PERCIVAL PUGGINA

Pensar, opinar, escrever, falar, atributos inerentes à vida civilizada, se vão tornando atividades de risco, como escalar penhascos, fazer trilha em geleiras, descer cachoeiras, caçar cobras. Com estonteante rapidez, a sempre fugidia verdade foi sequestrada, estatizada, ganhou versões oficiais e foram cancelados os entendimentos divergentes. Criou-se um novo conceito de Ciência, em que algo que tenha recebido essa designação não pode ser discutido. Einstein era bem menos peremptório.

A título de exemplo, menciono a confiabilidade de urnas eletrônicas, engenhocas que não permitem a impressão e conferência do voto pelo eleitor. Ou, o que talvez seja mais grave, a presunção de que apontar evidentes desvios de conduta no STF e no Congresso Nacional é criar animosidade contra as instituições da democracia. A ser assim, há que se perguntar a razão pela qual apenas a instituição presidência da República está ao desabrigo dessas invejáveis prerrogativas. Que discurso fajuto é esse que serve apenas a dois dos três poderes de Estado?

Li na Gazeta do Povo de 25 do último mês de setembro:

“No recém-lançado Programa de Combate à Desinformação (PCD), que será conduzido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) para combater conteúdos que, na visão do Tribunal, possam ser enquadrados como “desinformação e narrativas odiosas” direcionadas à Corte, o Supremo informou que uma das medidas será a aproximação do Comitê Gestor às agências de checagem. De acordo com a Resolução 742, que institui o PCD, esses veículos são responsáveis por “buscar solucionar o problema da desinformação e dos discursos de ódio”.

Há algum motivo para que tais agências, postas a serviço da cúpula do Poder Judiciário nacional, não ampliem o garrote já aplicado à liberdade de opinião? Elas nasceram desacreditadas por seu estrabismo ideológico e político, perfeitamente identificável na bênção concedida a “narrativas”, chavões e rótulos que não passam de lixo retórico esquerdista.

Muito do que vejo acontecer me traz à mente a famosa Comissão da Verdade, espécie de oráculo polifônico, a sete vozes, criado pela ex-presidente Dilma para carimbar uma “narrativa” sobre mocinhos e bandidos nos governos militares. Muito me bati contra aquela iniciativa que atribuía tal tarefa a um pequeno colegiado, como se repete agora a propósito de temas polêmicos do momento.

A prova cabal de seu facciosismo se evidencia no fato de jamais haverem exposto a absurda fake news que responsabiliza o presidente da República pela morte de 600 mil pessoas… Para o STF, porém, estão credenciadas a uma parceria com o poder na nobre tarefa de rotular ciência, consagrar verdades e tornar sacrílego o ato de as contradizer.

Caramba! Este país cansa, mas amanhã é outro dia!

2 pensou em “PENSAR, ATIVIDADE PERIGOSA

  1. Quem checa as agências de checagem?

    Do mesmo jeito que os governos afirmam que vacinas recém-criadas e não testadas são seguras e todo mundo deve tomar (sem perguntar a marca, senão é xingado de “gourmet de vacina”), os governos vão afirmar que aquilo que as agências dizem é a pura verdade e ninguém pode reclamar.

    E o povo aceita feliz.

  2. Calma, ai, Marcelo, que o buraco é bem mais embaixo!!!
    Pelo visto e anunciado quase como um dogma de fé, esse liame estabelecido entre o chamado Comitê Gestor do PCD e as agências verificadoras é exclusivo do amantíssimo supremo tribunal federal, que agora incursiona em um território até então não explorado por suas insolências, qual seja a criação de órgãos, comissões e outras esculhambações similares, com os respectivos cargos e funções bem remuneradas, onde serão acolhidos seus apaniguados.
    Viram, agora, que a messe é farta e lá vão buscar o seu quinhão.
    E a plebe ignara que se phoodda!!!
    Com ph de farmácia; dois oo, de cooperativa e dois dd,de Toddy.

Deixe uma resposta