou em “QUAL A RAZÃO DO SILÊNCIO?

  1. O silêncio da grande mídia tem a ver com o total descrédito que ela tem junto à população e ao ódio que ela tem aos conservadores cristãos de direita, que no atual momento são representados por Bolsonaro.

  2. Caro João: a “grande mídia” tem, diariamente mostrado os números da vacinação. Eu, por exemplo, acompanho. Temos toda a capacidade de vacinação, o SUS tem a melhor experiência mundial em vacinação em massa. O problema é a falta de vacinas.

    Mas o contraste, vejam só, é a Índia, maior produtor mundial de vacinas, está vivendo momentos pavorosos com número de infectados e mortes evoluindo em ritmo galopante. Mas lá não existe SUS.

    E lá há toda a cultura de aglomerações (milhões de pessoas reunidas) que faz com que o contágio seja avassalador.

    Vamos buscar vacinas e vacinar rapidamente a maioria da população brasileira. Tudo isto está na mídia, prezado João. Acompanhe Estadão, Veja, Folha, G1, etc para ver.

    Exemplo de hoje: https://veja.abril.com.br/saude/os-numeros-da-vacinacao-contra-a-covid-19-no-brasil/

    Abraços

  3. Caro Hipólito, v. é parente do John Doe, que já frequentou este espaço?

    Não estão faltando vacinas nos estados, tanto é que há mais de 20 milhões de vacinas disponibilizadas do que as efetivamente aplicadas. Evidente que seria bom que todos os brasileiros já estivessem vacinados duas vezes.

    Você fala que comprar vacinas contra a gripe chinesa é simples, basta ir ali na esquina e tudo ok. Não é assim.

    A mídia que v. mencionou não fala que o Brasil é o 4º país em número de vacinação e que passou o UK que foi o 1º a vacinar e fabrica a vacina. Também não fala que os EUA não estão mais aplicando a vacina da Johnsons, por problemas com ela.

    Não, a Índia não tem cultura de aglomeração, é falta de espaço mesmo, algo muito diferente.

    Abraços para o John Doe.

    • Caro,

      Primeiro leio o JBF há algum tempo e nunca me manifestei porque achei muitas trocas de comentários em termos grosseiros, o que é absolutamente desnecessário. De uns tempos para cá o tom passou a ser mais civilizado, sem ofensas ou palavrões e resolvi comentar alguns artigos e posts. Como sou apenas um observador, tenho tido, como você pode atestar, comentários prós e contra, o que é direito de todo leitor. Se o tom voltar ao que era no passado, voltarei ao silêncio.

      Agora vamos lá: hoje, o próprio ministro da saude Queiroga (que, elogiavelmente e heróicamente está tentando desfazer os estragos do Pazzuelo) declarou publicamente hoje (eu assisti) que haverá, nos próximos dias uma redução das vacinas, devido ao atraso na entrega do IFA da coronavac e atrasos da fiocruz. Muitos estados comprometeram as reservas para aplicação da segunda dose, (aumentando o número de vacinados em primeira dose) e agora não estão conseguindo aplicar todas as segundas doses como previsto. Se você me perguntar qual o efeito disso, se a demora na segunda dose compromete os vacinados com apenas a primeira) , não saberei responder.

      O que tenho certeza é que se o governo tivesse feito em 2020 o que os EUA e UK fizeram (compraram vacinas apostando em sua aprovação), teríamos hoje cerca de 50% da nossa população vacinada, com os reflexos importantíssimos na retomada da economia. Ao invés, mandou o Pazzuelo rasgar o acordo com o Butantan e desdenhou a Pfizer, não agilizou a Sputnik.

      Segundo eu nunca disse que o problema da gripe chinesa é simples. O que eu li, ví e ouvi foi o presidente dizer “era uma gripezinha”, “tomar esta vacina pode te transformar em jacaré”, “deixa de mimimi” e (esta foi en dezembro de 2020) “a pandemia está no finzinho. Claro que ele se referia à primeira onda e daí veio a segunda.

