CÍCERO TAVARES - CRÔNICA E COMENTÁRIOS

Zé de Maria era um exímio caçador de pebas noturnos. Seus animais prediletos eram javalis, gambás e preás de cana de açúcar. Dizia ele terem esses animais as carnes mais saborosas do mundo para tomar com cachaça.

Um dia ouviu falar que lá nas matas do sítio de Chico Tanoeiro havia muitos gambás gordos, pois à noite eles invadiam o galinheiro do velho e comiam as galinhas de capoeira que dormiam num poleiro de madeira do quintal da casa grande. Coisas do interior.

Zé de Maria, como era chamado pelos seus colegas de copo, apesar de saber da existência dos gambás do sítio de Chico Tanoeiro, não tinha coragem de ir até lá sozinho porque tinha medo de passar por um matagal cerrado, escuro como breu que – diziam – havia muitas almas sebosas “penadas” por lá, “observando o ambiente”. Visagens que urravam durante a noite clamando pela salvação da “alma” que ainda se encontravam no purgatório, “aguardando autorização divina para entrarem no Reino do Céu” e por isso rogavam por uma ajudazinha dos “sem-pecados” da terra.

Como tinha medo de almas “penadas”, Zé de Maria resolveu chamar o colega de copo Chico Tira Gosto para ir ao sítio à noite com ele. E saíram a caçar gambás nas matas de Chico Tanoeiro, ambos armados com espingarda soca-soca: Um tiro, uma carreira!

Um dia saíram os dois armados com suas espingardas. Como Zé de Maria estava bêbado qualquer vulto que passasse em sua frente para ele era um gambá… Depois de muito observar e não ver nada, cansado, ele se deita em cima de uma touceira de capim e põe-se a roncar. Nesse momento chega Chico Tira Gosto e, sem dar conta que era o amigo, mas sim um “vulto” feito um gambá, mira a espingarda nos ovos do colega de copo, puxa o gatilho e, puffffffffffff!!, o chumbo espalhou na “trôxa” de Zé de Maria, espatifando os dois ovos murchos.

Nesse momento, Zé de Maria, sentindo o impacto do chumbo nos “grogomilos”, mesmo cambaleante de bêbado, levanta-se e percebe os “bichos” pendurados e, com o “cacho” na mão todo ensanguentado, pergunta para o colega:

-Que diacho foi isso, Chico? Arrancasse de mim o mais sagrado órgão do corpo que Deus me deu foi?! Como vou explicar a Ritinha que não posso mais comer ela guisada? Ritinha era uma galinha de capoeira gorda.

– Zé – disse Chico Tira Gosto – desculpa aí macho! Eu pensei que tua “trôxa” fosse um gambá. Esqueci-me completamente que tu tens os ovos grandes!

E, sem perder tempo, Chico Tira Gosto leva o parceiro de copo para a Maternidade municipal na carroça de burro. Chegando lá na sala de emergência preocupado com a situação do amigo, vai logo perguntando ao enfermeiro se era grave o problema e se ele corria risco de morte. Ao que o enfermeiro, sarcástico, afirma:

– Grave não é não, mas tem um porém: Se ele escapar, nunca mais vai poder comer uma bacurinha guisada porque pode inflamar! E deu um riso sarcástico: Quá! Quá! Quá! Quá! Quá! Quá! Quá! Quá!

Vídeos de bêbados engraçados

10 pensou em “OS CANEIROS ZÉ DE MARIA E CHICO TIRA GOSTO

    • Mestre cinéfilo de faroeste macho Altamir Pinheiro:

      As histórias hilárias de bêbados engraçados e apelidos idem é o que mais encontramos no universo da Nação Nordeste.

      Quem já teve a oportunidade de participar de “farras” homéricas com bêbados veteranos sabem muitas histórias hilárias. Uma pena é que agente esquece tudo depois que fica “melado” e as histórias se perdem ao vento, como diz o genial pop star prêmio Nobel de Literatura Bob Dylan.

    • Caríssimo Romildo,

      Para não deixar os apreciadores das histórias de bêbados “voando”, segue o vídeo do Truco que comeu o rabo do Toba com uma polodoriana de 28cm:

  1. Caríssimo,
    Não maltrate o Sancho, encaminhe-o ao raparigueiro mais próximo.
    Abraço grande e que a “marvade” não nos desampare jamais.

    • Isso! Isso! Isso! Jesus Ritinha de Miúdo, sem contar que isso é um tapa no politicamente correto.

      Os bebinhos, os papudinhos, os bebões, os bebarrões possuem histórias magníficas de se contar. História para se dar boas gargalhadas nesses tempos sombrios do vírus chinês que, infelizmente, está deixando o povo pirado.

      Valeu, nobre cronista e poeta. Sua presença é uma honra para esse escrevinhador.

  2. Mestre e confrade fubânico, Cícero.
    Essa parte dos “ovos” do cabra, é “chocante”…

    Põe aí, mais esse vídio na conta e, passa a régua….

    • Caríssimo Marcos André M. Cavalcanti,

      Uma pena mesmo eu não ter participado de farras homéricas com meus amigos de copo na adolescência e já adulto também!!

      Pois eu teria muitas histórias engraçadíssimas para contar hoje. As que eu publico, são os amigos distantes que me repassam e são oficialmente registradas na mente deles.

      Obrigado comentarista, pela postagem! Contarei mais outras brevemente.

Deixe uma resposta