ALEXANDRE GARCIA

Ottawa

Manifestantes contrários ao passaporte da vacina se reúnem diante do Parlamento canadense, em Ottawa

Aqui em Brasília está o maior tititi na área universitária porque universidade supõem-se seja o lugar de luzes, de democracia, de liberdades. Só que na UnB não é.

Na saída do Mosteiro de São Bento, um aluno da UnB veio me falar preocupado que não vai poder ir à aula porque não tem o passaporte de vacina. A coordenadora da Faculdade de Medicina também pediu para sair do cargo. A decisão por exigir vacinação completa para ingressar em qualquer prédio da instituição foi tomada na quinta (27).

A professora Selma Kuckelhaus argumentou que “as vacinas disponíveis não impedem a infecção e tampouco o contágio, como demonstrado pelos inúmeros casos de infecção de indivíduos vacinados” e apontou incongruência na imposição do passaporte, em desacordo com a gestão. Sua posição: se a ordem da universidade é a exigência, então estou contra a ordem superior e caio fora.

Lá no Canadá, o “comboio da liberdade”, o “freedom convoy”, tomou conta da capital, também por causa desse totalitarismo do tal passaporte. E o chefe do governo, primeiro-ministro Justin Trudeau, caiu fora com a família.

O pior de tudo é que eu não vi, pelo menos até o domingo (30) nenhuma linha sobre Ottawa nos principais jornais do Brasil. É traição aos seus leitores, então omitindo notícias. Os caminhoneiros do Canadá estão fazendo história num dos maiores movimentos que aquele país já viu.

* * *

Diamante, ouro e energia elétrica

Este é um país que poderia ser uma grande potência, mas desperdiça potencial por burrice. Estava ouvindo o ex-ministro da Defesa Aldo Rebelo, atualmente sem partido, que era do PCdoB, que já foi presidente da Câmara, mostrando que poderíamos ser um grande produtor mundial de diamantes. Sabe lá o que é isso. Tem uma reserva indígena em Rondônia, chamada Roosevelt, que produz muito diamante, são bilhões de dólares. Só que não entra nas contas do Brasil.

O diamante some, é explorado por contrabandistas. Investigação de 2020 da Polícia federal apontou um esquema que movimentava US$ 20 bilhões por mês, houve outras anteriores, operações que remontam décadas.

Mesma coisa acontece com o ouro. Sabem porquê? A lei brasileira proíbe que haja mineração em terra indígena. Mas há mineração em terra indígena e o Brasil finge que não é com ele, com mais de 30 anos sem regulamentação para a atividade, prevista na Constituição.

Tem ainda outro absurdo que de que eu fiquei sabendo: estão abrindo comportas de reservatórios de hidrelétricas, que estão enchendo, mas que não chegaram no topo ainda. Será que é para faltar água quando parar de chover? E cobrar mais energia elétrica? O ministro de Minas e Energia podia dar uma olhada nisso.

* * *

“Maquininha” com comprovante

De volta ao Brasil, Sergio Moro, pressionado pelo Tribunal de Contas, pela tentativa de fazer uma CPI, pelo Ministério Público, acabou divulgando quanto ele ganhou em um ano como consultor ao escritório Alvarez & Marsal, que atua na recuperação judicial da Odebrecht, OAS e Galvão Engenharia – todas envolvidas na Lava Jato. Deu mais de R$ 3,5 milhões; uns R$ 250 mil por mês. A gente olha o tamanhão desse valor e fica tirando conclusões.

E o presidente da República, Jair Bolsonaro, não foi ao depoimento que o ministro Alexandre de Moraes tinha exigido que fosse presencial. Para defender a ausência, a AGU se baseou numa decisão do próprio Supremo, de 2018, para que não houvesse condução coercitiva de depoentes na Lava Jato.  A Advogacia-Geral mostrou, ainda, que o delegado que investigou a invasão dos hackers nos computadores do TSE declarou que não havia sigilo na investigação, mas o ministro Alexandre de Moraes acabou trazendo de volta à cabeça do eleitor a preocupação das invasões.

A gente acabou lembrando de tudo que aconteceu, dos hackers que lado TSE. O Tribunal disse que não afetou nada, não afetaria contagem de votos, mas a gente sabe que é preciso uma garantia para o eleitor. E a garantia que se vê é tirar o recibinho assim como a maquininha do cartão de crédito dá para a gente: um recibinho para garantir que, no fim do mês, a conta do cartão vai bater com os comprovantes que a gente tem na mão.

4 pensou em “PASSAPORTE DA VACINA, CONEXÃO BRASÍLIA-OTTAWA

  1. NOS TORNAMOS TERRA DE UMA MÍDIA NOJENTA, JORNAZISTAS COVARDES QUE MAMAVAM NAS TETAS FEDERAIS, ENFIM, UM BANDO DE VAGABUNDOS LOUCOS PARA VOLTAR A MAMAR DINHEIRO FÁCIL.

  2. Alexandre Garcia se confundiu nos números dos diamantes. USD 20bi / mês é muito dinheiro e muito diamante. Acho que mesmo os diamantes explorados legal e ilegalmente no mundo todo não somam tal quantia. Poderia ser USD 20 mi/mês, seria mais razoável e ainda assim representa uma grande soma para uma região fronteiriça BR / Venezuela, pois trata-se de exploração ilegal.

    • Airton, v. não entendeu ainda que nossa imprensa é uma sucursal da matriz americana? E que o sistema manda na grande maioria delas?

Deixe uma resposta para marcell Cancelar resposta