      Terceiro, o Reino Unido tem apenas uns 40 milhões de habitantes. O Brasil tem 230. Já temos mais de 23 milhóes de vacinados e isto ainda é muito pouco. Mas vamos progredindo.

      Quarto, a Índia tem um forte conceito de aglomerações no Rio Ganges, e Peregrinações com milhões de participantes. Certamente isto contribuiu para o aumento dos casos. Teríamos o mesmo risco se em 2020 o Círio de Nazaré ou a festa de N.S. Aparecida tivessem sido aurorizados.

      Por último: John Doe? Quem?

      Abraços

      • Hipólito, v. não conhece o John Doe? Muito bom, era meio como v., nem contra nem a favor, muito pelo contrário, um observador em cima do muro. Quando a coisa apertava aqui, mudava de nome.

        O Reino Unido tem 66 milhões de habitantes (não 40) e produz a própria vacina, o que faz muita diferença na hora de vacinar. Aqui não produzimos.

        A vacina da Pfizer é produzida nos EUA, junto com a da Jansen e Moderna. Os EUA não deixam sair nenhuma delas de lá enquanto sua população não for vacinada.

        A Sputinik V da Rússia ainda não foi aprovada pela Anvisa, por falta de dados. Eu não dou crédito a drogs produzidas na Rússia, o país do doping oficial.

        Não, v. nunca ouviu JB dizer que a Covid seria uma gripezinha para todos (foi o Dr. Dráusio). Ele disse que se ELE (JB) pegasse não passaria de uma gripezinha e acertou. Portanto tudo o que v. colocou na conta dele são falácias distorcidas (como a história do jacaré). Estelionatos intelectuais.

        É evidente que, como Não Produzimos Vacinas (repeti mil vezes) ficamos, como o resto do mundo nas mãos de quem produz. A Índia deve estar priorizando seu povo.

        Mas tem uma boa notícia, aqui em Ribeirão Preto até o final do ano já estaremos com uma vacina 100% nacional, financiada pelo Governo Federal. O Dória? É um farsante.

        De onde v. é, Hipólito e o que faz da vida? Veja bem, não quero saber nome completo ou endereço, longe disso.

        • Prezado, vamos por partes:

          66 ou 40 milhões não alteram o que eu disse. Aliás as Ilhas Seychelles já vacinaram 65% da população (500 mil?)

          Os EUA não deixam HOJE. Se o governo tivesse feito uma compra antecipada, oa EUA não poderiam ter bloqueado. Aliás, eles já têm vacinas em estoque para imunizar mais do que a população, tanto que estão (notícia de hoje) pensando em doar as remanescentes (não disseram se o Brasil seria um dos destinatárioa).

          A vacina Sputnik já está aprovadea por agências dentro do que reza a lei emitida por Bolsonaro no ano passado. Não emito juizo de valor sobre qualquer tipo de vacina, dada a minha ignorância técnica no assunto. Apenas reproduzo e comento conforma meus sentimentos a respeito.

          Quanto à vacina de Ribeirão Preto, temos dois problemas: não há uma fábrica para produzí-la e o orçamento do Min Ciência foi duramente cortado (O ministro falou – e eu assistí – em “estragos”). Portanto não sai nem em, digamos, 2 anos. A fábrica do Butantan começa a produzrir a Coronavac em outubro e o Butantan já está em fase de testes (sem precisar de recursos governamentais) de uma segunda vacina, criado com tecnologia americana.

          Só estamos no “resto do mundo” porque não produzimos o IFA. Mas a futura fábrica do Butantan que contará com a transferência de tecnologia, certamente produzirá o insumo.

          Quanto ao JB não ter dito que a pandemia era uma “gripezinha”, há inúmeros relatos, não fui eu que inventei. E o Dráusi realmente também falou isso, mas depois confessou ter errado e estava arrependido. As declarações do presidente são públicas e, obviamente, gravadas e publicadas na mídia – afinal ele é o presidente.

