J.R. GUZZO

Nada chama mais atenção, na atual guerra movida pelo ministro Luis Roberto Barroso e pelo resto do STF contra a adoção de alternações no atual sistema de voto eletrônico para as eleições de 2022, quanto a quantidade de perguntas não respondidas sobre o que, afinal, está acontecendo nessa história. O debate foi deturpado, brutalmente, com as repetidas declarações do presidente da República de que o voto eletrônico “puro”, como ele é hoje, leva à fraude na apuração; ele disse também que sem um novo sistema, mais seguro e verificável, não haverá eleições limpas no ano vem, e se não houver eleição limpa não haverá eleição nenhuma.

A primeira pergunta sem resposta vem daí: o que o presidente faria, na prática, para suspender as eleições, caso o sistema não seja mudado? Coloca a tropa na rua, fecha o Congresso e o Supremo, baixa um Ato Institucional? E aí: de que jeito fica no governo? Bolsonaro diz, também, que foi vítima de fraude eleitoral. Quais as provas que tem disso? Já prometeu apresentá-las um monte de vezes, mas até agora não apresentou nada. Por quê?

Em matéria de perguntas não respondidas, essas já seriam mais do que suficientes. Mas o extraordinário nisso tudo é que o lado oposto também não consegue responder nada: defende o atual sistema como se fosse a criação mais perfeita da humanidade até hoje, mas não foi capaz até agora de trazer à discussão um único argumento sério em favor de qualquer dos pontos que declara essenciais para a sobrevivência da democracia no Brasil.

Uma dessas perguntas sem resposta, ou respondida com raciocínios de terceira categoria e com mentiras puras e simples é: por que o STF nega ao Congresso Nacional o direito de debater qualquer alteração no atual sistema de voto e apuração? Tudo bem que o ministro Barroso seja contra, como Bolsonaro é favor, mas por que o Congresso não pode decidir sobre o assunto? Não adianta dizer que pode, porque não pode – tanto não pode que o ministro Barroso, e acólitos, se meteram diretamente em conversas com deputados para melar a discussão do projeto sobre o tema que tramita na comissão especial na Câmara. O STF não quer, nem mesmo, que o assunto vá a plenário. De novo: por que os deputados não podem decidir a questão votando livremente sobre ela?

Por que não se pode pensar em nenhum aperfeiçoamento técnico para um sistema que está aí desde 1996? De lá para cá, a tecnologia eletrônica mundial não descobriu nada que pudesse melhorar o processo? Por que Barroso diz que a mudança será caríssima – R$ 2 bilhões – quando só o “Fundo Eleitoral” que os políticos acabam de aprovar em seu favor é de R$ 6 bilhões – três vezes mais?

Por que os ministros insistem em dizer que o voto auditável vai violar o sigilo eleitoral (os “coronéis” exigiriam do eleitor a apresentação do recibo impresso de como votaram), se nenhum eleitor vai levar recibo nenhum para casa? Como advertir dos perigos de “judicialização” das eleições se a Justiça Eleitoral, já hoje, vive soterrada com processos de candidatos, uns contra os outros?

Mais que tudo: se Lula já está com mais de “50% dos votos”  nas pesquisas e vai ganhar no primeiro turno, segundo o Datafolha e seus subúrbios, por que esse desespero todo em segurar o sistema como ele está? O candidato do STF – foi o STF que reinventou a vida política de Lula, e lhe deu a candidatura de presente – não vai ganhar de qualquer jeito? Ou será que está havendo algum problema com a sua candidatura e os seus milhões de votos? Será que Bolsonaro achou um jeito de roubar a eleição por conta do “voto impresso”? De que jeito? Barroso realmente não pode acreditar numa coisa dessas, pode?

Uma coisa é certa: quanto há muitas perguntas sem respostas, estão tentando dar um golpe em você.

1 pensou em “PERGUNTAS SOBRE O VOTO IMPRESSO QUE NINGUÉM RESPONDE

  1. Guzzo resolveu dar uma “isentada”. Jogou a discussão sobre a mudança do voto eletrônico “puro” para eletrônico porém com impressoras, como se fosse um Fla x Flu de torcidas organizadas. Nada mais falso.

    Vou tentar responder as questões colocadas contra quem defende o voto impresso.

    Em 2018 Bolsonaro teria vencido no 1º turno. No domingo da apuração do 1º turno lá por volta de 19 horas (hora fatídica), Bolsonaro liderava a eleição com pouco mais de 49% e bem mais da metade as urnas tinham sido apuradas. O NE, que apura primeiro e onde JB não tinha tanto apoio já tinha passado de 80%. De repente o famoso apagão de alguns minutos para toda a divulgação dos resultados. Na volta, começa a cair a vantagem do JB e ele vence o 1º turno, com o dobro dos votos do Poste. Muito estranha esta parada.

    Ah, antes da eleição do 1º turno as “pesquisas” davam Bolsonaro na frente por pouco, mas com o poste virando em SP, o que ficou longe de ocorrer.

    Provas de fraudes? Impossível, pois o TSE não permite que técnicos isentos façam uma auditoria completa no programa. Indícios? Há muitos, inclusive análises estatísticas que mostram muitas incoerências e impossibilidades nos resultados das votações.

    Caso o sistema não seja mudado, não vai ser preciso intervenção do Governo, pois a população é que irá intervir. Espero que o congresso não pague para ver, pois no dia 1º de agosto ele terá uma pequena prova do que a população é capaz.

    O Lulla fala que venceu no atual sistema e que não deixariam ele ser eleito se pudessem mexer nas urnas. Falso como tudo o que Elle fala. Em 2002 houve urnas com votos impressos, que já tinha sido aprovado e foi implantado em uma pequena parte das urnas. Lulla assumiu e vetou a continuidade disso.

    Em 2015 o voto impresso foi aprovado (iniciativa do Bolsonaro), Dilma vetou e o veto foi derrubado com cerca de 90% do congresso. o STF vetou, dizendo que tal mudança precisaria ser feita via CF.

    Não tente igualar as coisas, Guzzo, não cola

Deixe uma resposta