CÍCERO TAVARES - CRÔNICA E COMENTÁRIOS

Texto escrito com a colaboração do estudioso de filmes de faroeste D.Matt.

Clint Eastwood em cena magna de “Um Punhado de Dólares”

Nasce uma lenda: “Por um Punhado de Dólares”. (Per um Pugno di Dollari) – Itália – Espanha – Alemanha Ocidental – (1964). Um sangrento e cruel conto de fadas adulto.

Primeiro filme da Magna Trilogia dos Dólares ou Trilogia do Homem Sem Nome, estrelada por Clint Eastwood (o pistoleiro solitário), no papel principal, filmado na Itália, na Espanha e na Alemanha Ocidental. Dirigido pelo genial diretor italiano Sergio Leone.

Nesse primeiro filme da série, todos os atores, técnicos e diretores estão com os nomes americanizados. O diretor Sergio Leone consta como sendo Bob Robertson. A trilha sonora ficou a cargo do genial maestro Ennio Morricone, que usa a sensibilidade musical para marcar presença. Nos créditos do filme seu nome aparece como Leo Nichols. Cacoetes da época.

“Por um Punhado de Dólares” provoca uma forte impressão no telespectador. Dirigido com precisão, porém sem o rigoroso estalão empregado em Três Homens em Conflito (1966) ou Por Uns Dólares a Mais (1965), Por Um Punhado de Dólares é uma espécie de crônica impiedosa que nos deixa em estado de atenção durante toda sua projeção e termina por nos fazer sorrir com amargura para a tela. A história é simples, transportada quase que de maneira integral do filme “Yojimbo – O Guarda-Costas”, de Akira Kurosawa. No caso específico desse início da Trilogia dos Dólares, temos um pistoleiro solitário e sem nome (Clint Eastwood), que chega a uma pequena vila na fronteira dos Estados Unidos com o México, um lugar dominado por duas famílias de bandidos e contrabandistas, os Baxters e os Rojos.

Apesar de não constar na apresentação, o filme cujo roteiro dispensa comentário, foi escrito por várias mãos, como sendo Sergio Leone, Andrés Catena, Jamie Comas Gil, Fernando Di Leo, Duccio Tessari, Tonino Valerii, com versão inglesa de Mark Lowell e Clint Eastwood.

Isso não desmerece em nada o filme, pois o roteiro original e a cópia italiana são perfeitos, com muita ação e belamente interpretados. A versão italiana é colorida. Quanto à versão japonesa é em preto e branco. A versão japonesa é considerada um clássico. Mas o filme “Por um Punhado de Dólares” tem uma interpretação muito convincente do ator Clint Eastwood, que foi dirigido magistralmente pelo diretor Sergio Leone, que desde este seu primeiro filme como spagheti western, demonstra a que veio e nos dá uma aula de como dirigir um filme com segurança e genialidade, isso com pouco recurso.

A História tem muito suspense, a direção é soberba e os atores são todos de primeiríssima qualidade, muitos são celebridades do cinema italiano, que confiaram no talento do diretor Sergio Leone, aceitaram o papel secundário e realizaram um belíssimo trabalho interpretativo.

Necessário faz-se chamar a atenção dos leitores para uma característica muito usada pelo diretor Sergio Leone em todos os seus filmes, sendo que neste ele usa e abusa inteligentemente dos closes. São praticamente centenas de closes em todas as cenas. O diretor procura mostrar aos espectadores a reação dos personagens com closes longos e repetidos a exaustão e os personagens reagem belamente com essa técnica com belíssimos e expressivos closes em quase todas as cenas.

As cenas finais são antológicas, principalmente o duelo final, no qual o personagem (sem nome) interpretado pelo ator Clint Eastwood, usa um escudo de ferro embaixo do seu ponche. Cena esta já histórica e sabiamente aproveitada pelo diretor Robert Zemeckis no filme “De Volta Para o Futuro nº. 3” com um resultado de muita criatividade.