          Finalmente, quem eu sou não interessa, quero que comente apenas o que eu escrevo, sem se importar se sou moreno, ruivo, se tenho 1,85 m de altura, se gosto de novelas etc…

          O que você citou sobre o tal Doe não é um problema meu. Por favor atenha-se ao que posto. Como disse, sou um observador comum e tenho opiniões pró e contra. Veja meus comentários recentes aqui no JBF. De qualquer maneira, você pode contestá-los. É a regra democrática do contraditório, eu não devo, não posso, nem quero que todos concordem comigo.

          No mais, abraço

          • Hipólito, fica assim, não atribua nada do que falam que Bolsonaro disse sem antes analisar se foi realmente o que ele disse, o que ele quis dizer e o contexto, senão estarás reproduzindo falácias dos que são somente contra e nunca a favor.

            Quanto à vacinação, estamos bem, como disse Cláudio Humberto no texto que abre esta coluna e a grande imprensa tenta mostrar o contrário por interesses outros que não o da Verdade.

            Quanto ao local que mora e função, guarde para si, se acha tão importante assim, aqui é democracia e não verás um espaço igual a este em toda a internet.

            Até

  4. Fubânico comentarista Hipólito

    Recorro a seu comentário endereçado a meu irmão camarada João: De uns tempos para cá o tom passou a ser mais civilizado, sem ofensas ou palavrões e resolvi comentar alguns artigos e posts.

    Que ASSIM PERMANEÇAS, señor Hipolito (quando no Exército conheci um coronel e um sargento que ostentavam tal nome de guerra).

    Devo recordar que Berto não faz moderação dos comentários, o que permite duelos verbais ao gosto e ao desgosto de alguns.

    Creio ser SANCHO o único que bate insistentemente na tecla de que MUITOS acessam o JBF e só uma meia dúzia mergulha na área de comentários, exercendo o livre e maravilhoso direito de “fazer ouvir sua voz”, externar suas ideias, defender sua posição, marcar território, dizer o que pensa.

    Recordo com saudade a santista Sonia Regina, a Artemísia que Artemísia não era) e a Tia do Zap que nos abandonaram e deixaram muita saudade.

    Por onde andará John Francisco Artemísia Doe? Só Berto o sabe…

    Uma ótima semana a todos…

    • Para melhor me explicar recorro a Frédéric Louis Sauser: Viver é preparar-se para escrever e escrever é vomitar toda a alegria e toda a náusea da vida. Mas esse vómito tem de ser efectuado com o mesmo prazer e a mesma dor de quem come ou fornica: até à exaustão.”Introdução” (1974) a Blaise Cendrars (Frédéric Louis Sauser), A Poesia em Viagem

    • Grande Sancho, acho que não foi só eu que notou uma certa semelhança na escrita do Hipólito com outros nomes que passaram por aqui.

      Como eu já disse lá atrás, não acho ruim não, o espaço é democrático, cada um põe o nome que quiser, apenas o Berto, e só ele tem que saber o endereço eletrônico de quem escreve e este tem que ser válido.

      É meio chato uma pessoa escrever e depois que enjoa, mudar o nome, mas manter o mesmo DNA da escrita.

      Abração, amigo.

      • Caríssimo João,
        Sempre um prazer trocar figurinhas com vossa pessoa, com a qual partilho o conservadorismo e o bom debate (embate, combate e camaradagem).
        Não sei se vais concordar com Alice Ruiz: “Ribeirão Preto onde se ouve cheiro de vagalumes”.

        Abração sanchiano.

  5. Prezado San cho

    Realmente deve ser grande o número dos que acessam o site (eu mesmo já o recomendei para alguns) e não falam nada, com receio de entrar numa guerra santa de palavras ou palavrões, que nada acrescentam ao debate.

    Quanto à Ribeirão Preto, se não me engano, era famoso por um bar (Pinguim? acho) que servia segundo lí um chope estupendo.

