PEDRO MALTA - A HORA DA POESIA

Primavera gentil dos meus amores,
Arca cerúlea de ilusões etéreas,
Chova-te o Céu cintilações sidéreas
E a terra chova no teu seio flores!

Esplende, Primavera, os teus fulgores,
Na auréola azul, dos dias teus risonhos,
Tu que sorveste o fel das minhas dores
E me trouxeste o néctar dos teus sonhos!

Cedo virá, porém, o triste outono,
Os dias voltarão a ser tristonhos
E tu hás de dormir o eterno sono,

Num sepulcro de rosas e de flores,
Arca sagrada de cerúleos sonhos,
Primavera gentil dos meus amores!

Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos, Cruz do Espírito Santo, Paraíba (1884-1914)

2 pensou em “PRIMAVERA – Augusto dos Anjos

  1. É bem o seu estilo .Foi um homem que retratou a tristeza com poesia , que cabe bem até quando não se tem alegria. Também fazem falta aqui outros poetas como :
    Francisco Itaerço e o Anderson Horta que tinham coluna aqui .

Deixe uma resposta