CORRESPONDÊNCIA RECEBIDA

TARCÍSIO MARTINS – LONDRINA-PR

ESTE é o livro de poesias da minha amiga REGINA MÁRCIA CONSTANTINO, uma das pessoas mais inteligente que já conheci, musicista, escritora, poetisa, compositora, além de ser um ser humano impar.

O livro de poesias pode ser adquirido pelo face de REGINA CONSTANTINO. 

É só clicar aqui.

Vamos ajudá-la…

Desde já agradeço.

Ela merece.

J.R.GUZZO

QUEM SÃO AS FORÇAS POLÍTICAS QUE TORCEM PARA O BRASIL DAR ERRADO

Há, na política brasileira de hoje, duas forças com interesses diferentes e um objetivo comum trabalhando contra o governo. A primeira é a oposição direta – o PT, seus partidos-satélites da esquerda e os “movimentos sociais”. A segunda é a extensa coleção de pessoas, grupos e organizações que sob várias denominações, e com apoios que vão da universidade à CNBB, das “classes cultas” à maior parte da mídia, se opõe ao presidente Jair Bolsonaro com o mesmo empenho e quase o mesmo palavreado da esquerda.

Seus interesses se chocam porque ambos querem ir para o poder, e não há lugar para todos. Seu objetivo comum é fazer o Brasil dar muito errado nos próximos três anos – pois se der razoavelmente certo, não mais do que isso, nenhum dos dois tem qualquer futuro.

As duas forças dizem que não é assim, claro. No seu discurso, garantem que são apenas contra o governo, não contra o país, e que torcem para tudo melhorar. Mas é só conversa. Sabem perfeitamente que só poderão ir para o governo nas eleições presidenciais de 2022 se houver um desastre na economia e em tudo o mais que importa de verdade para a população.

É esse o grande problema de quem, por qualquer razão que seja, se coloca como inimigo do governo de Bolsonaro. Os oposicionistas não têm um programa de ação, ou propostas concretas do que pretendem fazer se chegarem lá em cima, ou ideias coerentes para apresentar ao eleitorado. Tudo o que têm é o intenso desejo de derrubar os atuais ocupantes do Palácio do Planalto – nas próximas eleições, ou de preferência antes disso, através de um impeachment do presidente.

Mas para acontecer qualquer das duas coisas é indispensável que nada dê certo – no crescimento, no emprego, nos investimentos, no combate ao crime, na infraestrutura, nas contas públicas, nas reformas indispensáveis à salvação do país e por aí afora. O problema, no caso, é que o bloco todo que se opõe ao governo não tem, realmente, o controle sobre essas variáveis; não depende dele se o Brasil vai melhorar ou piorar nos próximos anos. Podem tentar atrapalhar ao máximo, e vão fazer isso. Mas sua ação, em si, não é capaz de garantir o fracasso do qual tanto precisam.

Entre as duas forças que lutam para derrubar o governo Bolsonaro existem, é óbvio, os que não são nada – querem apenas levar vantagens para si e passam o tempo todo armando esquemas para tirar proveito das necessidades que o governo tem, junto ao Congresso e ao mundo político, para executar os seus programas. Sempre que não são atendidos, jogam o jogo da oposição. Sempre que são atendidos, voltam no dia seguinte querendo mais.

No geral, trabalham contra o país – mas assim como acontece com o conjunto dos adversários do governo, não têm força para conseguir, por si mesmos, que a taxa de juros volte a subir, a inflação vá aos 20% ou que o desemprego dispare outra vez. Atrasam tudo, claro – mas não podem construir sozinhos uma recessão à la Dilma. Não podem, também, impedir que estradas sejam asfaltadas, que a Petrobras, o Banco do Brasil e a Caixa tenham os maiores lucros em décadas ou que o agronegócio continue quebrando os seus próprios recordes.

Ninguém precisa dizer que o governo tem problemas sérios pela gente. Mas os da oposição talvez sejam piores.

DEU NO TWITTER

ROQUE NUNES – AI, QUE PREGUIÇA!

