RODRIGO CONSTANTINO

As cenas são chocantes desde que o Talibã tomou o controle do Afeganistão novamente, por conta de uma tremenda lambança do governo Biden na execução da retirada das tropas americanas. Os ataques terroristas desta quinta mataram 12 militares americanos, e outros 15 ficaram feridos. O clima é de enterro, e as críticas ao presidente só aumentam, enquanto sua popularidade despenca em queda livre.

Biden foge das entrevistas, tenta transmitir mensagem de confiança sem qualquer sucesso, e muitos já começam a enxerga-lo como um pato manco. Não completou sequer um ano de governo, mas sua imagem é péssima inclusive entre democratas, e até a imprensa tradicional esquerdista subiu bastante o tom das críticas. Não é para menos: trata-se da maior trapalhada em política externa desde a revolução iraniana na gestão de Jimmy Carter.

E Biden não tem nada para tentar “compensar”. O novo surto de Covid atinge o país em cheio, com escalada no número de casos, sua hiperatividade em decretos presidenciais serviu apenas para enfraquecer os pilares republicanos da nação, e seu pacote econômico desenvolvimentista não funcionará. Trump ofendia as sensibilidades da elite cosmopolita “liberal”, mas Biden ofende a segurança dos empregos e dos próprios americanos.

E pior para Biden: não dá mais para responsabilizar o seu antecessor pelos fracassos. É o que argumenta Phillip Klein na National Review: “Biden deve seu sucesso político inteiramente ao fato de ter Trump como contraponto. É por esse motivo que os democratas estavam dispostos a nomear um candidato presidencial idoso, instável e duas vezes derrotado. Essa é a razão pela qual ele foi eleito. E o contraste com Trump foi o motivo pelo qual ele obteve índices de aprovação geralmente positivos durante seus primeiros seis meses no cargo. Mas agora, Biden está por sua própria conta. Porque ele não pode mais usar Trump como desculpa para seus próprios fracassos.”.

E eis o ponto aqui: para derrotar Trump, o conluio midiático resolveu “passar pano” para alguém como Biden. A mídia protegeu o então candidato, não fez as perguntas duras, não questionou sua aparente senilidade, vendeu o senador apagado de meio século na política como um grande gestor, tudo para se livrar de Trump. Biden foi “eleito” como o presidente mais popular da história, a julgar pela quantidade de votos (muitos por correio). Está aí o resultado. A imprensa tem culpa no cartório.

Leandro Ruschel comentou: “Enquanto soldados americanos no Afeganistão eram destroçados por um ataque terrorista, fruto do desgoverno Biden, a democrata Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Deputados, convidava seus seguidores nas redes para comemorar o “Dia da Igualdade Feminina”. Qual o nível de alienação dessa esquerda, cujas prioridades parecem tão distantes daquelas do povo?

Se Biden e Kamala tivessem um pingo de dignidade, renunciariam e chamariam Trump de volta, confessando que levaram a eleição na malandragem, sob o silêncio cúmplice da mídia e das redes sociais, que chegaram a interditar o debate sobre fraudes. Mas se eles tivessem essa dignidade, não teriam levado na malandragem para começo de conversa, não é mesmo? Não teriam usado o advogado democrata Marc Elias para usar a pandemia como pretexto para autorizar votos maciços por correios, entre outras coisas.

E vale lembrar o que nossos correspondentes internacionais diziam de Biden no começo. O caso de Guga Chacra ilustra bem, pois o jornalista da Globo se considera um liberal, mas movido por puro ódio a Trump, acabou encarando Biden como um enorme alívio para a nação e o mundo. Hoje tem criticado as trapalhadas do presidente, justiça seja feita, mas quem adota uma visão mais estética de mundo nunca parece aprender a lição, confundindo discursos bonitos com resultados entregues.

Essa última mensagem envelheceu muito mal em apenas sete meses. O mundo ficará mais suave sem Trump? Pergunte aos israelenses que receberam milhares de foguetes dos terroristas do Hamas na cabeça, depois que Biden mandou recursos para a Faixa de Gaza. Pergunte a todos os mortos no Afeganistão. O mundo vivia um pesadelo mesmo na era Trump, ou era a imprensa em sua bolha que não suportavam o homem laranja? Trump era “mau”, e Biden é uma “pessoa normal”, segundo Guga Chacra. E olha só o preço da “normalidade”…

Que isso sirva de lição aos brasileiros. Em nosso país, a imprensa também quer se livrar a todo custo de Bolsonaro. Ele ofende a sensibilidade dos jornalistas, além de não soltar a verba gorda para os veículos de comunicação decadentes. Tem militante disfarçado de jornalista que trabalha até para normalizar Lula! Vale tudo, qualquer um, menos Bolsonaro. Essa patota só não liga para uma coisa: o resultado concreto de suas escolhas para o povo.

Deixe uma resposta