PRESSÁGIOS

Tenho vagado pelo mundo, errante
como voa sem rumo a ave ferida.
Tenho sido na vida o caminhante
que mal se aquece ao sol de uma guarida.

E andando assim tão só, mísero andante,
sem luz de amor, a fronte erma e descrida,
nem teve o meu desejo delirante
a paz ao menos da letal jazida.

Presa de fundas mágoas sem remédio,
arrasto-me por íntimos desertos,
entre as dunas tristíssimas do tédio.

E à noite, em meio a espasmos de agonia,
pareço ver, nos céus negros e incertos,
vagas visões de um derradeiro dia.

Deixe uma resposta