A Trilha sonora é tão importante neste filme, como se fora um personagem vivo e testemunha presente dos fatos. A música pontua, chama atenção para pequenas cenas, pequenos gestos e segue os atores nas cenas em que há alguma expectativa, de modo insistente como a advertir os personagens do que está por vir. A música é um personagem do filme, coisas do maestro Ennio Morricone que já declarou que antes de fazer a música ele precisa conhecer toda história do filme e mais importante: acompanhar as principais cenas da filmagem, como ele fez no clássico “Era Uma Vez no Oeste” o que resultou naquela magnífica obra-prima do western spaghetti.

“Por um Punhado de Dólares”, apesar do pouco recurso para realizá-lo, já nasceu clássico.

Trilha sonora de “Um Punhado de Dólares do genial Ennio Morricone

* * *

Clique aqui para assistir ao filme completo “Por um Punhado de Dólares”, primeiro da Magna Trilogia com um final antológico.

7 pensou em “POR UM PUNHADO DE DÓLARES (1) – A MAGNA TRILOGIA DO DIRETOR SERGIO LEONE

  1. Dois grandes faroesteiros que eu conservo a honra de tê-los no meu livro NO ESCURINHO DO CINEMA que será publicado logo após essa tal de pandemia. Aliás, dois não!!! Mas o trio de três, incluindo aí o grande Luiz Berto que é quem apresentra o livro para os amantes do cinema bang bang…

    P.S.: – Meus queridos grande TAVARES e o gigante d.matt: cena hilária é àquela em que Clint dirige-se aos bandidos e faz um desafio com o diálogo que é mais ou menos assim: “Olhe, senhores!!! A minha burra não gostou nem um poquinho de ser chamada de pangaré… Ela fica brava quando é tratada assim… Peçam desculpas a ela”… Cena magistral!!!

  2. Cicero

    Certa vez sugeri ao Altamir, nosso cowboy de plantão no JBF, para comentar o grande diretor Sam Peckimpah e belo filme “Meu ódio será tua herança” .Pois bem, ao lado de Sergio Leone, coloco o Peckimpah, um bom cowboy sem espaguete.

    Parabéns extensivos ao nosso D. Matt, que tem nome de cowboy.

  3. Prezado Jupiense(Jupi, cidade distante 20 KM de Garanhuns-PE), Brito que mora há 50 anos na capital paulista e nunca esqueceu a terrinha.

    Meu prezado, confesso-lhe que estou com esase débito com você e assumo um coimpromisso público que atenderei o seu desejo. JÁ AGENDEI SEU PEDIDO, MEU PREZAD BRITO!!!

  4. Eu tenho assistido com frequência essa trilogia e tem final de semana que o pessoal emenda um atrás do outro. Recentemente, vi Era uma vez no oeste, de Leone. Cláudia Cardinali, linda!!!!!

  5. Mestre Berto, respeito a opinião de todos. Mas acho que, às vezes, até na riquíssima Língua Portuguesa faltam palavras. E explico: o autor da postagem, em um certo momento refere-se a Sérgio Leone como “genial”. Pois bem, gastando-se o adjetivo genial com Sérgio Leone, que elogio sobra para aplicar a Charles Chaplin, John Ford, Bunuel e Bergman, por exemplo? Não sou expert em artes, apenas um espectador comum de filmes que divirtam e ensinem sem exigir grandes esforços intelectuais. Esses, guardo para os livros. No entanto, sempre li dos analistas e críticos profissionais de cinema que os que citei e mais uns dois ou três que posso ter esquecido, são (ou foram) os “non plus ultra” da sétima arte. E nessa ilustre e seleta confraria o nome do diretor Sérgio Leone nunca entrou.
    PS: Estou em ótima companhia. O genial (esse era) Ariano Suassuna fez comentário similar, só que em relação à palavra “gênio” e citando outros personagens das artes. Ariano questionou o substantivo e eu, um Zé Ruela, o adjetivo. Quanta pretensão a minha! Mas sempre é melhor acompanhar Suassuna do que Lula ou Dilma.

  6. Caro Cícero vc é o homem dos sete instrumentos. Mandou bala certeira no texto de ” Por um Punhado de Dólares” ao comprovar que também é um profundo conhecedor, isto é domina os segredos da sétima arte. Gostei demais.

Deixe uma resposta