ERA UMA VEZ

Engraçado que sempre uma fábula começa assim. E esta pretende ser uma fábula, não fabulosa, mas não deixa de ter sua moralidade. Então, vamos lá! Era uma vez um pequeno burgo – gosto do som dessa palavra, traz um misto de pão quente e trabalho ao mesmo tempo – perdido entre montanhas e vales. Nesse burgo havia um rapaz chamado Urbano Gentil, mas que todo mundo conhecia como cidadão. Rapaz trabalhador, simples, amigo de todos, brincalhão, cioso de seus deveres. Era uma espécie de faz tudo da região. Sabia fazer trabalhos de agrimensura, alvenaria, carpintaria, marcenaria, eletricidade, encanamento, ajudava nas missas da igreja, cuidava da mãe, dos irmãos, e ainda ajudava a vizinha a carregar as compras para casa.

Cidadão era o que se podia chamar de “homem que se fez a si mesmo”. Apesar da vida simples conseguia dar qualidade de vida para a família, defendia os seus como um tigre. Ganhava o suficiente para manter a despensa de sua casa sempre cheia, a geladeira abastecida, os irmãos sempre arrumados, limpos, estudando, com material escolar suficiente e sempre um lanche na mochila. Em casa, ajudava a mãe, dava uma força à irmã recém-casada e com um filho, tinha o “de seu” para a sua “sagrada cervejinha” no fim de semana – sempre duas latinhas bebericadas na porta de casa – e nada mais. E, até já tinha o suficiente para comprar um carro, usado, mas que ajudaria ele a atender um maior número de clientes, pois o veículo permitiria ele chegar mais rápido ao seu destino de trabalho.

Apesar do trabalho árduo, podia-se dizer que Cidadão era um homem feliz. Curtia um romance com uma linda menina, simples e trabalhadora como ele. Sonhavam juntos em unir forças, montar um negócio para atender aos pedidos de serviço que se avolumavam. Cidadão, mesmo se tivesse oito braços e quatro pernas já estava no seu limite de atendimento. Era preciso contratar gente. E o sonho de abrir o seu negócio, prosperar, ajudar outros que, como ele, também queriam, através do trabalho vencer na vida.

Certo dia, apareceu um desses “grandão”, de bolso forro. Chegou ajudando um, ajudando outro, emprestando um dinheiro aqui, amparando outro ali. E foi crescendo no burgo até se tornar o maioral da região. Todos o ouviam, todos estavam sob seu manto. E esse “grandão” foi ficando maior. Estabeleceu regras no burgo, criou uma série de normas, até ao ponto em que, se o morador do burgo quisesse falar com ele deveria passar por uma série de diretorias, secretarias, protocolos, auxiliares e outras bossas. E esse grandão foi se tornando cada vez mais abstrato, mais uma entidade do que um ser. Mas, havia algo, ou alguém que destoava desse cântico. Cidadão.

Continuando na sua faina, depois de casado conseguiu montar o seu negócio e a prosperar. Podia-se dizer que era o senhor de si mesmo. O “grandão”, vendo essa exuberância não pode suportar. Doeu-lhe na alma ver alguém que não estivesse debaixo de sua asa, de sua proteção, de seus olhos. Tentou de todas as formas convencer Cidadão a se proteger sobre sua sombra, sempre recebendo uma negativa educada, mas firme. Porém, tudo tem limites, inclusive a paciência.

Certa manhã de domingo, “Grandão” chamou seus baba-ovos – hoje são chamados de assessores – e mandou meter fogo nos negócios de Cidadão, dar uma surra nele, de maneira que ele tivesse uma mão decepada e ficasse paraplégico. E assim foi feito. Quase mataram o coitado de tanto bater. Queimaram sua empresa, destruíram sua casa e expulsaram seus irmão da escola onde estudavam. Vendo a situação, “Grandão” aproximou-se de Cidadão e lhe ofereceu uma casa de conjunto habitacional que podia ser paga em suaves prestações, por trinta anos – dessas casas que custam 30 mil, mas depois que você já pagou 250 mil descobre que ainda está devendo uns 330 mil de saldo devedor – Dizem que, o que é um peido para quem está todo cagado? Pois bem, cidadão aceitou a oferta.