    Acho uma pena que a vacina de Ribeirão esteja enfrentando tantas dificuldades, seria mais uma a ser oferecida a nós. Falo isto porque acho bom termos uma multiplicidade de vacinas, porque, no mínimo, deveremos ter necesssissidade de pelo mais um programa de vacinação em 2022 para termos certeza de que dominamos o vírus.

    Só não entendi a citação do Sauser (de repente tolhido por minha própria limitação literária):. Perdoe-me, se tenho que viver com esta limitação. Gostaria de ser intelectualmente tão dotado quanto alguns colegas por aqui. Mas sempre aprendo com eles.

    Beleza a mudança de tom. Isto estimulará certamente a participação de muitos leitores.

    Abraços

    • Escreves: Beleza a mudança de tom. Isto estimulará certamente a participação de muitos leitores.

      Estou desde 2013 por este sítio e, com raras exceções, e por muito pouco tempo, o tom subiu algumas escalas, mas (diferencial mas), aqui neste JBF os contrários quase sempre se respeitaram.

      Quanto a Blaise Cendrars é um dos meus favoritos e o texto por mim destacado é quase um apelo para que mais leitores venham para o debate, pois são tantos os cronistas e comentaristas de altíssimo gabarito que batem ponto nesta gazeta, sendo triste ver crônicas, poesias, textos sobre diversos temas sem um mísero leitor a parabenizar o cronista ou até mesmo o esculhambar. Quem escreve,na maioria das vezes, é um narcisista crônico e quer interagir com os mais de dez mil leitores que passam diariamente por este espaço.

      “SEJA QUENTE OU SEJA FRIO. NÃO SEJA MORNO, SENÃO TE VOMITO” (APOCALIPSE 3:16)

      • Pois é, não frequento o site há tanto tempo assim, mas bem recentemente ví debates repletos de palavrões, linguagem chula de ambas as partes, que nem merecem ser taxados de comentários.

        Mas não acho que a maioria dos comentaristas sejam narcisistas crônicos. Devo respeitar a vontade de um leitor em somente comentar assuntos de seu interesse, desde que seja em tom civilizado.

        Eu, por exemplo, não comento poesias ou repentes ou mesmo crônicas de época, o que não significa que os ignore ou aprecie. Eu diria que fico num silêncio respeitoso.

        E se você é (o que acho) o meu przado Sancho, saiba que lí muitos de seus escritos sem comentá-los, mas sempre apreciando a sua verve e extensão de conhecimentos..

        Abraço

        • Aliás te acompanho no Apocalipse (ouso, porque leio diariamente trechos da Bíblia – mas não a conheço em profundidade)

          Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo.

          Apocalipse 3:20

          Ou seja, se você ouvir os meus comentários e abrir uma porta de comunicação, conversarei (debaterei) consigo com muito prazer.

          Abraço

  6. Prezados amigos,
    Todas as vezes que fazem referência ao triste episódio de troca de impropérios no qual me vi envolvido involuntariamente em épocas pretéritas, fazem-me sentir uma profunda vergonha por ter consentido em me rebaixar ao nível de cloaca daquele com quem fui forçado a dedicar alguns comentários infelizes.
    Como diz um grande e sábio amigo meu: “A imbecilidade é invencível!
    Infelizmente, não me recordei desta sábia lição à época, mormente quando fui alvo de grosserias de um nível inaudito no nosso querido JBF.
    São águas passadas e, como tal, servem de lição aprendida.
    Grande abraço a todos.

    • Excelente Adônis. Tenho certeza que seus comentários terão o mesmo nível inigualável de seus artigos. Talvez não concorde com alguma parte, mas sempre reconhecendo seu talento.

      Abraços

    • Grande Adônis, quem nunca fez algo e depois disse: “não deveria ter chegado até aí”.

      O bom é ver que há o arrependimento e tocar a vida para frente.

      Você é grande demais para ter sua vida manchada por isso.

      Venha mais a este espaço de troca de ideias. Suas colunas são imperdíveis.

      Teremos debates intensos neste e no próximo ano.

Deixe uma resposta