ARISTEU BEZERRA - CULTURA POPULAR

Segundo o dicionário, o tempo pode ser definido como “período sem interrupção no qual os acontecimentos ocorrem; continuidade que corresponde à duração das coisas – presente, passado e futuro; o que se consegue medir através dos dias, meses e ano”.

Dessa forma, é um fato de conhecimento geral que um ano é composto de 365 ou 366 dias, que, por sua vez, possui 24 horas. Uma hora equivale a 60 minutos e um minuto é completado depois de 60 segundos. Entretanto, sabendo da teoria como explicar os instantes em que um minuto é diferente do outro dependente da situação em que estamos inseridos?

O tempo tem duas vertentes: o real – aquele que é possível colocar na agenda, administrar e priorizar – e o subjetivo. O segundo proporciona os momentos em que o indivíduo está de tal maneira dentro dele mesmo que as horas passam rapidamente ou lentamente de acordo com a visão particular de cada ser humano e advém das próprias experiências de vida, das suas crenças e valores. As pessoas, frequentemente, não conseguem organizar o tempo real, visto que são sempre influenciadas pelo subjetivo.

Habitualmente, quando nos dedicamos a algo prazeroso, ficamos concentrados e entretidos, transmitindo a impressão de que o tempo passou mais rápido, sem que fosse percebido. Outro fator capaz de provocar esse efeito é a rotina, uma vez que as informações rotineiras são processadas rapidamente pelo cérebro. Sob outra perspectiva, o tempo parece passar mais devagar quando realizamos atividades que nos desagradam ou causam tédio. Além do que, novos conhecimentos demoram mais para serem entendidos pela mente, produzindo a mesma sensação.

Existem diversas justificações para a passagem do tempo. Elas vão da biologia à física teórica. A questão é que o tempo ainda é um mistério para a ciência, pois não foi completamente compreendido. No entanto, uma explicação para esse fenômeno consiste no fato de que o cérebro quando estimulado de forma positiva, tem como resultado o prazer e libera dopamina, neurotransmissor responsável pelo controle das sensações de bem-estar e humor. Dessa forma, a dopamina é capaz de influenciar a percepção do tempo. Na verdade, o que vai determinar a subjetividade está relacionada a qual emoção será despertada, já que isso afetará o cérebro.

Fonte: Este texto foi encontrado na internet com autoria desconhecida. As pessoas começaram a enviar para os e-mails dos amigos, então pela importância do assunto resolvi publicar no JBF.

Deixe uma resposta