15 pensou em “PESQUISA EM DUAS RODAS

  1. Parolagem.

    Voto auditado? O Bolsonaro ganhou com urnas eletrônicas, o Trump perdeu com voto impresso e auditável. O vooto eletrônico brasileiro é, ATÉ QUE SE PROVE (com provas, não com palavras ditas a apoiadores) algum tipo de fraude.

    • Caro Hipólito, o Trump perdeu com voto impresso e auditável? Que eleição v. acompanhou? Não foi a dos EUA.

      Quanto a de 2018 aqui, se houvesse voto eletrônico impresso e auditável, Bolsonaro ganharia no 1º turno.

      O Voto eletrônico brasileiro atual não é aprovado em nenhum outro país. Na Alemanha e na Índia foi considerado inconstitucional, pois o eleitor não tem garantia de que o que ele votou realmente é o que vai ser apurado. É difícil entender isso, caro Hipólito?

      Quanto à provas de fraudes registradas, elas não existem, pois justamente tais fraudes não deixam registro. O que existe são indícios estatísticos e matemáticos de análises de urnas e regiões, onde já foi comprovada a possibilidade de mais de 70% de fraude.

      Técnicos independentes da USP não precisaram mais de 1 hora diante destas urnas para modificar remotamente o programa. Advinha o que eles sugeriram para tornar o sistema mais seguro? Bingo, o voto impresso ao lado da urna eletrônica.

      Fora os famosos apagões, que na última eleição de 2020 chegou a 3 horas, em que todo tipo de desculpa é dada.

      Tudo isso não nos dá o direito de desconfiar da coisa?

      E qual o motivo para desde 2001 o TSE não querer colocar voto impresso nas urnas, sendo que em 2002 tal sistema foi colocado em mais de 100 cidades experimentalmente, sem intercorrências?

      • Prezado

        Acho que você não acompanhou a eleição dos EUA. O Trump perdeu com voto impresso (até pelos correios foi) e auditável, tanto que ele impetrou inúmeras açoes judiciais e PERDEU todas (inclusive julgadas por juizes nomeados por ele)

        Segundo, ao que me consta (se estou errado me corrija) as urnas eletrônicas NÃO são conectadas à internet, logo não podem ser acessadas remotamente. Os técnicos da USP, como você disse, estavam DIANTE das urnas, o que não será possível na eleição.

        Se houve os “famosos apagões”, deve-se recorrer à justiça para averiguar., e não ficar insinuando.

        Terceiro, se não existem provas, porque então o Presidente está insistindo nesta tese? Para chamar o exército caso não seja eleito?

        Agora, alterar a programação das urnas e permitir imprimir um relatório, eu até acho bom, desde que seja feito na maior segurança possível.

        O gasto seria mínimo.

        • Caro Hipólito, nos EUA são 50 estados e mais um DF, com 51 sistemas de votação que podem ser diferentes, pois os estados tem regras independentes.

          Lá teve voto com urnas eletrônicas, papel e voto pelo correio. O Voto não é obrigatório e para ir votar a pessoa pode apresentar qualquer documento.

          No Sistema eletrônico a empresa que usada foi a mesma que aplica nas eleições venezuelanas, no voto pelo correio, dezenas de mortos votaram e na cédula houve casos da mesma pessoa ter votado em vários condados diferentes, além de casos com documentos falsos.

          A justiça não quis levar as denuncias adiante, não foi porque não houve provas, e sim porque, dada a pequena distância entre a eleição e a posse, os EUA (a nação mais poderosa do mundo) não poderia ficar acéfala. Porém ficou muito feia a situação por lá, beirando uma secessão.

          A modificação (fraude) da Urna eletrônica brasileira pode ocorrer em várias etapas, mas principalmente na hora transmissão de dados e da contabilização dos votos, como já ficou demonstrado várias vezes. Também o programa da urna pode ser alterado pelo mesário.

          Responda uma só coisa: a votação eletrônica com voto impresso auditável já foi aprovada no congresso várias vezes com ampla maioria de apoio de congressistas. Porque o STF insiste em não deixar?

          Já disse, se em 2018 os votos fossem impressos e auditáveis, JB ganharia no 1º turno.

          • Prezado

            Não consta que nos EUA se usou urnas eletrônicas. Este sistema é só utilizado no Brasil.

            E o seu argumento de que “A justiça não quis levar as denuncias adiante, não foi porque não houve provas, e sim porque, dada a pequena distância entre a eleição e a posse” não cola nem em criancinhas de 5 anos. Como dizem os americanos, “bullshit”

            A nação não ficaria acéfala, o Trump seria declarado eleito e pronto.

            Quanto à recusa do STF em adotar o voto impresso (após a votação, claro) não tenhgo como respoinder. Deve-se perguntar a eles.

            E esta conversa de JB ser eleito no primeiro turno se os votos fossem impressos, nção cola. Seria preciso provar e, por enquanto, é só conversa e ameaças.

            Abraços

  2. Prezados, boa tarde!
    Fico vendo essa ladainha que as urnas eletrônicas são confiáveis, juro que não são. Aconteceu comigo, um primo meu foi candidato a vereador aqui na cidade onde residimos e ao votar, coloque o número dele várias vezes e aparecia a foto de outro candidato, chamei o mesário e o mesmo alegou que eu estava digitando os números errados, por vias das dúvidas, não votei para vereador. Agora eu pergunto, isso está correto?

    • Imagino que o programa da sua cidade (cada cidade tem um específico para seus candidatos) tenha sido alterado por um “inimigo” (ou amigo de umm adversário) de seu primo. Essa é uma hipótese plausível.

      Para um programador seria simples alterar (hackeando, claro) o programa e alterar a foto.

      É claro que não está correto e acho que seu primo deveria ter ido à justiça para auditar as urnas e caso realmente tenha acontecido, anular os votos daquelas urnas.

      Mandados de segurança garantem isso.

      Abralos

        • Primeiro, eu não sou tucano nem petista nem pslista.

          Segundo quem sou eu para não deicar auditar? Estás me achando tão poderoso assim? Pobre de mim.

          A pergunta deveria ser colocada para outra pessoa.

          Leia o meu comentário, para ver que eu acho uma boa idéia a urna eletrônica com impressão de um relatório após a votação.

          Abraços

      • O Sr. Hipólito acabou de admitir que uma das hipóteses em que a urna eletrônica pode ser fraudada (há outras).

        O fato citado pelo Luiz Xavier aconteceu em inúmeros locais, segundo relados. Houve vários B.O,s. Sabe o que aconteceu? Nada, pois depois que a urna foi fechada, altera-se novamente o programa para o normal e acabaram-se as provas. Fica o dito pelo não dito.

        Poxa, precisa ser mais claro que isso? Com o voto impresso isso não aconteceria.

  3. Ja disse aqui que não sou Goiano.

    Não queiram me rotular, pura bobagem. Basta provar que eu estaria errado em minhas considerações, o que, definitivamente não fazem. So leio insinuações, ataques, etc….

    Mas já que insistem nesta afirmativa idiota, acho que devo parar de comentar este post. O que eu acho deve ser lido mais acima. Não tenho nada a acrescentar, senhores

    .

    Boa Noite a todos

Deixe uma resposta para Hipólito Cancelar resposta