“Grandão” ainda matriculou seus irmãos na escola que ele mantinha – um moquifo cheio de morcegos, com goteira quando chovia, um forno quando esquentava e um freezer quando esfriava, com professores semialfabetizados que só sabiam louvar as benesses que “Grandão” trouxe para o burgo, livros obsoletos que mais emburreciam do que ensinavam e uma gororoba servida como comida que, se fosse dada para um gato, ele a cheirava e jogava terra em cima.

Como Cidadão, sua esposa e sua mãe já não podiam trabalhar mais, “Grandão” deu uma cadeira de rodas para o coitado e um cartão onde ele podia todo mês ir no bolicho do burgo e fazer uma comprinha – limitada a determinado valor -, que excluía carnes variadas, laticínios, farinhas especiais, entre outras coisas. Era somente para o básico. Para não morrer de fome, como se diz hoje.

Certa vez, no aniversário do burgo, estavam “Grandão” e seus cúmplices, digo, assessores vendo o desfile das escolas. Estavam também convidados de fora que vieram para paparicar “Grandão”, quando este apontou Cidadão. “Ta vendo aquele cara lá, de cadeira de roda, quase maltrapilho, com cara de quem não come há uns três dias? Pois, é, se não fosse por mim, nem cadeira de rodas ele teria para andar pela cidade, acreditam?

Moral da história: desconfie sempre quando o Estado, ou um político quer te dar algum benefício. Sempre alguém terá a mão decepada e terá que andar em uma cadeira de rodas para que você possa aproveitar esse benefício, que não é benéfico.

Moral da história 2: se você quer deixar de ser tratado como gado, pare de se comportar como gado.

DEU NO JORNAL

A INTERVENÇÃO FEDERAL NO CEARÁ

Diante da situação extrema que pode levar o caos ao Ceará, o governador do estado, Camilo Santana e o presidente Jair Bolsonaro fecharam os termos para o envio de tropas federais para conter o motim da PM cearense. Mais do que o bom senso, prevaleceu a inteligência política. Mas seja qual for o desdobramento, o presidente da República sairá fortalecido.

A intervenção federal, chamada GLO (Garantia da Lei e da Ordem), foi autorizada nesta quinta-feira (21) por meio de decreto e prevê que as Forças Armadas fiquem na cidade de Sobral até 28 de fevereiro. O ministro Sergio Moro já havia enviado a Força Nacional de Segurança Pública, que permanecerá no Estado por 30 dias.

A GLO foi solicitada por Santana, que registrou nas redes sociais: “Agradeço ao presidente Jair Bolsonaro pelo apoio do governo federal neste momento”. Bom sinal. O que menos precisamos neste momento é de acirramento e polarizações.

Nem seria o caso de lembrar o quanto o PT criticou o envio de forças federais no Rio de Janeiro, durante o governo Temer. Antes assim: sempre há tempo para respeitar as instâncias da Federação e agir de forma responsável quando a gravidade dos fatos exige.

Todos os brasileiros torcem para que a greve (ilegal) seja debelada, sem a necessidade de confrontos e mortes. Será bom para o governador petista. Mas melhor ainda para o presidente da República, que atendeu de pronto à solicitação de um adversário político. O país agradece.

PENINHA - DICA MUSICAL

DEU NO TWITTER

DEU NO JORNAL

DEU NO TWITTER

ANDERSON BRAGA HORTA - SONETO ANTIGO

MEU DESEJO

Embalei minha vida, meus afetos
nos olhos virginais de uma criança.
Embalei-me na cálida esperança
de abrasar-me em seus mares mais secretos.

Meus almejos revoam quais insetos
em torno à flâmea sina! E não se cansa
meu coração de arder naquela trança,
naqueles brandos olhos inquietos.

Eu quisera afogar-me nos seus prantos,
naufragar-me nas vagas de seus olhos,
sufocar-me de amor nos seus encantos!…

E, afinal, envolvê-la nestes cantos
que brotam de minha alma em santos óleos,
e aquecê-la ao calor de sonhos tantos!