ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

É linda uma nuvem cheia
Estendida como rede,
A chuva enchendo um açude,
Água lavando a parede,
Do povo matando a fome,
Dos bichos matando a sede.

Geraldo Amâncio

Em cima do corpo, a cova;
Em cima da cova, a cruz;
Em cima da cruz, a vela;
Em cima da vela, a luz;
Em cima da luz, o céu,
E, em cima do céu, Jesus!

Ivanildo Vila Nova

Estou aceitando a vida,
Pelas condições reais;
Dando um auxílio às crianças
Que não conhecem seus pais;
Zelando a vida dos outros
Que a minha não presta mais!

Manoel Filó (1959-2015)

Pra o cantador de viola
Ser bom tem que ter talento,
Um carisma acentuado,
Um vasto conhecimento
E aprender criar imagens
No altar do pensamento.

Raimundo Caetano

Numa das noites mais belas
Dos nossos interiores,
Para um encontro de sonhos,
Unem-se dois cantadores,
Iguais a dois jardineiros
Numa colheita de flores.

Moacir Laurentino

11 pensou em “POESIA PURA DOS POETAS DO SERTÃO

  1. Sou uma fã da natureza, pois além de melhorar o bem-estar geral, ela contribui para a qualidade do pensamento e inspira a criatividade e a aprendizagem. Estar em meio à natureza traz uma ideia de felicidade e uma sensação geral de bem-estar. A estrofe de Geraldo Amâncio diz tudo que eu gostaria de exprimir se tivesse o dom da poesia: É linda uma nuvem cheia/Estendida como rede,/A chuva enchendo um açude,/Água lavando a parede,/Do povo matando a fome,/Dos bichos matando a sede.

    • Cristina,

      Grato por seu comentário admirável. Concordo em gênero, número e grau sobre seus argumentos a respeito da importância da natureza. É da natureza que retiramos os recursos necessários para a nossa sobrevivência, tais como alimento e água. É ela também que garante o nosso desenvolvimento econômico, fornecendo as matérias-primas naturais necessárias. A natureza, portanto, é essencial para a sobrevivência do homem no planeta.

      Compartilho com a prezada amiga uma sextilha do poeta e repentista Rubens do Valle com belos versos sobre a natureza:

      No final da tardezinha
      Depois que o Sol vai embora
      A mata fica em silêncio
      Calando a fauna e a flora
      Velando o corpo da noite
      Até o nascer da Aurora.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  2. A fraternidade nos impede de sermos indiferentes diante da gritante necessidade de irmãos e irmãs que sofrem por vários motivos, da enorme disparidade econômica entre pobres e ricos, da indiferença globalizada com os mais vulneráveis. A fraternidade resulta do amor e provoca mudança interna nas pessoas. Nós podemos viver a fraternidade olhando para o próximo com compaixão, acolher sem julgamentos, doar sem interesse e sentir a dor do outro como se fosse a de si mesmo. A sextilha do poeta repentista Manoel Filó descreve de forma poética sobre a necessidade de sermos fraternos nesse mundo tão carente desse sentimento:Estou aceitando a vida,/Pelas condições reais;/Dando um auxílio às crianças/Que não conhecem seus pais;/Zelando a vida dos outros/Que a minha não presta mais!

    • Vitorino,

      É gratificante receber seu ilustre comentário de quem conhece os poetas repentistas do Nordeste. Suas observações sobre a fraternidade correspondem a realidade e nos ensinam a ser assistencial durante nossa caminhada de vida.

      A fraternidade universal designa a boa relação entre os homens, em que se desenvolvem sentimentos de afeto próprios dos irmãos de sangue. Fraternidade é o laço de união entre os homens, fundado no respeito pela dignidade da pessoa humana e na igualdade de direitos entre todos os seres humanos.

      Aproveito esse espaço democrático do Jornal da Besta Fubana para compartilhar uma sextilha do poeta repentista Rubens do Valle:

      Quando alguém te difamar
      Não revide imediato
      O concreto só existe
      Acompanhado do fato
      E as provocações sem base
      Nós as jogamos no mato.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  3. As religiões trazem consolo e reflexões em torno do propósito da vida. Afirmam a existência da transcendência, de que a existência não termina com a morte. Sendo que o sofrimento e a morte são experiências religiosas fundamentais e não podem ser ocultadas ou negadas. Sendo uma pessoa que cultiva a religião, desde criança por influência materna, fique emocionada com os belíssimos versos do inspirado repentista Ivanildo Vila Nova e faço questão de registrar: Em cima do corpo, a cova;/Em cima da cova, a cruz;/Em cima da cruz, a vela;/Em cima da vela, a luz;/Em cima da luz, o céu,/E, em cima do céu, Jesus!

    • Adgmar,

      Agradeço seu formidável comentário. Concordo plenamente com seus argumentos sobre a religião, principalmente, sobre a existência não findar com a morte. Quando morremos, nosso espírito e corpo se separam. Mesmo que nosso corpo morra, nosso espírito — que é a essência de quem somos. Nosso espírito vai para o mundo espiritual, que está dividido entre o paraíso e a prisão espiritual. Assim penso.

      Aproveito a ocasião para enviar a prezada amiga uma sextilha do poeta popular Leonardo Bastião:

      No dia que eu morrer
      A minha vida se encerra
      Vou prestar conta a Jesus
      Único juiz que não erra
      E pagar pelos pecados
      Que fiz em cima da terra.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  4. O poeta repentos sabe desenvolver qualque tema com habilidade de quem domina a arte de fazer versos de improviso. Todos possuem qualidades, entretanto uns se dedicam a determinados temas e sobressaem; outros, são versáteis e conseguem sair bem em qualquer assunto solicitado pela platéia. Tenho uma admiração especial pelo poeta Geraldo Amâncio porque é de uma simplicidade própria dos gênios. Um exemplo da sua generosidade aconteceu quando um conhecido meu de Foz do Iguaçu localizada no extremo Oeste paranaense, na chamada tríplice fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina. Ele fez um contato para uma apresentação de Geraldo Amâncio e perguntou quanto era o cachê? Geraldo disse que há muito tempo tinha vontade de conhecer Foz de Iguaçu, então, disse: “Só precisa pagar a viagem e o hotel que terei o prazer de me apresentar”. Isso é um homem que zela pela profissão e um dos melhores poeta repentista da atualidade!

    • Antônio,

      Muito obrigado por seu minucioso comentário. Concordo com as qualidades de poeta e repentista de Geraldo Amâncio, além, de ser uma pessoa simples que atende a todos os fãs de forma gentil. O episódio da apresentação de Geraldo Amâncio em Foz do Iguaçu demonstra a falta de apego material desse grande cantador de viola. Ele é um dos mais talentosos repentista da sua geração e merece toda a fama conseguida em uma vida dedicado ao admirável universo do repente.

      O seu texto está ótimo e ilustra tudo o que o meu artigo tem como objetivo: tornar a poesia popular e o repente visível em todo o nosso imenso país. Aproveito essa oportunidade para compartilhar com o prezado amigo uma septilha do poeta e repentista Geraldo Amâncio:

      Se acaso alguém lhe ofender
      De forma leve ou ferina,
      Não revide com o mal,
      Entregue à força divina.
      Se você quer praticar
      A lição de perdoar
      Peça a Deus que ele lhe ensina.

      Saudações fraternas,

      Aristeu

  5. Parabéns, Aristeu, pela bela postagem POESIA PURA DOS POETAS DO SERTÃO
    Gostei imensamente da sua seleção de poetas e de todas as sextilhas.

    Destaco a que mais me tocou:

    “É linda uma nuvem cheia
    Estendida como rede,
    A chuva enchendo um açude,
    Água lavando a parede,
    Do povo matando a fome,
    Dos bichos matando a sede.

    Geraldo Amâncio”

    Desejo a você e sua família, uma semana com muita saúde, alegria e paz!

  6. Violante,

    É gratificante receber seu excelente comentário. Saiba que seu elogio é um estímulo ao prazeroso trabalho de pesquisar a cultura popular e o repente procurando sempre digitar um texto que estimule a leitura dos amigos fubânicos. Quanto a sextilha escolhida, aproveito o mote para fazer algumas observações sobre a natureza.

    Em geral, a natureza em seu sentido mais amplo é o mundo natural, o mundo físico. Se refere à vida e aos elementos e fenômenos presentes no meio ambiente. Em geral, não inclui as obras e consequências das atividades humanas.

    A natureza é fonte do ar que respiramos, da água que bebemos, da comida que consumimos, do combustível que utilizamos e de todas as matérias primas dos produtos que usamos todos os dias. É a partir do meio ambiente que obtemos todos os recursos necessários para a sobrevivência humana e de todos os outros seres vivos.

    O que pode prejudica a natureza é desmatamentos, poluição de rios, mares e florestas, e o uso indevido da água e de energia são alguns exemplos. Por isso, quando o assunto é sustentabilidade costumamos ouvir aquela frase: faça sua parte e contribua com a preservação da natureza.

    Compartilho com a prezada amiga uma estrofe do poeta repentista Geraldo Amâncio alertando as mulheres sobre o amor dos homens:

    O amor de duas feras
    Que também se querem bem
    Tem o mesmo amor do homem
    Quando ama e abraça alguém
    Só não tem a falsidade
    Que o amor do homem tem.

    Desejo uma semana com paz, saúde e alegria para você e família:

    Aristeu

  7. Obrigada, Aristeu, por compartilhar comigo esta estrofe bonita e verdadeira do poeta repentista Geraldo Amâncio, “alertando as mulheres sobre o amor dos homens”.

    Gostei imensamente das suas observações sobre a natureza.
    Realmente, a natureza possui tudo o que o ser humano precisa para sobreviver.

    Mas, como você disse:
    “O que prejudica a natureza é desmatamentos, poluição de rios, mares e florestas, e o uso indevido da água e de energia são alguns exemplos. Por isso, quando o assunto é sustentabilidade costumamos ouvir aquela frase: faça sua parte e contribua com a preservação da natureza.”

    Uma ótima semana, com muita saúde e Paz!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *